Petroleo

Petrobras (PETR3, PETR4): Apreensão geopolítica derruba preço do petróleo

Petrobras (PETR3, PETR4): Apreensão geopolítica derruba preço do petróleo

Após o fracasso da  reunião na semana passada entre os membros da Opep e a Rússia, que rejeitou a proposta de reduzir o nível de produção de petróleo para atenuar as recentes queda na cotação da commodity, a Arábia Saudita confirmou no sábado (7) que irá aumentar a produção no próximo mês e irá conceder descontos para os seus compradores. A atitude foi vista como uma forma de retaliação aos russos por terem quebrado o acordo no cartel e um possível início de guerra de preços, com implicações geopolíticas de alta complexidade. No pregão entre sábado e domingo, as ações da petroleira estatal Saudi Aramco caíram 7 por cento e derrubou os principais índices da região.

A notícia é extremamente negativa para a Petrobras (PETR3, PETR4) e esperamos forte impacto nas suas ações no curto prazo. Ademais, a medida faz aumentar a tensão global nos mercados de risco, já fragilizados por conta dos impactos econômicos do coronavírus no nível de produção e comércio internacional.

Ao longo dessa madrugada (9), os contratos futuros de índices americanos já apontavam para um dia de perdas. Já os contratos futuros de petróleo recuavam 21 por cento, registrando a maior queda diária desde a guerra do golfo, em 1991.

A Petrobras tem breakeven (preço de equilíbrio para produção) em torno 16 dólares o barril, então para as operações que estão maturadas o atual preço é desafiador. No entanto, a empresa conseguiria manter suas operações por período de tempo confortável. Será importante ficar atento em como a Petrobras irá atuar em relação a novos investimentos que tem preços de prospecção mais elevados no começo e podem derrubar a rentabilidade de curto prazo da companhia, nos níveis atuais do barril de petróleo.

A atual crise, entretanto, deve atrasar os planos para a venda de ativos não estratégicos como as refinarias e outros campos de petróleo. Já que com preços menores os negócios devem ter sua atratividade diminuída.

É importante ressaltar que a empresa conseguiu melhorar sua estrutura de capital nos últimos anos e por isso tem condições de surfar com “tranquilidade” por um momento turbulento como esse.

* Esse conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Petrobras pretende vender subsidiária de Biodiesel

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

Números da Vivo

A Telefônica Brasil (VIVT3/VIVT4) apresentou nesta terça-feira (27), após o fechamento do mercado, o seu resultado do 3T20 e que, na nossa avaliação, foi regular

Read More »
Artigos

BTG compra corretora Necton

Na onda de consolidação do mercado em busca de capturar o número crescente de CPFs na bolsa, o BTG Pactual fechou a aquisição da Necton

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte II

Na primeira parte dessa dupla de textos, concentrei-me em elencar e dissertar acerca das principais regras fiscais em voga hoje no Brasil. Naquela ocasião, deixei

Read More »
Artigos

Política acima de tudo!

O mercado vive uma certa trégua em relação à volatilidade mais acentuada de algumas semanas atrás. Discussões importantes foram adiadas para depois das eleições. Quem

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel