fundos internacionais

O que são Fundos Internacionais?

Os Fundos Internacionais são uma alternativa interessante para quem deseja expandir sua carteira com opções de investimentos fora do país. Com ativos no exterior, é possível obter vantagens relacionadas à economia daquela nação, sem tanta interferência da situação financeira brasileira.

Além disso, é claro, é possível se expor às maiores empresas do mundo investindo por meio de Fundos Internacionais.

Mas, antes de dar um passo e decidir optar por esses recursos, é importante saber mais sobre esse universo. Neste artigo, você irá aprender:

  • o que são Fundos Internacionais;
  • quais as vantagens dos Fundos Internacionais;
  • o que avaliar antes de começar a investir.

Continue lendo para entender!

O que são Fundos Internacionais? 

Em primeiro lugar, é preciso entender o que o termo “Fundos Internacionais” quer dizer. Ele pode ser usado para Fundos de Investimento de outros países ou para Fundos de Investimento que tenham exposição a ativos no exterior.

De um modo geral, quando falamos sobre Fundos Internacionais em nosso mercado, estamos nos referindo a Fundos que investem lá fora.

Os Fundos classificados como “investimentos no exterior” são aqueles que concentram ao menos 40% de suas alocações em outros países. Assim, eles são uma opção bastante acessível para quem deseja investir no mercado estrangeiro.

Além disso, é preciso considerar que eles podem ser classificados de três formas diferentes, de acordo com a ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais). São elas:

  • Fundos de Ações: nesta classificação, encontram-se Fundos que têm foco em ações de outros países, podendo ser específicas ou não; no primeiro caso, temos os Fundos de Ações dos EUA, por exemplo;;
  • Fundos de Renda Fixa: neste caso, há uma divisão entre duas categorias — primeiro, dívida externa, que conta com investimento de 80% do patrimônio líquido em títulos representativos, e, segundo, investimento no exterior em títulos internacionais (superior ou igual a 40%); 
  • Fundos Multimercado: esta classificação permite diferentes focos. Eles também têm a regra de investimento de, no mínimo, 40% das alocações em ativos no exterior. Entretanto, eles possuem maior liberdade, o que permite variações mais acentuadas.

Quais as vantagens dos Fundos Internacionais?

A principal vantagem de buscar Fundos Internacionais, como os mencionados acima, é que você pode adquiri-los aqui no Brasil, sem a necessidade de abrir contas no estrangeiro — o que pode gerar certa burocracia para aprovação e também para a declaração de Imposto de Renda.

Além disso, entre os benefícios, é importante destacar a possibilidade de diversificação da carteira e proteção cambial — afinal, você estará investindo em ativos que retornam em uma moeda estrangeira. Além disso, investindo em Fundos classificados como Investimento no Exterior, você estará exposto a uma economia diferente da nossa, a qual pode ter empresas com alto potencial de retorno.  

Com isso, fazer investimentos no exterior tendem a dar ao investidor a oportunidade de ter maiores rentabilidades. Claro, isso vai depender de outros fatores, também.

Assim, além de investir em economias que estão, atualmente, em uma retomada mais forte que a brasileira, , o investidor ainda tem a oportunidade de se expor a grandes empresas, como Apple, Disney, dentre outras. 

O que avaliar antes de começar a investir

Investir no exterior pode parecer um bicho de sete cabeças à primeira vista. 

Porém, hoje em dia, os meios para se fazer isso evoluíram bastante. Fundos Internacionais, por exemplo, é um deles.

É claro que, se expondo ao mercado internacional, você estará investindo em um lugar relativamente diferente do Brasil, com ativos e oportunidades diferentes. 

É válido analisar, portanto, justamente o mercado em que você estiver investindo. Quanto a investir por meio de Fundos Internacionais, vale entender qual é a sua estratégia e o que ele busca capturar. 

Por exemplo: hoje em dia, os dois principais mercados são Estados Unidos e China — em especial por conta dos processos de retomada econômica interna de cada uma dessas nações. Assim, Fundos que tenham exposição a esses mercados — e, principalmente, a bons ativos desses mercados — podem ter resultados satisfatórios.

Outro ponto importante para fazer sua análise é a proposta do Fundo no qual você deseja fazer investimento. Se ele tem:

  • objetivo de investir em ações de empresas grandes/pequenas;
  • objetivo de investir em ações de crescimento/de valor;
  • exposição maior a algum setor específico;
  • investimentos voltados à renda fixa, etc. 

Estas são apenas algumas variáveis que os Fundos Internacionais podem apresentar. Tudo isso determinará seu grau de risco e seu potencial de retorno. Assim, a depender do investidor, uma coisa pode ser melhor que a outra.

Por exemplo, um investidor de nível conservador prefere maior estabilidade, então os Fundos de Renda Fixa podem ser melhores opções. Por outro lado, no caso de investidores agressivos, Fundos de Ações são mais adequados. Por conta disso, é importante conhecer o seu perfil de investidor para entender quais são as opções mais interessantes para você.

Agora que já sabe o que são Fundos Internacionais e de que maneira eles funcionam, veja como montar sua carteira de investimentos!

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Banco Central
E eu com isso

O Copom endurece o jogo

O Banco Central (BC) divulgou, nesta terça-feira (22), a Ata da reunião de número 239 do Copom (Comitê de Política Monetária), realizada nos dias 15

Read More »
Levante Ideias - Dinheiro
E eu com isso

Tributação de dividendos

O ministério da Economia bateu o martelo sobre a proposta de tributação de dividendos, a ser enviada dentro das alterações no sistema tributário de renda,

Read More »
Levante Ideias - Google
E eu com isso

Google investigado na Europa

A Comissão Europeia abriu mais uma investigação antitruste para avaliar se o Google (GOOG) violou as regras de concorrência da União Europeia ao favorecer seus

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel