uber eeci

Processo contra a Uber

A Uber (UBER) foi derrotada na manhã desta sexta-feira (19) em um processo enviado por um grupo de 25 motoristas do aplicativo na suprema corte do Reino Unido.  Assim como nos tribunais inferiores – cujas decisões sofreram apelações pela Uber – mais uma vez houve o entendimento de que os trabalhadores tinham, de alguma forma, algum vínculo de trabalho com a companhia, contrariando o argumento de que eles são trabalhadores independentes.

Com este entendimento, a Uber terá que ressarcir o grupo que a processou com salários e demais benefícios que eles teriam que ter recebido quando trabalhavam através da plataforma.

A Uber esclareceu que a decisão não implica que todos os motoristas da plataforma na região sejam automaticamente considerados dessa maneira, e que, ao menos por ora, apenas o pequeno grupo será beneficiado com tal decisão.

E Eu Com Isso?

Em uma primeira leitura, superficial e de curto prazo, poderíamos afirmar que o impacto é relativamente pequeno em termos de fundamentos para a Uber. Estima-se que cerca de 5,5 milhões de motoristas trabalham utilizando as plataformas da companhia no Reino Unido, logo, 25 deles representam uma parcela ínfima da operação.

Contudo, o problema é que a decisão deve servir de precedente para outros casos não apenas no Reino Unido – onde certamente muitos motoristas e advogados vão se sentir atraídos por ela– mas também em outros países. Há um caso emblemático nesta mesma linha na Califórnia, e a decisão desta sexta-feira (19) pode alterar os rumos do julgamento por lá.

Tempestade perfeita: além de todo impacto negativo nos seus negócios devido à pandemia, a Uber poderá ter que lidar também com problemas nesta ordem. Seu modelo de negócios é extremamente sensível a custos, dado que as suas margens operacionais, ainda são negativas (embora decrescentes).

A despeito disso, o mercado vê muito valor e potencial na companhia: as ações UBER sobem 43,7 por cento nos últimos 12 meses, quase o triplo do S&P 500, que sobe 15,6 por cento no mesmo período.

A empresa ainda precisa de alguns anos para maturar suas linhas de negócio, principalmente no delivery, e assim gerar caixa de forma recorrente e sustentável.

A partir de agora, porém, o mercado deve se perguntar: (i) se esse momento de fato chegará, (ii) se o seu valuation não foi longe demais e não compensam mais o risco envolvido, (iii) ou se o prazo do fim da queima de caixa não vai se estender ainda mais.

Em suma, a sustentabilidade do modelo de negócio da Uber ficará em xeque caso outras decisões similares ocorram, e isso deve refletir negativamente no preço das ações UBER no curto prazo.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia mais sobre a empresa: Uber divulga 4T20.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Empresa Vale
E eu com isso

Vale (VALE3): Resultado do 4T20

Na noite desta quinta-feira (25), a mineradora Vale divulgou seus resultados referentes ao 4T20 e do ano consolidado de 2020. A divisão de minério de

Read More »
Localiza - E Eu Com Isso - Levante
E eu com isso

Localiza (RENT3): Resultado do 4T20 

A companhia Localiza (RENT3) divulgou seus números referentes ao quarto trimestre de 2020 na noite de quinta-feira (25). A companhia apresentou resultados sólidos, com lucro

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel