setor_eletrico-2

Setor elétrico: Aneel regulamenta Conta-Covid

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (23) a regulamentação do pacote de auxílio ao setor, a chamada Conta-Covid. O pacote consiste no empréstimo de recursos às distribuidoras de energia concedido pelo BNDES e por bancos privados, cujo valor teto será de 16,1 bilhões de reais. A iniciativa vem sendo discutida desde março e faltava o estabelecimento dos critérios finais.

A liberação dos recursos para os agentes de distribuição de energia destina-se a reduzir os reajustes das tarifas de eletricidade em 2020. A meta é preservar a renda das famílias brasileiras, que foi prejudicada devido ao aumento do desemprego em meio à pandemia.

Ao mesmo tempo, os recursos da Conta-Covid garantirão a solvência e a liquidez das distribuidoras de eletricidade, assegurando sua capacidade de prestar serviços, honrar os contratos vigentes e superar a pandemia.

O decreto definiu ainda as bases para a gestão da Conta-Covid, determinando o limite de captação para cada distribuidora de acordo com as perdas na arrecadação e o mercado de cada companhia.

Em linhas gerais, o pacote tem a intenção de ajudar as companhias de distribuição de energia (Cesp, CPFL, Energisa, Equatorial, Enel, Eletrobras, Neoenergia), mas alguns detalhes do texto final foram mal recebidos pelo mercado e as ações do setor tiveram um dia de ajuste ontem (23).

Pesou a decisão de não permitir o registro de ganhos econômicos a partir da inclusão de ativos regulatórios no balanço com o auxílio financeiro. O presidente da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Marcos Aurélio Madureira, vinha defendendo o registro dos ativos regulatórios nos balanços trimestrais, visto que a não inclusão poderia levar ao acionamento de cláusulas contratuais de execução antecipada por parte dos credores.

O setor de distribuição de energia vem sendo o mais afetado no sistema elétrico brasileiro. Segundo dados do próprio órgão regulador, o consumo de energia elétrica caiu 14 por cento na comparação com o mesmo período do ano passado e a inadimplência chegou ao patamar dos 10 por cento devido à pandemia.

Como as distribuidoras são as arrecadadoras do sistema e funcionam como a porta de entrada de recursos, elas são mais sensíveis ao cenário atual. Porém, na prática, todo o setor será beneficiado, pois o pacote permitirá a manutenção dos contratos vigentes com as demais companhias de energia.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Setor elétrico: pacote de ajuda a distribuidoras deve ficar próximo aos 15 bilhões de reais

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

BTG compra corretora Necton

Na onda de consolidação do mercado em busca de capturar o número crescente de CPFs na bolsa, o BTG Pactual fechou a aquisição da Necton

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte II

Na primeira parte dessa dupla de textos, concentrei-me em elencar e dissertar acerca das principais regras fiscais em voga hoje no Brasil. Naquela ocasião, deixei

Read More »
Artigos

Política acima de tudo!

O mercado vive uma certa trégua em relação à volatilidade mais acentuada de algumas semanas atrás. Discussões importantes foram adiadas para depois das eleições. Quem

Read More »
tipos de ações da bolsa de valores
Artigos

Empresas preparam IPOs

Nas últimas semanas, o número de prospectos de IPO protocolados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aumentou em quase dez, com as companhias “aspirantes” ao

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel