bolsa de valores

Disputa entre Arábia Saudita e Rússia traz o caos aos mercados

Disputa entre Arábia Saudita e Rússia traz o caos aos mercados

A tensão já era perceptível na sexta-feira (6), segundo dia da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). Os preços do petróleo vinham caindo aceleradamente devido às perspectivas de desaquecimento econômico global provocado pelo coronavírus. A Opep propôs um corte na produção. A Rússia não aceitou. E, no sábado (7), inesperadamente, o governo da Arábia Saudita anunciou que ia comprar a briga. Ao contrário de cortar a produção, os sauditas – principais exportadores mundiais – anunciaram não apenas uma redução entre seis e oito dólares por barril em seus preços de venda, mas também informaram que vão elevar a produção em 9,7 milhões de barris por dia. Além de ameaçar concorrentes que têm custos de produção mais elevados e mirar em cheio na indústria americana do gás de xisto (shale gas), a medida levou o caos aos mercados.

Os preços do petróleo sofreram a maior queda em 29 anos, desde a Guerra do Golfo, e recuaram mais de 30 por cento na abertura. Os contratos futuros de petróleo Brent recuaram a um mínimo de 31,02 dólares por barril, menor cotação em quatro anos, mas retornaram a 37,05 dólares por barril, uma baixa de “apenas” 22 por cento. Os contratos futuros do petróleo americano do tipo West Texas Intermediate (WTI) caíram 33 por cento na abertura, para 27,34 dólares, também o menor nível desde fevereiro de 2016, mas recuperaram parte das perdas e estavam cotados a 33,20 dólares por barril, queda de 24 por cento.

A desintegração do agrupamento denominado OPEP + – formado pela OPEP mais a Rússia e outros produtores – encerra mais de três anos de cooperação para apoiar o mercado. Isso ocorre em um momento adverso para a indústria. Os bancos esperam uma queda na demanda. O Goldman Sachs anunciou esperar uma contração na demanda global em 150 mil barris de petróleo por dia. Já a Agência Internacional de Energia afirmou esperar uma retração na demanda de 90 mil barris por dia. Será o primeiro retrocesso do consumo desde 2009.

Como era de se esperar, essas baixas nas cotações do petróleo tiveram um efeito devastador sobre as ações das petrolíferas. Os negócios com os contratos futuros do índice de ações americanos chegaram a ser interrompidos durante a noite, pois as quedas superaram o limite estabelecido de 5 por cento. Na retomada dos negócios, os contratos futuros do S&P 500 estavam cotados a 2.819 pontos, queda de 4,9 por cento. No pré-mercado, as ações das petrolíferas americanas Chevron e Exxon chegaram a cair mais de 12 por cento. No caso do índice Dow Jones, as 30 ações estavam em queda no pré-mercado e os prognósticos são de uma abertura com baixa de 1.300 pontos.

Esse movimento não deixou ilesos os papéis brasileiros. Os ADRs da Petrobras começaram o dia negociadas com queda de 14,05 por cento no pré-mercado de Nova York, a 8,50 dólares. Os ADRs da Vale cedem 10,60 por cento, para 8,52 dólares. E entre os bancos, os recibos do Bradesco recuam 6,05 por cento, enquanto do Itaú perdem 8,59 por cento.

Por aqui, a repercussão sobre o mercado promete ser pesada. Os contratos futuros de Ibovespa estavam sendo negociados com uma baixa superior a 9 por cento, indicando fortes probabilidades de acionamento do “circuit breaker”, que interrompe os negócios quando a baixa supera 10 por cento. E os primeiros negócios indicam que o dólar pode testar o limite de 4,80 reais, a depender da postura do Banco Central (BC).

A combinação entre alta dos preços do petróleo e desaceleração econômica vai fazer os investidores globais se retirarem dos ativos de risco e preferir portos mais seguros para seu dinheiro. Assim, o movimento geral das ações é negativo, e o Brasil não é exceção.

INDICADORES – A edição mais recente do relatório Focus mostra que os prognósticos de desaceleração da economia já são oficiais. Pela primeira vez no ano, a projeção de crescimento para 2020 está abaixo de 2 por cento. É uma diferença mínima, o crescimento projetado é de 1,99 por cento, e o efeito prático é limitado. No entanto, em termos psicológicos, é uma indicação importante de que a cabeça do mercado mudou de chave. A projeção para o IPCA avançou levemente, de 3,19 por cento para 3,20 por cento. Os prognósticos para o dólar e para a taxa Selic no fim deste ano permaneceram inalteradas em, respectivamente, 4,20 reais e 4,25 por cento.

* Esse conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Petrobras (PETR3, PETR4): Apreensão geopolítica derruba preço do petróleo

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

BTG compra corretora Necton

Na onda de consolidação do mercado em busca de capturar o número crescente de CPFs na bolsa, o BTG Pactual fechou a aquisição da Necton

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte II

Na primeira parte dessa dupla de textos, concentrei-me em elencar e dissertar acerca das principais regras fiscais em voga hoje no Brasil. Naquela ocasião, deixei

Read More »
Artigos

Política acima de tudo!

O mercado vive uma certa trégua em relação à volatilidade mais acentuada de algumas semanas atrás. Discussões importantes foram adiadas para depois das eleições. Quem

Read More »
tipos de ações da bolsa de valores
Artigos

Empresas preparam IPOs

Nas últimas semanas, o número de prospectos de IPO protocolados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aumentou em quase dez, com as companhias “aspirantes” ao

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel