queraprenderainvestirvejanossasdicasdecomoiniciar

Quer aprender a investir? Veja nossas dicas de como iniciar.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Você gostaria de ver seu dinheiro render mais, mas não sabe por onde começar? Então aprenda a investir e, com o tempo, perceberá que a dinâmica do mercado financeiro é menos complexa do que imaginava.

O primeiro passo é entender exatamente qual é o seu perfil de investidor.

Todo investimento comporta riscos em maior ou menor grau e que devem ser avaliados cuidadosamente.

A regra geral é: quanto maior o risco, maior o retorno e, quanto mais conservador for o investimento, menores as chances de perdas.

Dito isso, continue a leitura e conheça os passos necessários para investir bem.

Analise dados de mercado

O primeiro passo é identificar o seu perfil de investidor. A maior parte dos bancos e corretoras divide em três variações:

1) Conservador

É aquela pessoa que não gosta de arriscar muito, gosta de preservar seu patrimônio que conquistou com seu trabalho ao longo da vida. Prefere menos risco em troca de maior segurança para o seu dinheiro.

2) Moderado

O perfil moderado se enquadra para aquele indivíduo que quer preservar seu patrimônio conquistado pelo trabalho, porém busca ter uma rentabilidade um pouco maior que a renda fixa em seus investimentos. É o perfil de quem quer ter segurança, porém abre a mão de uma porcentagem do seu patrimônio para arriscar mais.

3) Arrojado

O arrojado é aquele perfil que busca maior retorno em seus investimentos e, para tanto, abre mão da segurança em uma grande porcentagem do seu patrimônio. Este perfil busca multiplicar seu dinheiro através dos investimentos.

Depois de identificar o seu perfil de investidor, é hora de avançar, escolhendo o tipo de investimento que pareça mais rentável conforme os seus objetivos. Isso deve ser feito a partir da leitura do tipo de investimento que você pretende operar.

Portanto, se você for um investidor mais arrojado, então provavelmente o mercado de renda variável é o mais indicado. Como o termo já entrega, trata-se de um tipo de investimento em que há variação, positiva e, claro, negativa.

Nós aqui da Levante Investimentos consideramos arrojado um indivíduo que possui pelo menos 30% do seu patrimônio em renda variável.

Entre os tipos de ativos de renda variável mais procurados estão as ações, os contratos futuros, as opções, os fundos de ações e os fundos imobiliários.

O mercado de renda fixa é indicado para quem tem perfil de investidor mais conservador, ou seja, menos aberto a riscos — Caderneta de Poupança, CDB, LCI e Tesouro Direto são alguns exemplos. Mas não quer dizer que este perfil não possa ter algum investimento em renda variável buscando maior rentabilidade.

Vale destacar que alguns desses investimentos, embora classificados como de renda fixa, podem apresentar variações no seu rendimento. Exemplo: a definição da taxa básica de juros (Selic). O aumento (ou redução) desta taxa influencia na rentabilidade no Tesouro Selic, investimentos pós-fixados atrelados ao CDI e até mesmo na própria poupança, que atualmente rende 70% da Taxa Selic + TR (Taxa Referencial).

Entenda as diferenças entre os ativos

É bom que se diga que os investimentos de renda fixa não só podem apresentar variação no rendimento, como têm, entre si, diferenças bastante consideráveis.

O Tesouro Direto apresenta produtos pós-fixados, como é o caso do Tesouro Selic que varia na proporção da taxa Selic, e produtos pré-fixados, que rendem uma taxa já pré determinada, e também um mix dos dois tipos, que seria o Tesouro IPCA+, que rende a inflação mais alguma taxa fixa.

A poupança é outra alternativa utilizada por quem tem o perfil mais conservador. A velha caderneta rende 70% da Taxa Selic + a TR, sendo um investimento de muito baixo retorno, muitas vezes perde para a inflação. Vale ressaltar que não há taxas quando você investe neste segmento, porém ainda assim a rentabilidade é inferior que a do Tesouro Direto, por exemplo.

