velho oeste

A história por trás dos clubes de investimentos

Especula-se que foi no Texas, terra dos cowboys e duelos de bangue-bangue, que surgiram os primeiros clubes de investimentos. Ali, no final do século XIX, essa forma de aplicação coletiva deu os seus primeiros passos.

Se o risco era iminente em meio ao ambiente mais hostil do Velho Oeste, para o investimento que surgia não foi diferente. Nasceu e segue por um caminho um tanto quanto arriscado – que já vou explicar os porquês. Mas antes, vamos começar do começo.

O que são?

Para compreender o que são os clubes de investimentos, você pode pensá-los na mesma lógica dos fundos de investimentos.

Como nos grandes fundos, há a possibilidade de aplicação nas mais diversas classes de ativos. Aqui, no mínimo 67% do patrimônio deve estar nas seguintes possibilidades:

– Ações

– Certificados de depósito de ações

– Bônus de subscrição

– Recibos de subscrição

– Cotas de fundos de índice (ETFs) de ações

– Debêntures conversíveis em ações emitidas por companhias de capital aberto

O restante pode ser alocado em outros ativos, como: opções, títulos públicos, cotas de fundos de “Curto Prazo”, “Referenciado” e “Renda Fixa”.

No entanto, no clube há limite para o número de participantes, que deve ser de três a 50. Cada integrante tem direito a uma parcela, conhecida como cota – sendo que nenhum deles pode ter mais do que 40% de participação.

Assim como em um fundo, existem os responsáveis: o administrador, que pode ser uma corretora, banco ou outra instituição financeira apta a realizar o trabalho.

BAIXE AQUI O MANUAL SOBRE FUNDOS DE INVESTIMENTO

Aqui, porém, está a grande diferença: quem realiza gestão do patrimônio são os próprios membros. Ela pode ser mediante a escolha de um ou mais responsáveis por alocar os recursos ou ainda pode-se optar por contratar um gestor competente para fazer isso. Ele deve ser certificado e credenciado à CVM, eleito pela assembleia geral e receberá o pagamento de uma taxa de performance e administração.

Nosso conhecido

É neste momento que o risco entra em cena: o risco

Pense comigo: se já é difícil escolher um bom gestor para um fundo de investimento – aquela pessoa capaz de encontrar as melhores oportunidades e identificar as assimetrias ­– mesmo com anos de experiência no mercado financeiro… Agora imagine delegar essa função de administrar o seu dinheiro a um conhecido ou amigo que deseja aprimorar suas técnicas.

Eu, particularmente, prefiro deixar essa tarefa para quem é mais capacitado e responsável.

É melhor pagar a taxa de administração devida do que correr riscos desnecessários (já que ganhar dinheiro não é tão simples assim). Nos clubes, uma das vantagens alegadas é a possibilidade de diluição dos custos de transação e até a isenção de outros.

A vantagem do Imposto de Renda de apenas 15% no resgate é realmente atraente. Mas você pode contornar facilmente essa opção, escolhendo a categoria de fundo que também sofre o mesmo desconto.

Portanto, a possibilidade de diversificação por meio dos clubes de investimentos, hoje em dia, já perdeu a sua atratividade. A facilidade em investir de forma diversificada – com custo cada vez menor – que encontramos nas corretoras independentes solapou iniciativas como os clubes. Por isso, o seu apelo foi perdido e substituído por uma gestão mais profissional e assessorada que é realizada atualmente.  

Na dúvida entre o certo e o duvidoso, não vejo porque cair em riscos desnecessários.

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

E eu com isso

Chegou a hora de pegar a onda

O Brasil tem todas as condições de surfar numa onda mais positiva que vem do exterior, especialmente, quando as expectativas em relação às vacinas se

Read More »
E eu com isso

Parecer da reforma tributária

O parecer da reforma tributária já tem data para ser apresentado na Comissão Mista, formada por deputados e senadores. O relator da reforma, deputado Aguinaldo

Read More »
E eu com isso

Sinqia faz nova aquisição

A Sinqia (SQIA3) anunciou nesta quarta-feira (25), após o fechamento do mercado, a aquisição da Fromtis, uma fornecedora de softwares para o mercado financeiro no

Read More »
E eu com isso

Plano estratégico da Petrobras

Na noite desta quarta-feira (25), após o fechamento do mercado, o Conselho de Administração da Petrobras (PETR3/PETR4) aprovou o Plano Estratégico para o período de

Read More »
Fluxo de indicadores
E eu com isso

Contra fluxo não há argumentos

Os números da B3, divulgados na quarta-feira (25), não deixam margem a dúvidas. Até o dia 23 de novembro, a entrada líquida de recursos internacionais

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel