Levante Ideias - Domingo de Valor

Aquisições hostis na B3: os casos Marfrig e BRF | Domingo de Valor

Na coluna de hoje, vou falar sobre as aquisições hostis na Bolsa de Valores, quando uma empresa adquire ações de outra (geralmente concorrente) no mercado, como foi o caso da Marfrig (MRFG3) que arrematou ações da BR Foods (BRFS3) na semana passada.

Aquisição hostil

O termo aquisição hostil, do inglês hostile takeover, teve origem nos Estados Unidos e ocorre quando a compradora tenta tomar o controle de seu alvo contra  a vontade da Administração da empresa alvo (target).

Há duas formas de se fazer uma aquisição hostil: i) comprando ações no mercado diretamente dos acionistas ou; ii) fazendo uma oferta pública de aquisição (tender offer).

Pílula de veneno

Como a maioria das empresas de capital aberto nos Estados Unidos são corporations, ou seja, não têm um acionista controlador definido, existe a cláusula da pílula de veneno (poison pill) no estatuto social.

A pílula de veneno determina que quando uma compradora adquire no mercado um percentual determinado de ações da empresa-alvo, a compradora precisa fazer uma oferta pública de aquisição (OPA), com certas condições de preço das ações (ex: média dos últimos pregões).

Caso prático da Marfrig e BRF

No dia 21 de maio, a Marfrig (MRFG3) e a BRF (BRFS3) divulgaram Fato Relevante, anunciando a compra de 24,23 por cento de participação no capital da BRF pela Marfrig.

No comunicado, a Marfrig afirma que: “a aquisição relevante faz parte da diversificação dos investimentos da companhia em um segmento que possui complementaridades com o setor de atuação e não tem a intenção de eleger conselheiros e nem influenciar as decisões da gestão”.

Aquisição hostil

A Marfrig comprou as ações da BRF no mercado durante a semana passada e conseguiu “esconder” quem estava comprando os papéis da dona da Sadia e Perdigão.

Eu falei “esconder” porque as empresas precisam informar o mercado quando qualquer acionista atinge 5 por cento de participação no capital. No caso da Marfrig e da BRF, o mercado ficou sabendo que a Marfrig era a compradora apenas quando a mesma já possuía mais de 24 por cento.

Inclusive, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) está abrindo uma investigação para apurar os motivos de a Marfrig não ter comunicado imediatamente o órgão sobre a movimentação, dado que ultrapassou os 5, 10 e 15 por cento de participação relevantes, obrigatório por lei.

Pílula de veneno da BRF

A regra da pílula de veneno (poison pill) da BRF, ou seja, gatilho de obrigatoriedade de uma oferta pública de aquisição é de 33,33 por cento da participação, o que obrigaria o comprador a realizar uma oferta para os demais acionistas para a compra da companhia toda com um prêmio de 40 por cento sobre o preço médio de mercado.

Estratégia não fecha

Acredito que uma possível fusão entre a Marfrig, produtora de carne bovina com grande exposição nos mercados dos EUA, e a BRF, produtora de frango e de carne suína, não faz muito sentido do ponto de vista de ganhos de sinergias operacionais.

Adicionalmente, não existe um alinhamento entre os atuais acionistas, o empresário Marcos Molina (controlador da Marfrig) e os fundos de pensão Previ e Petros (os principais acionistas da BRF).

Apesar do comunicado da Marfrig exposto acima, acredito que a empresa pretende sim mudar o Conselho de Administração em 2022 e influenciar na Administração da BRF.

Embora não existam sinergias operacionais relevantes, há uma complementaridade em termos de resultados, dado que o ciclo do frango e dos suínos tende a ter correlação inversa à do boi.

Somente para lembrar que a Seara (atualmente da JBS) já foi da Marfrig, que vendeu a divisão produtora de frango no passado para reduzir seu nível de endividamento consolidado.

Tentativa de fusão frustrada entre Marfrig e BRF em 2019

Em 2019, já houve uma tentativa de fusão entre a BRF e a Marfrig. Ela acabou não saindo, já que não houve acordo entre os principais acionistas. As duas empresas estavam com alto nível de endividamento e as sinergias operacionais não pareciam tão óbvias.

Já escrevi uma coluna Domingo de Valor sobre o assunto: https://levanteideias.com.br/artigos/domingo-de-valor/por-tras-da-fusao-brf-marfrig/

Desta vez, a Marfrig tem “bala na agulha” e uma sólida posição de caixa devido ao bom resultado de suas operações de carne bovina nos EUA.

Posição de caixa da Marfrig

Ao comprar ações da BRF no mercado, a Marfrig teve de fazer um aporte de caixa de cerca de 4,4 bilhões de reais, o que aumentou a alavancagem financeira da companhia de 1,76 vezes (relação entre dívida líquida e Ebitda), reportado ao fim do 1T21, para 2,19 vezes, um patamar ainda saudável, dados os resultados recentes gerados.

Conclusão

Por enquanto, a Marfrig fica impedida de fazer qualquer movimentação em relação à Administração e à tomada de decisões na BRF. 

No caso de uma possível fusão, acredito que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) não deverá dificultar um aval para a transação, dado que as companhias operam em mercados distintos, além de a JBS ter debaixo de sua operação a Seara e a JBS Brasil, o equivalente à BRF e a Marfrig, em uma comparação mais imediata.

Ainda há muita especulação e poucas definições a respeito da motivação e dos efeitos práticos de uma aquisição tão relevante para o longo prazo. Porém, em caso de fusão, a execução pode ser um tanto quanto difícil, devido ao tamanho de ambas as empresas, além de as operações serem demasiadamente distintas. Porém, em caso de desfecho favorável e boa condução das empresas, o futuro tende a ser promissor, com mais uma gigante das proteínas no mercado, a exemplo da Tyson Foods (listada nos EUA) e JBS.

Por enquanto, a BRF segue com seu plano ambicioso para 2030 e a Marfrig segue gerando resultados recordes com sua operação nos EUA.

Dica de livro

Por último, eu recomendo um dos melhores livros sobre o assunto aquisições hostis: Barbarians at the gate, The Fall of RJR Nabisco é um livro de 1989 sobre a compra alavancada da RJR Nabisco.

A obra Os selvagens de Wall Street conta a história de uma das maiores aquisições hostis da história dos EUA e descreve os bastidores da disputa pelo controle da Nabisco: de um lado a KKR, do outro os fundos de private equity. No meio, a Administração da empresa sob pressão.

No final, quem venceu a disputa foi a KKR. Só que ela acabou sofrendo da maldição do vencedor, pois acabou pagando caro pela empresa e não conseguiu rentabilizar o investimento.

Abraços,

Eduardo Guimarães.

Leia a minha última coluna do Domingo de Valor para ficar por dentro da Bolsa: Como se proteger da alta das taxas de juros nos EUA? 

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Energia
E eu com isso

Leilões de energia no radar

Na semana que vem, inicia-se o primeiro de uma sequência de três leilões de contratação de energia que ocorrem até dezembro deste ano. Como objetivo

Read More »
Levante Ideias - Bolsa de Valores
Artigos

Ibovespa sobe em dia de Copom

Mercado Local → Ibovespa 112.282 pontos +1,84% O Ibovespa fechou em forte alta nesta quarta-feira, refletindo o alívio dos mercados em relação à crise da

Read More »
Levante Ideias - Totvs
E eu com isso

Totvs capta 1,44 bi em follow-on

A Totvs (TOTS3) anunciou na manhã desta quarta-feira (22) a aprovação de seu conselho de administração para a realização de oferta pública restrita (follow-on), anunciado

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.