Também vale destacar que os investimentos de renda fixa podem ser pré ou pós-fixados. Se a sua escolha for por um investimento prefixado, você saberá antes de investir o quanto receberá a título de rendimentos ao final do contrato. A taxa é fixada antes da aplicação, o que gera maior segurança para o investidor.

Já os de renda pós-fixada podem ser indexados pela Taxa Selic, por exemplo. Ou seja, quando esse indicador varia, o rendimento acompanha a sua evolução. Tem como característica apresentar liquidez diária e pode ser resgatado até mesmo um dia após a aplicação.

Há, ainda, os investimentos do tipo híbrido, que mesclam taxas de rendimento de ambos os tipos. Um bom exemplo disso é o Tesouro IPCA, que rende conforme uma taxa fixa, somada à inflação para o período.

Conte com uma assessoria

Além de se informar, é essencial que você aprenda a investir com base em indicações de especialistas.

Lembra da expressão “duas cabeças pensam melhor do que uma”? É nessa linha que você poderá maximizar seus ganhos, ao buscar por uma assessoria que aponte o melhor investimento de acordo com o seu perfil.

Contudo, as vantagens de contar com uma opinião profissional não se restringem apenas ao indicar a carteira mais adequada em função dos seus objetivos. Em muitos casos, a quantidade de capital que você tem também influi no tipo de investimento a ser feito. Isso porque há investimentos que exigem um capital mínimo.

Nessa hora, uma assessoria pode, por exemplo, pode ajudar na diversificação de seus investimento de acordo com seu perfil.

E já que evocamos a sabedoria dos ditados populares, vale relembrar que nunca se deve colocar todos os ovos em uma mesma cesta. Assim, se o recipiente vier a cair, você não perde todos os ovos de uma vez. Beleza?

Acompanhe a evolução do ativo

O mercado financeiro tem lá seus momentos “caixinha de surpresas”. Evidentemente, quando se trata de aplicações como a Poupança ou o CDB, a chance de uma surpresa é próxima de zero.

Só que há alguns investimentos que variam muito. O melhor exemplo talvez seja a Bolsa de Valores. As ações podem, por exemplo, subir 10% em uma semana e, na seguinte, cair 5%. É fundamental acompanhar os cenários políticos e econômicos. Mais do que isso: o investidor precisa estar de olho nos números da empresa. O quanto ela lucrou? A dívida aumentou? E as vendas? Nada pode passar despercebido.

Não queremos dizer com isso que você deva migrar de um investimento para o outro todo dia ou toda semana. Investir é algo que precisa ser feito com muito critério.

É aí que as recomendações de investimentos da Levante representam a segurança necessária e para que você possa investir sempre nos ativos que te geram maior retorno, considerando seu perfil de investidor.

Não queremos apenas que seu dinheiro apresente um rendimento positivo, mas que ele venha a ser sua fonte de independência financeira.

Essa é, para nós, a verdadeira liberdade, em que o dinheiro é um meio e não um fim. Um meio para você alcançar seus sonhos, seja ele qual for.

Você passará a investir de forma certeira e descomplicada, evitando, assim, as armadilhas do mercado financeiro que sempre pegam quem tem pouca ou nenhuma experiência.

Queremos que você conquiste seus sonhos e faça investimentos seguros. Por isso, aproveite e faça o download do nosso exclusivo manual sobre como começar a investir!

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Recomendado para você

Petrobras: STF decidirá sobre refinarias

Nesta quarta-feira (30) recomeça o processo de julgamento e votação dos ministros do Supremo Tribunal Federal a respeito da legalidade do processo de venda da

Risco fiscal e aumento da dívida pública

Na coluna de hoje, vou falar sobre a deterioração das contas públicas do Governo Federal, o aumento do déficit público, a consequente alta nas taxas

Fechar Menu
Fechar Painel