Turismo: agências perdem um quarto do faturamento de 2019 em março (CVCB3, AZUL4, GOLL4)

Turismo: agências perdem um quarto do faturamento de 2019 em março (CVCB3, AZUL4, GOLL4)

As perdas contabilizadas em março pelas operadoras de turismo devido ao impacto das medidas adotadas para conter a pandemia do novo coronavírus já equivalem a 25 por cento de todo o faturamento de 2019.

A perda já acumula 3,9 bilhões de reais em cancelamentos e adiamentos de viagens. Destes, 3,5 bilhões são referentes ao primeiro semestre do ano, 350 milhões são perdas previstas para o segundo semestre e 50 milhões para 2021. 

Os dados foram divulgados na terça-feira (14) pela Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa). De acordo com a associação, 90,4 por cento dos embarques de março foram cancelados ou adiados. Os consumidores também cancelaram ou adiaram 96,2 por cento das viagens de abril, 94,2 por cento das viagens de maio e 63,5 por cento das viagens de junho.

Nem mesmo previsões atuais mostrando uma tendência de normalização a partir de agosto evitam novos cancelamentos: 26,9 por cento das viagens previstas para o segundo semestre também já foram canceladas e enquanto este número é de 3,8 por cento para as viagens previstas para 2021.

E Eu Com Isso?

Os dados referentes a março confirmam o temor do mercado sobre as empresas do setor. Como já estamos na metade de abril e a paralisação continua, o retrato atual deve ser ainda mais severo. Por isso, esperamos a manutenção do impacto negativo no curto prazo para as ações de CVC (CVCB3), Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4), representantes do setor na bolsa de valores.

Assim como as viagens já marcadas, as vendas de novos embarques foram severamente afetadas pela pandemia. De acordo com a pesquisa, 91 por cento das agências de turismo esperam terminar abril sem vendas.

Para o ano, 59 por cento das empresas preveem uma queda acima de 50 por cento na receita em 2020.

Metade das empresas do setor acredita que a retomada das vendas se dará ainda em 2020 sendo que uma parcela de 12 por cento aposta que a recuperação pode ocorrer até o mês de julho, e 36 por cento vê o segundo semestre como momento de retomada. Para 43 por cento das operadoras, a comercialização de viagens voltará ao normal apenas em 2021.

O balanço da associação aponta que a retomada prevista para o segundo semestre deve começar por viagens domésticas, que são mais acessíveis financeiramente e transmitem maior segurança aos viajantes.

Continuamos com uma visão bastante negativa sobre o setor de companhias aéreas e de turismo, apesar da forte queda no preço das ações em 2020. Acreditamos que o risco é muito alto e a visibilidade ainda é baixa sobre o término da quarentena e a normalização da economia.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também:Coronavírus: Azul (AZUL4) oferece licença não remunerada a tripulantes e cancela voos para Europa

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Votação em Senado
E eu com isso

Votação da Lei de Falências

A nova Lei de Recuperação Judicial e Falência, apelidada de Lei de Falências no Congresso, será pautada nesta quarta (25) em plenário no Senado Federal.

Read More »
Bull Market EECI
E eu com isso

Ninguém segura o touro

Os números mostram que o Ibovespa retomou seu fôlego em novembro. No mês, até a terça-feira (24), a alta acumulada é de 16,9 por cento.

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel