A Levante traz as melhores ideias de investimento

Três segredos para comparar investimentos

Tudo bem que comparar o modelo, preço, cor de um celular novo pode ser muito mais interessante do que realizar o mesmo processo para decidir onde você colocará o seu dinheiro, mas não por isso deve ser menos importante. E a pergunta que fica é: qual a melhor forma de comparar investimentos? Afinal, é o seu (suado) dinheiro que está em jogo.

Constantemente, recebemos aqui na Levante a pergunta: Qual é o melhor investimento? Ou ainda: Qual é a aplicação do momento, para investir agora?

A resposta não é a que você deseja ouvir. Já digo logo de cara que não existe o melhor investimento, porque essa resposta depende de uma série de fatores, como o momento de sua vida, sua aversão ao risco…

Em contrapartida, como notícia boa, existem diversas possibilidades muito interessantes. Por isso, selecionamos três critérios fundamentais que permitem que você compare diferentes produtos.

Veja também: A rentabilidade do Tesouro despencou. E agora?
Como economizar dinheiro: veja seis dicas

Como calcular o lucro de investimentos atrelados ao CDI?

Para muita gente, essa forma de rendimento é apenas uma complicação, afinal, por que raios não colocar que o produto rende x%?

É uma pergunta recorrente… Já que isso não vai mudar mesmo, vamos entender como essa referência funciona.

O CDI é a sigla de Certificado de Depósito Interbancário, um título que serve como lastro de empréstimos entre bancos. Ele é calculado pela Cetip e está sempre bem próximo à taxa Selic. Atualmente, está em 6,39% ao ano. (Caso esteja curioso, você pode consultar essa taxa no site da Cetip).

Aí fica fácil: é só multiplicar por quanto o seu título rende do CDI. Por exemplo, um CDB que rende 110% do CDI.

6,39*1,10 = 7,029 = 7%

Pronto. Assim você consegue comparar os investimentos atrelados ao CDI com aqueles que já indicam qual será a taxa de rendimento.

Quais os prazos devo avaliar ao comparar investimentos?

É bem simples, já que segue a premissa de que se paga um prêmio ao investidor por abrir mão da liquidez. E quanto maior o prazo, maior o prêmio.

A preferência dos brasileiros é por ter liquidez diária, ou seja, a possibilidade de conseguir sacar o dinheiro sempre que desejar. Afinal, nunca se sabe quando você pode ter uma emergência e precisar do dinheiro em mãos com rapidez.

É uma segurança interessante, mas será que não vale a pena dedicar ao menos uma pequena parte de suas reservas para um investimento de prazo médio e, quem sabe, outra para o longo prazo?

Sabemos que não é fácil dar o primeiro passo. Mas, além de rendimentos melhores, você criará um hábito de pensamento a longo prazo, que é tão difícil de ser criado. Já comentamos aqui o porquê.

Considerar o benefício de 10% a mais do CDI por seis meses extras de investimento é fundamental – o milagre dos juros compostos não pode ser esquecido.

Simule e veja a diferença com aportes mensais. Não temos dúvidas de que a sua visão mudará.

Não desconsidere o peso dos impostos na conta final

Simplificiando: para comparar as aplicações, é preciso descontar o imposto de renda devido, que pode variar de investimento para investimento e conforme o prazo.

Feito isso, você obterá o retorno líquido.

Um exemplo clássico para comparação é entre os investimentos em renda fixa, que seguem a tabela regressiva (caso dos CDBs, cuja taxação pode variar de 15 a 22,5%), e os isentos da cobrança (como as LCIs).

Para calcular qual seria o equivalente em uma LCI (ou LCA) para determinada taxa de CDB é preciso descontar o imposto de renda da seguinte maneira:

Taxa LCI/LCA = Taxa do CDB x (1 – imposto de renda)

Sendo que aqui a taxa do CDB é o percentual do CDI que o banco oferece, e o imposto de renda é a alíquota em percentual.

Com essa fórmula, você conseguirá colocar no mesmo patamar diferentes produtos financeiros. Mesmo porque nem sempre a isenção de imposto compensa o seu ganho final. Faça as contas SEMPRE.

Além do imposto, há diversas taxas cobradas: de administração, custódia, corretagem e algumas outras, dependendo do investimento que você fizer. Por isso, todo cuidado é pouco para entender se não há taxas escondidas.

Se você não comparar investimentos diferentes, pode perder oportunidades muito valiosas. E se não conhecer de fato o seu perfil como investidor, mais ainda.

 

Optar pela melhor opção não é tarefa simples para quem está começando, por isso, conte com a Levante para ajudá-lo em na sua escolha e também para entender como comparar investimentos. Caso tenha ficado com alguma dúvida, fique à vontade para envie um e-mail para atendimento@levante.com.br.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Federal Reserve
E eu com isso

O Fed e a incerteza

A muito aguardada reunião do Federal Reserve (Fed), o banco central americano, que se encerrou na quarta-feira (28) manteve os investidores na incerteza em relação

Read More »
Senado - Levante Investimentos
E eu com isso

Para além da CPI da Covid-19

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), tem se movimentado para organizar a retomada de pautas econômicas na Casa, ainda mais após acordo para indicar

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.