Denise Campos de Toledo EECI

As várias leituras sobre o Copom

O posicionamento do Copom nesta última reunião, em que decidiu manter pela sétima vez a Selic em 13,75%, deflagrou uma onda de leituras quanto às perspectivas da política monetária, na medida em que não houve uma sinalização mais clara do início do corte dos juros básicos, como previa boa parte do mercado e agentes econômicos, inclusive incorporada em projeções como do relatório Focus e até na curva de juros.

O Comitê do Banco Central ainda se mostrou muito cauteloso na avaliação da conjuntura que daria condições para início do corte. Destacando várias condicionantes que passam pelas incertezas pela não conclusão do processo de aprovação do arcabouço fiscal, o balanço de riscos, inclusive externos, com as políticas de juros implementadas nos vários países, a evolução da inflação e a convergência das projeções. Nesse ponto, mesmo reconhecendo a queda recente dos índices de preços e das previsões do mercado, parece aguardar a confirmação dessa tendência de queda tanto do lado dos índices com das expectativas em prazo mais longo, focando focando na convergência das projeções não tanto para este ano, mas para 2024, cuja meta é de 3%. Vale lembrar que a previsão média do mercado para o IPCA de 2023 vem recuando há cinco semanas, com o último Focus apontando para 5,12%, depois de ter passado de 6%; e a do próximo ano já tendo chegado aos 4%. Movimento relacionado ao melhor comportamento dos índices de preços, como o IPCA, que teve variação de 0,23% em maio, rodando abaixo do esperado, diante da influência mais favorável dos preços de commodities, dos alimentos e produtos industrializados. Serviços, menos sensíveis aos juros, é que têm mostrado maior resiliência.

Vale observar ainda que essa revisão para baixo das expectativas para a inflação veio em paralelo à melhoria das previsões para a expansão da economia, com as projeções do avanço do PIB passando dos 2% neste ano. Portanto, se vê espaço para melhor performance da economia sem implicações sobre o controle da inflação, ainda que a recente reação do PIB tenha muito a ver com a forte expansão da agropecuária, enquanto indústria, comércio e até a atividade de serviços mostram instabilidades até não previstas. Instabilidades em boa parte pelo reflexo direto ou indireto da manutenção de juros elevados, através da elevação do custo do crédito ou pelo aumento do endividamento das famílias e da inadimplência, comprometendo o poder de compra dos consumidores. 

Por esses fatores, o mercado ainda matem a expectativa de início do corte dos juros no segundo semestre, mais dividido entre agosto e setembro, depois desse posicionamento menos dovish do Copom. Sendo que o último Focus previa o início em agosto, com corte de 0,25pp, e a Selic indo a 12,25% até o final do ano. Agora, o início, ritmo e amplitude dos cortes estão sendo recalculados. Se considera a possibilidade de o Copom não ter sinalizado o corte para não ficar amarrado a essa perspectiva, em um cenário que pode não evoluir como previsto, tanto do lado fiscal como da própria inflação. Em princípio ainda está aberta a porta para que os cortes comecem em agosto, se confirmadas as apostas mais favoráveis que, inclusive, vêm colaborando para o recente comportamento mais otimista do mercado local, no que se refere à Bolsa, ao dólar e à curva de juros. 

No exterior também se vê os bancos centrais no mesmo dilema em relação aos juros. O Federal Reserve, nos Estados Unidos, deu uma pausa no corte das taxas, mas já sinalizando a probabilidade de mais duas elevações neste ano, diante da resiliência da inflação em patamar bem superior à meta inflacionária, independentemente do recuo já registrado. Resiliência que fez o Banco Central Europeu, o da Inglaterra  e outros, como da Turquia, a promoverem novos ajustes, mesmo que a política monetária implique maior fraqueza do crescimento econômico.

No Brasil ainda podemos ter outro fator relevante para as expectativas que é a reunião do Conselho Monetário Nacional no dia 29. Já se falou de possível elevação das metas o que demandaria menor aperto monetário. O risco seria dar ideia de maior leniência com a inflação, gerando ambiente de menor confiança. O que vêm ganhando força é a possibilidade de as metas, atualmente, em 3,25% este ano e 3% em 2024 e 2025, ficarem em 3% nos anos seguintes, não apenas até 2026, não considerando mais o ano calendário, mas uma espécie de meta contínua. Isso estabelecia novos parâmetros para as projeções de inflação, que devem recuar mais com a possibilidade até de deflação do IPCA neste mês (como já vem ocorrendo com os IGPs), e para a política do BC. A ata desta última reunião do Copom, que sai na próxima terça, também pode ajudar na revisão das expectativas.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Recomendado para você

Crypto 101

DeFi: O Melhor Setor para Investir Agora?

Participe da Comunidade Levante Crypto agora mesmo e fique por dentro das principais notícias desse mercado: https://lvnt.app/uvwfup

Estamos em um novo ciclo das criptomoedas, e cada segundo que passa fica mais importante descobrir quais são as melhores moedas para investir, e quais são aquelas que você deve ignorar.

Por isso, no Crypto Spotlight desta semana, vamos abordar o setor mais quente para investir agora: DeFi (ou Finanças Descentralizadas).

Também vamos revelar 3 Criptos para você ficar de olho.

Não deixe de conferir este conteúdo.

Read More »
Artigos

Dividendos Sintéticos: Gere Renda Passiva com Opções! | Mapa do Trader

Em um cenário de baixa volatilidade, o investidor que se interesse por curto prazo pode acabar ficando desanimado.

Afinal, em tese, as oportunidades de ganhos rápidos diminuem… Mas não é sempre assim.

Há um tipo de estratégia capaz de gerar renda passiva com Opções no cenário atual, de maneira rápida e segura.

Estamos falando dos Dividendos Sintéticos.

Neste artigo, vamos falar um pouco sobre essa estratégia e investimento.

Read More »
Crypto 101

Altcoins: A melhor opção para o Halving? | Crypto 101

Participe da Comunidade Levante Crypto agora mesmo e fique por dentro das principais notícias desse mercado: https://lvnt.app/uvwfup

Hoje em dia, com o Bitcoin já tendo ocupado seu espaço de mercado, muitas pessoas buscam outras moedas digitais para investir.

Afinal, criptos mais baratas – e fora do radar – possuem um potencial muito maior que o vovô das criptos.

É aí que entram as Altcoins, que cada vez mais vêm ganhando espaço no mercado cripto.

Read More »
Crypto 101

3 Criptos de Inteligência Artificial com alto potencial em 2024 | Crypto 101

Atualmente, é necessário ir além do Bitcoin e do Ethereum para conseguir lucrar de verdade no mercado Cripto, que já começa a se movimentar como uma indústria cada vez mais robusta.
Neste contexto, o setor de Inteligência Artifical em Criptomoedas se apresenta como um dos mais promissores na nova indústria, e projetos como $OCEAN (Ocean Protocol), $FET (Fetch.ai) e $PAAL (Pluto Protocol) emergem como líderes na integração dessas tecnologias de ponta.

Participe da Comunidade Levante Crypto agora mesmo e fique por dentro das principais notícias desse mercado: https://lvnt.app/uvwfup

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.