Divulgação

Entenda as consequências do surto chinês sobre os mercados

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Entenda as consequências do surto chinês sobre os mercados

As notícias mais recentes sobre o surto global de coronavírus têm um aspecto assustador. Na noite da quinta-feira (30), o governo americano decretou um alerta de nível 4, o mais grave, dizendo aos cidadãos dos Estados Unidos para não ir para a China. Mais cedo, na quinta-feira, a Organização Mundial de Saúde (OMS) decretou uma emergência global de saúde devido à rápida expansão do número de contaminados pelo coronavírus. Na manhã desta sexta-feira (31), o governo chinês anunciou que o número de contaminações havia chegado a 9.600, com 213 vítimas fatais. Fim dos tempos? Calma. Não há dúvida de que a situação é séria. No entanto, como qualquer risco, a incerteza sobre o coronavírus tem de ser corretamente calculada.

Uma explicação rápida. Há sete tipos de coronavírus conhecidos. Quatro deles afetam seres humanos e provocam gripes e resfriados leves. Dois deles infectam morcegos. É preciso lembrar que o sistema imunológico do morcego é peculiar: o animal pode estar infectado por diversos vírus e bactérias. Como tem uma enorme resistência, o morcego não desenvolve as doenças, mas pode transmiti-las pelas fezes. Em geral isso não é um problema, pois morcegos e seres humanos não convivem. Porém, na China, morcegos são comprados e vendidos como alimento. O surto do coronavírus começou em um mercado na cidade de Wuhan. A primeira vítima foi um homem de 61 anos que se infectou ao entrar em contato com os animais e seus dejetos. O inverno e a aglomeração provocada pela aproximação do feriado do Ano Novo Lunar fizeram o restante do serviço.

Uma lista de 213 mortes parece enorme. No entanto, o coronavírus provoca uma doença parecida com uma gripe forte. Gripes matam no inverno. Matam especialmente velhos, crianças e pessoas com saúde mais frágil. Basta pensar em uma estatística: no inverno de 2017-2018, a gripe matou 61 mil pessoas. Na China? Não. Nos Estados Unidos. Vamos ficar com esse número em mente. Nos Estados Unidos, país com o maior Produto Interno Bruto (PIB) do mundo, onde o governo funciona, as estatísticas são claras e há um amplo acesso à informação, a gripe comum, que sempre chega quando as temperaturas baixam, vitimou 61 mil pessoas no inverno.

O coronavírus é uma ameaça, sim, e pode ser fatal, sim. No entanto, é exagerada a hipótese de uma pandemia generalizada com milhões de vítimas – como ocorreu entre 1918 e 1920, quando uma pandemia apelidada de gripe espanhola matou pelo menos 50 milhões de pessoas.

O que poucas pessoas perceberam nas declarações da OMS na quinta-feira é que, apesar de declarar uma emergência global, a Organização criticou, sem citar nomes, exageros como fechar as fronteiras (algo que a Rússia fez, lacrando 4.200 quilômetros de fronteiras com a China) e proibir viagens. Também criticou “medidas temerárias e exageradas”, como o fechamento de indústrias e estabelecimentos comerciais (como fez o governo chinês). Embora o alerta da A OMS não tenha força legal, a ideia é que a agência atue para reverter essas decisões nos próximos dias.

O coronavírus é uma infecção grave. No entanto, sua gravidade, sua letalidade e sua importância foram exageradas pelo noticiário e pela reação do governo chinês. Em 2002, Pequim demorou para agir no caso da epidemia da Síndrome Aguda Respiratória Grave (Sars), que matou 771 pessoas. Agora, para demonstrar sua atenção e sua disciplina, as autoridades tomaram as medidas mais duras possíveis, com um forte impacto sobre as expectativas. No entanto, o medo da epidemia está sendo mais prejudicial que a epidemia em si. E, com a redução da tensão, vai ficar claro o exagero. Ou seja, o coronavírus é uma oportunidade de compra, apesar de se esperar mais um pouco de volatilidade no curto prazo.

BRASIL – A agência de classificação de risco Standard & Poor’s Global Ratings informou, em relatório divulgado na quinta-feira (30), que poderá elevar o rating soberano do Brasil se a política econômica do governo melhorar a dinâmica do Produto Interno Bruto (PIB) para além das expectativas da instituição.

Em dezembro, a agência de classificação de risco revisou a perspectiva do País para positiva. Mesmo assim, segundo a instituição, a América Latina é a região mais suscetível para rebaixamentos, com cenários negativos para México e Argentina. “As razões para esse desempenho variam de país para país, mas o denominador comum na região é uma deterioração do panorama político que adiou uma reação apropriada às adversidades”, informou a S&P.

Com relação aos indicadores, o IBGE divulgou na manhã desta sexta-feira que a taxa média de desocupação caiu de 12,3 por cento em 2018 para 11,9 por cento em 2019. Foi a segunda queda anual consecutiva, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua. A pesquisa revelou um contingente de 12,6 milhões de pessoas desocupadas, no ano passado, 1,7 por cento a menos do que em 2018.

* Esse conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Coronavírus chega à Índia e mercados voltam a cair – Primeiro caso foi confirmado

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Recomendado para você

Petrobras: STF decidirá sobre refinarias

Nesta quarta-feira (30) recomeça o processo de julgamento e votação dos ministros do Supremo Tribunal Federal a respeito da legalidade do processo de venda da

Risco fiscal e aumento da dívida pública

Na coluna de hoje, vou falar sobre a deterioração das contas públicas do Governo Federal, o aumento do déficit público, a consequente alta nas taxas

Fechar Menu

Fechar Painel