GETTY IMAGES

Acordo China x EUA continua

O acordo comercial entre China e Estados Unidos deverá permanecer como o principal fator de movimentação dos mercados, ao lado de notícias de novos estímulos por parte dos principais bancos centrais. Na segunda-feira (22) as bolsas oscilaram devido a uma entrevista concedida à Fox News por Peter Navarro, um dos principais assessores do governo americano nas tratativas comerciais. Na entrevista, Navarro disse que o acordo com a China estava “terminado”, causando instabilidade nos preços dos ativos. Porém, mais tarde na própria segunda-feira, Navarro disse que suas declarações haviam sido tiradas de contexto. E o próprio Donald Trump esclareceu que o acordo estava “totalmente intacto” e disse esperar que o governo chinês continue cumprindo sua parte no que foi combinado.

A expectativa é que China e Estados Unidos mantenham os termos duramente negociados ao longo de 2019, com os chineses importando até 200 bilhões de dólares em produtos agrícolas americanos. O acordo é sólido. No entanto, o impacto da pandemia do coronavírus sobre as economias chinesa e americana pode colocar em risco o cumprimento de todas as cláusulas. Esse é um risco que vem sendo acompanhando de perto pelos investidores, e os comentários de Navarro dispararam uma reação muito forte nos preços dos ativos.

No entanto, a manhã desta terça-feira mostra uma trajetória de recuperação. Os índices subiram levemente na Ásia, com o Hang Seng, da bolsa de Hong Kong, avançando 1,6 por cento e liderando as altas na região. A alta na Europa é mais pronunciada, com o índice alemão Dax subindo mais de 2 por cento e o britânico FTSE avançando cerca de 1,5 por cento.

ATA DO COPOM – Na manhã desta terça-feira, o Banco Central (BC) divulgou a ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) realizada nos dias 16 e 17 de junho, que reduziu a taxa referencial de juros Selic para 2,25 por cento ano. Pela ata, o BC espera uma contração maior da economia no segundo trimestre e uma inflação abaixo da meta. No entanto, para o BC, o Estado brasileiro tem pouco espaço para implantar políticas de estímulo à economia. Se exagerar na dose dessas políticas haverá inflação. Por isso, o Comitê foi claro. “O Copom entende que, neste momento, a conjuntura econômica prescreve estímulo monetário extraordinariamente elevado, mas reconhece que o espaço remanescente para a utilização de política monetária é incerto e deve ser pequeno.” Ou seja, será difícil ver uma queda significativa dos juros de agora em diante.

INDICADORES – A retomada das atividades econômicas já aparece nos índices de inflação. A Fundação Getulio Vargas (FGV) informou, na manhã desta terça-feira, que a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) do período encerrado em 22 de junho de 2020 foi de 0,09 por cento, ficando 0,22 ponto percentual acima da taxa registrada na última divulgação. 

A FGV divulgou também as expectativas dos consumidores para a inflação dos próximos 12 meses. A Fundação observou que a expectativa ficou estável em 4,8 por cento em junho, ainda no menor patamar histórico.

Em tempos de liquidez elevada, as oscilações nos preços dos ativos tendem a se amplificar. Mesmo assim, a trajetória permanece positiva, com expectativas positivas de reabertura das economias. Tanto os contratos futuros de Ibovespa quanto os contratos futuros do índice americano S&P 500 avançam de maneira significativa nesta manhã. É um bom momento para se posicionar.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Estados Unidos e China avançam na trégua comercial

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

Números da Vivo

A Telefônica Brasil (VIVT3/VIVT4) apresentou nesta terça-feira (27), após o fechamento do mercado, o seu resultado do 3T20 e que, na nossa avaliação, foi regular

Read More »
Artigos

BTG compra corretora Necton

Na onda de consolidação do mercado em busca de capturar o número crescente de CPFs na bolsa, o BTG Pactual fechou a aquisição da Necton

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte II

Na primeira parte dessa dupla de textos, concentrei-me em elencar e dissertar acerca das principais regras fiscais em voga hoje no Brasil. Naquela ocasião, deixei

Read More »
Artigos

Política acima de tudo!

O mercado vive uma certa trégua em relação à volatilidade mais acentuada de algumas semanas atrás. Discussões importantes foram adiadas para depois das eleições. Quem

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel