Levante Ideias - Dados

As notícias da morte do mercado são muito exageradas: compre ao som de canhões, venda ao som de violinos

As notícias da morte do mercado são muito exageradas: compre ao som de canhões, venda ao som de violinos

Enquanto o Brasil parava para festejar o carnaval, os mercados lá fora dançavam no ritmo do temor com a expansão acelerada do coronavírus. Na manhã desta quarta-feira, o Ministério da Saúde confirmou o primeiro caso de contaminação no Brasil, o primeiro na América Latina, e há mais 19 suspeitos de contaminação. A vítima é um homem de 61 anos que estava viajando, a trabalho, para o norte da Itália. A região de Milão, principal centro econômico italiano, foi atingida em cheio pelo vírus no fim de semana. A infecção atingiu 325 pessoas e obrigou as autoridades a cancelar até o tradicional carnaval de Veneza.

O coronavírus tornou-se uma pandemia. Há infectados em vários países da Europa: Alemanha, Áustria, Croácia, Espanha, Grécia e Suíça registram contaminações, assim com Irã e outros países do Oriente Médio. Na terça-feira, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos alertou que o vírus atingirá o país em breve. E, como não poderia deixar de ser, os mercados desabaram.

No acumulado da segunda-feira (24) e da terça-feira (25), as ações caíram 6,3 por cento nos Estados Unidos, 7,8 por cento na Alemanha e 5,8 por cento no Japão. Nesta quarta-feira (26), o índice S&P 500 está subindo 1,3 por cento. É uma reação à desvalorização dos últimos dois pregões, mas que deve ser insuficiente para compensar as perdas recentes.

Como não poderia deixar de ser, os recibos de ações brasileiras negociados nos Estados Unidos também desabaram (leia mais sobre isso abaixo). E a expectativa é que, logo nos primeiros minutos do pregão, agendado para as 13 horas, o índice Bovespa se ajuste às baixas do Exterior. No fim da manhã, o mercado futuro de índice registrava uma queda de 1,3 por cento. Não se descarta a hipótese de que a B3 acione o circuit breaker caso a queda do índice supere 10 por cento.

Você se assustou? Quer vender tudo, comprar dólares e fugir para as montanhas? Calma. Respire fundo. As notícias da morte do mercado são muito exageradas. Sim, é bastante provável que o Ibovespa comece a Quaresma com uma forte baixa. É bastante provável que o circuit breaker seja acionado. E é bastante provável que o mercado demore algumas, ou muitas, semanas para retornar aos níveis anteriores ao carnaval. No entanto, é preciso diferenciar o efeito prático do coronavírus do pânico que ele pode provocar em alguns segmentos do mercado.

Mesmo lá fora há muita divergência sobre as consequências da infecção. A consultoria Oxford Economics calcula que uma crise internacional da saúde pode ser suficiente para reduzir o Produto Interno Bruto (PIB) global em mais de 1 trilhão de dólares. Já Fundo Monetário Internacional (FMI), mais conservador e com mais acesso a dados, informa que sua estimativa de retração da economia mundial é de 0,1 por cento. Para o Fundo, o PIB global deverá crescer 3,2 por cento neste ano, e não os 3,3 por cento previstos antes da epidemia.

Warren Buffett, que entende do assunto, costuma dizer: “venda quando ouvir violinos, compre quando ouvir canhões”. Não se descarta a hipótese de um ou dois pregões com fortes quedas, para o ajuste dos preços locais às cotações internacionais. No entanto, os fundamentos da economia brasileira permanecem sólidos. E os resultados das empresas, que é o que define em última análise o movimento das ações, não devem ser profundamente afetados em um primeiro momento. Por isso, a recomendação é simples: na dúvida, não faça nada. Espere a crise passar.

* Esse conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Mercado fica atento ao dólar e aos números do coronavírus

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Cosan
E eu com isso

Fundo da Cosan amplia portfólio

A Cosan (CSAN3), veículo de investimento (holding) com foco em energia, agronegócio e infraestrutura que controla empresas como Raízen (RAIZ4) e Rumo (RAIL3), anunciou via

Read More »
Levante Ideias - Dinheiro
E eu com isso

Acordo para precatórios

Após uma série de discussões de bastidor, os Três Poderes vão caminhando em direção a uma solução para os precatórios no Orçamento de 2022. A

Read More »
Levante Ideias - Evergrande
E eu com isso

A Evergrande não é tão grande

O conglomerado chinês Evergrande (3333.HK) pode, sem exagero, ser considerado um império. É a segunda maior incorporadora chinesa. Emprega 200 mil pessoas e gera 3,8

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.