shutterstock_785218492

Semana começa agitada

A semana começou com muitas notícias e uma razoável dose de agitação nos pregões ao redor do mundo. A principal causa da segunda-feira animada foi o temor de aumento dos casos de contaminação pelo coronavírus em Pequim e em Tóquio, cidades que foram pioneiras na reabertura dos negócios passada a primeira onda de contaminação. Pequim registrou mais de 80 casos da doença no fim de semana, depois de passar sete semanas sem novas contaminações. Com isso, as autoridades colocaram cerca de dez bairros em confinamento. Tóquio registrou 47 novos casos, maior número desde 5 de maio. A incidência foi maior em boates e em bares que foram reabertos recentemente. Com isso, os mercados asiáticos sofreram fortes baixas no início da semana. Em Tóquio, o índice Nikkei caiu 3,5 por cento, em Xangai o SSE recuou 1 por cento e em Seul o índice Kospi liderou a baixa, com uma retração de 4,8 por cento. Os mercados europeus também começam a semana no negativo.

Um aumento do número de contaminações pelo coronavírus após a retomada das atividades já estava nas contas dos especialistas. Porém, se a curva dos infectados voltar a crescer aceleradamente, reproduzindo o cenário do início da pandemia, a reação dos pregões será bastante negativa, com muitos solavancos.

No caso brasileiro há alguns componentes adicionais a esse aumento da indefinição. Alguns são técnicos. Nesta segunda-feira (15) haverá o vencimento das opções de ações na B3. Na quarta-feira (17) está previsto o vencimento dos contratos futuros de índice, algo que tende a aumentar a liquidez e a volatilidade do mercado. Além disso, começa na terça-feira (16) a reunião do Comitê de Política Monetária, o Copom. Um novo corte na taxa referencial de juros Selic é praticamente certo, com uma redução “contratada” de 0,75 ponto percentual, baixando os juros referenciais para 2,25 por cento ao ano. No entanto, mesmo com as expectativas bastante alinhadas, o Copom sempre pode surpreender.

E se não bastassem esses eventos técnicos, a equipe econômica sofreu um baque no fim de semana, com a confirmação da saída de Mansueto de Almeida, secretário do Tesouro. Sua saída já vinha sendo anunciada e não foi propriamente uma surpresa. No entanto, Almeida é um conhecedor profundo das contas públicas e um dos maiores defensores do ajuste fiscal. Apesar de o próprio Almeida ter dito que sua saída será planejada e que a política de austeridade continua, não é uma notícia boa (leia mais abaixo).

INDICADORES – A edição mais recente do Boletim Focus, divulgada pelo Banco Central (BC) na manhã desta segunda-feira trouxe poucas novidades. A mudança mais significativa foi a redução da Taxa de juros Selic esperada para o fim de 2021, que recuou de 3,50 por cento para 3 por cento. Com relação aos prognósticos para 2020, a retração esperada da economia ampliou-se levemente para 6,51 por cento, ante os 6,48 por cento da edição anterior. Os prognósticos para a inflação medida pelo IPCA subiram de 1,53 por cento para 1,60 por cento. A taxa Selic esperada para dezembro deste ano permaneceu estável em 2,25 por cento, mas a taxa de câmbio esperada para o fim do ano caiu de 5,40 reais para 5,20 reais por dólar.

A semana começa com um movimento global de realização dos lucros acumulados nos últimos dias. No caso brasileiro, a saída de um nome conceituado como Mansueto Almeida e os vencimentos convergem para um dia de baixa no mercado.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Retorno de operadores indica retomada da economia

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

BTG compra corretora Necton

Na onda de consolidação do mercado em busca de capturar o número crescente de CPFs na bolsa, o BTG Pactual fechou a aquisição da Necton

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte II

Na primeira parte dessa dupla de textos, concentrei-me em elencar e dissertar acerca das principais regras fiscais em voga hoje no Brasil. Naquela ocasião, deixei

Read More »
Artigos

Política acima de tudo!

O mercado vive uma certa trégua em relação à volatilidade mais acentuada de algumas semanas atrás. Discussões importantes foram adiadas para depois das eleições. Quem

Read More »
tipos de ações da bolsa de valores
Artigos

Empresas preparam IPOs

Nas últimas semanas, o número de prospectos de IPO protocolados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aumentou em quase dez, com as companhias “aspirantes” ao

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel