Telefonica-Vivo2-div

Telefônica Brasil (VIVT4) e TIM (TIMP3) – Resultado do 1T20

As operadoras de telecomunicação divulgaram entre a noite da terça-feira (05/mai) e a manhã da quarta-feira (06/mai) seus resultados referentes ao primeiro trimestre de 2020. 

Os resultados vieram levemente abaixo das nossas expectativas, com pequena vantagem para TIM que apresentou resultados um pouco melhores, com destaque para a margem Ebitda.

O principal destaque positivo da Vivo foram o incremento na sua Margem Ebitda Recorrente, que alcançou 40,9 por cento (+1,2 p.p). No lado negativo: queda de 14 por cento no lucro líquido de 1,15 bilhões de reais, afetado por maior alíquota de impostos.

A Tim Participações registrou lucro líquido reportado de 164 milhões de reais no primeiro trimestre de 2020, alta de 8,3 por cento ante os 152 milhões apurados um ano antes. O Ebitda da Tim somou 1,926 bilhão de reais, crescimento de 8 por cento ante o mesmo período de 2019. 

Esperamos que as ações da TIM (TIMP3) tenham desempenho superior às ações da Vivo (VIVT4) no curto prazo e em linha com o desempenho do Ibovespa na sessão de hoje na B3.

As empresas de telecomunicação devem superar os demais setores da Bolsa em períodos mais nebulosos como o atual, dado seu modelo de negócio resiliente e forte geração de fluxo de caixa. 

Os resultados operacionais da Tim (TIMP3) permanecem sólidos. Entretanto, a maioria das melhorias dos ganhos de eficiência já foram incorporados. O próximo grande salto na empresa poderá vir de uma transação em potencial envolvendo os negócios móveis da Oi, em que os ganhos de sinergia seriam significativos.

A receita da Vivo (VIVT4) sofreu impacto da queda na sua receita média mensal por usuário (ARPU) do segmento móvel, que caiu 1,7 por cento na comparação com o 1T19, devido à maior base de comparação por conta do aumento de preço realizado em 2019. 

Já o Ebitda da Vivo totalizou 4.431 milhões de reais, crescimento de 1,6 por cento e ganhos de margem na ordem dos 1,2 p.p. O crescimento nesta linha mesmo com a queda na receita reflete a sua melhora na gestão de custos, muito por conta do esforço da companhia no seu processo de digitalização em algumas áreas.

Na última segunda (04/mai), veiculou-se na mídia a notícia de que a oferta de Tim e Vivo por Oi Móvel poderia ocorrer em 2 a 3 meses. As empresas estariam trabalhando durante a quarentena nas diligências para análise dos ativos.

Segundo estimativas de mercado as redes móveis da Oi poderiam valer em torno de 15 bilhões de reais. Cerca de 60 a 70 por cento dos ativos da Oi Móvel ficariam com a TIM, de acordo com entendimento prévio entre as empresas. 

A Oi só poderá fechar negócio depois de levar o assunto para uma assembleia geral de credores, que deverá acontecer no segundo semestre. 

Para a Vivo e para a TIM, o segmento móvel da Oi significa uma ampliação da sua participação de mercado, bem como a expansão nas regiões Norte e Nordeste, menos exploradas pelas companhias. 

Para a Oi, a venda significará uma grande oportunidade de gerar caixa e continuar honrando o serviço da sua dívida e seus investimentos no segmento de fibra ótica, que é a peça chave e grande aposta da companhia para voltar a ser competitiva.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Telefônica Brasil (VIVT3/VIVT4) propõe unificação de ações

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

Resultados do 2T20 da CVC

A CVC (CVCB3) apresentou nesta segunda-feira (20), após o fechamento do mercado e com atraso, seus resultados do segundo trimestre de 2020. Como era de

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte I

No Comentário de nº 9 da Instituição Fiscal Independente, “Considerações sobre o teto de gastos da União”, Felipe Salto, Daniel Couri e Josué Pellegrini recortam

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel