dólar

Banco Central fala, e dólar cai

Presidentes e diretores de Bancos Centrais tomam muito cuidado com o que dizem. Sabem que qualquer palavra pode influenciar os mercados e provocar solavancos de preço. Por isso mesmo, quando um executivo de Banco Central parece dar um recado, é bom prestar atenção. Normalmente é um recado, mesmo. Foi o caso de Bruno Serra, diretor de Política Monetária do BC. Em uma live na terça-feira (12), ele disse ser “natural” imaginar que o estímulo extraordinário que o BC vem fornecendo à economia, por meio de uma política monetária “extremamente estimulativa”, saia de cena em algum momento.

Traduzindo: no futuro mais ou menos próximo, a taxa referencial de juros Selic vai deixar o patamar excessivamente baixo de 2 por cento ao ano e voltar a subir. Isso já aparece há tempos nas estimativas recolhidas no Boletim Focus. A edição mais recente, publicada na segunda-feira (11) indica expectativas de Selic a 3,25 por cento no fim deste ano, a 4,75 por cento no fim de 2022 e a 6 por cento no fim de 2023. As datas da alta e a trajetória exata dessa curva de juros são informações que ninguém possui, nem o Banco Central. Por via das dúvidas, como juro em alta presume vinda de capital internacional para ganhar com a arbitragem, o dólar recuou mais de 3 por cento na terça-feira (12).

A mudança nos juros vai depender de variáveis imprevisíveis como as condições do mercado internacional, o nível de atividade da economia brasileira e o impacto das medidas para a contenção da pandemia sobre a atividade economia e a renda. Por enquanto, os investidores ao redor do mundo fazem cálculos para saber quando as principais economias, especialmente as da Europa, vão retornar a um cenário mais parecido com o da normalidade. Autoridades alemãs já aventam a hipótese de prolongar as severas medidas de restrição atualmente em vigor para além de janeiro, exemplo que pode ser seguido em outros lugares.

Indicadores I

O setor de serviços avançou 2,6 por cento em novembro em relação a outubro. Foi o sexto mês consecutivo de alta, indicando um ganho acumulado de 19,2 por cento nesse período. Mesmo assim, o nível de atividade do setor permanece 3,2 por cento abaixo do patamar de fevereiro. A alta dos últimos seis meses não foi capaz de compensar as perdas do início da pandemia. No acumulado no ano, a queda é de 8,3 por cento frente ao mesmo período de 2019. Já em 12 meses até novembro, o recuo foi de 7,4 por cento. E em comparação com novembro de 2019, o volume de serviços recuou 4,8 por cento. Esses são resultados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada nesta quarta-feira (13), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Indicadores II

A safra nacional de grãos deve atingir mais um recorde, o terceiro consecutivo, em 2021, somando 260,5 milhões de toneladas, com crescimento de 2,5 por cento em relação ao ano anterior. A estimativa final para a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas de 2020 totalizou 254,1 milhões de toneladas, confirmando o recorde esperado. As informações são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado nesta quarta-feira (13) pelo IBGE.

E Eu Com Isso?

Nesta quarta-feira, o tom dos mercados será dado tanto pelo noticiário político nos Estados Unidos, com o pedido de impedimento do presidente Donald Trump chegando ao Congresso quanto por movimentos técnicos, provocados pelo vencimento das opções sobre o Ibovespa. No início do pregão, os contratos futuros de Ibovespa e do índice americano S&P 500 estão em leve baixa, mas em um cenário de volatilidade.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia também: Política nos EUA mexe com negócios.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Copel - E Eu Com Isso - Levante
E eu com isso

Plano Estratégico da Copel

A Copel divulgou nesta quinta-feira (21) seu novo planejamento estratégico. Além de mudanças estatutárias e de uma nova política de dividendos, a nova agenda propõe

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel