mercados-europeus

União Europeia planeja pacote de ajuda de 750 bilhões de euros

A Comissão Europeia, órgão executivo máximo da União Europeia, divulgou na manhã desta quarta-feira (27) um pacote de ajuda de 750 bilhões de euros (824 bilhões de dólares ou 4,4 trilhões de reais) para estimular as economias da região e aliviar os efeitos danosos da epidemia do coronavírus. O fator mais importante desse pacote de ajuda é que ele deverá funcionar para além das fronteiras nacionais. 

A Comissão pretende distribuir dois terços do fundo como doações, em vez de empréstimos, no que representa um grande passo em direção a um orçamento europeu mais centralizado, com transferências de riqueza entre os países-membros. Os planos ainda enfrentam oposição de pelo menos quatro estados membros – Holanda, Áustria, Finlândia e Suécia -, mas contam com o apoio crucial da Alemanha, a maior contribuidora do orçamento do bloco.

O plano visa fornecer rapidamente uma injeção fiscal maciça para os países do bloco mais atingidos pela pandemia. E isso sem aumentar os níveis de dívida já muito elevados dos membros mais endividados do bloco, como Itália, Espanha e Grécia. As novas dívidas dos primos pobres da União Europeia seriam pagas ao longo de várias décadas, e os pagamentos começariam apenas em 2028. Algum dinheiro extra começaria a fluir já neste ano, uma medida projetada para impedir o colapso das empresas e manter o investimento público fluindo em meio à crise.

O objetivo é também proteger o mercado único europeu, que inclui 450 milhões de pessoas. Os efeitos danosos da pandemia ampliaram as diferenças entre os países do norte, como Alemanha, Holanda e França, e os países do sul da Europa. Um distanciamento econômico poderia estressar ao máximo os vínculos entre os 27 participantes, aumentando as pressões pela saída de alguns países-membros, à medida que a Europa emerge de sua recessão mais profunda em vários anos. Esse pacote estimulou os mercados internacionais. As bolsas sobem na Europa e os mercados futuros de ações americanos também avançam.

O dólar atingiu sua maior valorização em seis meses em relação ao yuan, a moeda chinesa, devido a um aumento de tensões entre os Estados Unidos e a China. O yuan caiu para 7,1773 dólares no mercado offshore, que é menos controlado por Pequim.

Os mercados acionários não foram pesadamente afetados pelo aumento das tensões na Ásia, sinalizando que os investidores internacionais estão mais interessados nos pacotes de estímulo à economia europeia do que nas disputas comerciais da Ásia. Nesse cenário, o dia vai ser de alta.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Investidores se animam com novo pacote de ajuda nos Estados Unidos

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

tipos de ações da bolsa de valores
Artigos

Empresas preparam IPOs

Nas últimas semanas, o número de prospectos de IPO protocolados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aumentou em quase dez, com as companhias “aspirantes” ao

Read More »
Artigos

Resultados da WEG

A Weg (WEGE3) apresentou nesta quarta-feira (21), antes da abertura dos mercados, os seus resultados referentes ao 3T20. Os números vieram bons e acima das

Read More »
Artigos

Resultados do 2T20 da CVC

A CVC (CVCB3) apresentou nesta segunda-feira (20), após o fechamento do mercado e com atraso, seus resultados do segundo trimestre de 2020. Como era de

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte I

No Comentário de nº 9 da Instituição Fiscal Independente, “Considerações sobre o teto de gastos da União”, Felipe Salto, Daniel Couri e Josué Pellegrini recortam

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel