Levante Ideias - Eletrobras

Sanção presidencial na MP da Eletrobras

Foi publicada no Diário Oficial da União, da manhã desta terça-feira (13), a sanção do presidente Bolsonaro sobre a Medida Provisória que prevê a desestatização da Eletrobras (ELET3/ELET6), a gigante brasileira do setor elétrico.

O presidente aplicou alguns vetos, na tentativa de modificar o que os ministérios envolvidos na construção do texto acreditam ser distorções.

A MP, publicada em meados de fevereiro, foi votada e aprovada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal no mês passado, no prazo-limite para sua conversão em lei.

A desestatização foi bem recebida pelo mercado, mas incomodou a alguns setores o fato de haver múltiplos “jabutis” (emendas cujo conteúdo não tem relação com o texto original) incluídos pelos parlamentares como contrapartida à aprovação.

Parte dessas condições foram colocadas em artigos que previam pontos importantes às desestatizações, de tal forma que Bolsonaro não poderia exercer o veto sem prejudicar o próprio interesse do governo.

Vale lembrar que a aplicação do veto se dá integralmente sobre o texto, ou integralmente sobre artigos – não podendo, portanto, retirar parágrafos ou frases de maneira avulsa.

Entre os vetos, aqueles mais importantes dizem respeito à aquisição de ações da companhia com desconto por empregados demitidos, à proibição de extinguir algumas companhias e à necessidade de o governo reaproveitar funcionários desligados por um ano.

O texto aprovado determina que até 1% das ações da União poderá ser adquirido por funcionários demitidos após a desestatização; que as subsidiárias – como Chesf (PE), Furnas (RJ), Eletronorte (DF), entre outras – não podem ser fundidas, extintas ou incorporadas por um período de dez anos; e que os empregados demitidos até um ano após a desestatização teriam que ser reaproveitados pelo governo pelo mesmo prazo.

E Eu Com Isso?

Com o veto pontual de algumas contrapartidas, a tendência é que os custos para a Eletrobras diminuam e que haja maior flexibilidade na sua gestão.

No entanto, como qualquer veto presidencial, eles estão sujeitos à derrubada pelo Congresso Nacional.

Como foram, justamente, os próprios parlamentares que incluíram tais demandas no projeto de lei aprovado, a tendência é que os vetos presidenciais não sejam aceitos e que o texto chancelado pelo Congresso seja mantido integralmente.

A alternativa para esse cenário seria a de negociação do governo com os congressistas, envolvendo outros vetos e alguma recompensa ao Legislativo.

Em um primeiro momento, contudo, o mercado deve reagir positivamente à tentativa de reduzir os jabutis da proposta final.

A notícia é levemente positiva para os mercados.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

e-eu-com-isso

Leia também: Semana cheia.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Juros
E eu com isso

A nova narrativa dos juros

A divulgação da edição mais recente do Relatório Focus nesta segunda-feira (26) mostra uma mudança nas expectativas. Não foi um movimento de ruptura. Ao contrário,

Read More »
Levante Ideias - Congresso Nacional
E eu com isso

Bola da vez

Com a reunião entre Bolsonaro e Ciro Nogueira (PI), o Partido Progressistas é a bola da vez em Brasília. O presidente da sigla deve mesmo

Read More »
Levante Ideias - Economia China
E eu com isso

Sell-off prossegue na China

Na madrugada desta segunda-feira (26), o sell-off (movimento forte e generalizado de venda dos ativos) das ações chinesas do setor de educação privada e tecnologia

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel