Aeroportos - E Eu Com Isso - Levante

Sucesso na infraestrutura

Contra dinheiro não há argumentos. Foi um sucesso o primeiro dia da Infra Week. O apelido foi dado aos três dias seguidos de leilões de concessões da infraestrutura, que começaram na quarta-feira (07). Foram leiloadas concessões de 22 aeroportos em todo o Brasil, que eram operados pela estatal Infraero. O valor movimentado superou 3,3 bilhões de reais e os ágios foram muito elevados.

Os terminais aeroportuários estavam divididos em três blocos, Sul, Norte e Central. No bloco Sul, cujo preço mínimo era de 130,2 milhões de reais, estavam os aeroportos de Curitiba, Foz do Iguaçu, Londrina e Bacacheri no Paraná, os de Navegantes e Joinville em Santa Catarina e os de Pelotas, Uruguaiana e Bagé no Rio Grande do Sul.

No bloco Central estavam os aeroportos de Goiânia, Teresina, Palmas, São Luís e Imperatriz, no Maranhão, e Petrolina, em Pernambuco. O valor era de 8,1 milhões de reais. E no bloco Norte estavam os aeroportos de Manaus, Tabatinga e Tefé, no Amazonas, Rio Branco e Cruzeiro do Sul, no Acre, Porto Velho e Boa Vista. O lance mínimo havia sido estipulado em 47,9 milhões de reais.

Os resultados surpreenderam. A Companhia de Participações em Concessões, parte do grupo CCR (CCRO3) arrematou o bloco Sul por 2,1 bilhões de reais, ágio de 1.534 por cento, e adquiriu o lote Central por 754 milhões de reais, ágio de 9.156 por cento (LEIA MAIS ABAIXO). Quem levou o bloco Norte foi a empresa francesa Vinci Airports, que administra, entre outros, o aeroporto Charles de Gaulle, em Paris. Ela pagou 420 milhões de reais, ágio de 777 por cento ante o preço mínimo.

Vamos fazer as contas? O governo ofereceu 22 aeroportos por 186,2 MILHÕES de reais. Levou 3,27 BILHÕES de reais (aqui vale a pena colocar as maiúsculas para frisar a diferença). Na ponta do lápis, um ágio médio de 1.658 por cento. Ou, dizendo a mesma coisa de outra maneira: para a iniciativa privada, a infraestrutura brasileira vale 17 vezes mais do que a estimativa do governo. E, pelas regras dos leilões, ao longo dos próximos 30 anos esses aeroportos deverão receber mais de 6 bilhões de reais em investimentos.

Em qualquer latitude e estação do ano, um ágio de 1.658 por cento indica que alguém errou feio nas contas. O vendedor pode ter sido conservador demais. Ou o comprador pode ter sido excessivamente otimista. Nesse segundo caso, o problema ficará com os acionistas da CCR e da Vinci. Porém, vamos dar a eles o benefício da dúvida e considerar que seus executivos sabiam o que estavam fazendo. Que conclusão podemos tirar disso?

A principal é que, visto de fora e no longo prazo, o Brasil ainda é um lugar com grande potencial de investimento. Repetindo: no longo prazo. Nos próximos meses, a economia e os resultados das empresas vão estar sujeitos a trancos e solavancos devido às incertezas da pandemia e às indefinições da política. Porém (de novo), no longo prazo, o Brasil é um paraíso para os investidores em infraestrutura.

Vamos voltar rapidamente no tempo, para o início da década passada. Uma leve melhora na renda do brasileiro tornou os aeroportos intransitáveis. As pessoas gostam de viajar. Quando for possível superar o medo da pandemia e sair de casa, é bastante provável que os aeroportos voltem a ficar superlotados. Isso entrou nos cálculos de quem investiu neles.

O mesmo raciocínio vale para rodovias, ferrovias e portos. Quem mora em São Paulo sabe que feriados são momentos tenebrosos nas estradas. Porém, mesmo em dias úteis, as vias mal comportam o tráfego de caminhões. Se, por uma intervenção divina, a malha rodoviária brasileira fosse duplicada milagrosamente em uma noite, ainda assim não haveria estradas ociosas. Assim, o resultado da venda dos aeroportos confirma: para quem não tem pressa e sabe fazer contas, o Brasil é um excelente local para se investir.

Ata do Fed

Na quarta-feira, o Federal Reserve (Fed) divulgou a Ata da mais recente reunião do Federal Open Market Committee (Fomc), o Copom americano. O documento confirmou as expectativas dos investidores, de que o Fed vai manter os juros baixos e os estímulos à economia, e que só vai alterar essas diretrizes quando houver sinais efetivos de que a economia e a inflação estão subindo. Ou seja, em vez de operar com base em prognósticos, o Fed quer esperar para ver. A notícia afastou a hipótese de uma possível alta dos juros, mas colocou a inflação novamente no topo da lista de assuntos a serem monitorados com cuidado.

E Eu Com Isso?

A quinta-feira começa com uma leve alta nos contratos futuros do Ibovespa e do índice americano S&P 500, devido às perspectivas de crescimento mais forte da economia americana e à melhora de humor provocada pelos bons resultados do leilão de infraestrutura. Os investidores não deram muita atenção às declarações do presidente Jair Bolsonaro, que criticou o reajuste de 39 por cento do gás pela Petrobras, considerado por ele “inadmissível”, o que coloca no radar novas intervenções governamentais na estatal.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia mais: O brilho da infraestrutura.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Discurso de Lula - E Eu Com Isso - Levante
E eu com isso

Lula elegível

O Supremo Tribunal Federal confirmou em plenário, nesta quinta-feira (15), por 8 votos a 3, a decisão liminar proferida pelo ministro Edson Fachin há cerca

Read More »
BNY Mellon - Levante Investimentos
E eu com isso

Resultado da BNY Mellon do 1T21

O Bank of New York Mellon, ou simplesmente BNY Mellon (BK) apresentou nesta sexta-feira (16), antes da abertura dos mercados, os seus resultados do primeiro

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel