bancos

Os Bancos Centrais partem para o ataque – Investidores se animam com perspectiva de ação de estímulo coordenada

Os Bancos Centrais partem para o ataque – Investidores se animam com perspectiva de ação de estímulo coordenada

A segunda-feira (2) tinha tudo para começar como mais um dia catastrófico nos mercados. Logo cedo, a China divulgou a maior retração da atividade industrial já registrada desde que o pulso da indústria começou a ser medido regularmente. O Índice de Gerentes de Compras (PMI na sigla em inglês) Caixin Markit de fevereiro caiu para 40,3, queda de 21,14 por cento ante os 51,1 registrados em janeiro. Ademais, veio muito abaixo dos 45,7 previstos pelo mercado. Como a maioria dos índices desse tipo, o PMI Caixin Markit oscila entre zero e 100. Medições abaixo de 50 indicam contração da atividade econômica. A pesquisa mostrou que a produção e as novas encomendas à indústria despencaram para os piores níveis já registrados. Por isso, o emprego foi muito prejudicado.

Não foi a única queda. Nesta manhã, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) reduziu sua previsão para o crescimento global de 2020. A redução foi de 0,5 ponto porcentual, de 2,9 por cento para 2,4 por cento. Além disso, a Organização fez isto de olho nos impactos econômicos do coronavírus. Este é o nível mais baixo desde 2009.

A retração da economia chinesa tinha tudo para provocar mais uma sessão de pânico nos mercados. Em suma, ela deve prejudicar inúmeros países que fazem muitos negócios com a China. No entanto, as ações subiram na Ásia devido a expectativas de que os principais bancos centrais devem reduzir os juros e anunciar medidas de estímulo econômico. No fim da semana passada, diretores do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) sinalizaram que podem baixar as taxas em 50 pontos-base (centésimo de ponto percentual). Isso seria feito na reunião de 17 e 18 de março.

Cenários asiático e brasileiro

Medidas semelhantes devem ser propostas pelo Banco Central Europeu (BCE) e pelo Banco do Japão. O movimento deve começar nesta terça-feira (3), dia da reunião do banco central da Austrália. Embora menos relevante, seu movimento pode indicar o começo de uma tendência do mercado.

A expectativa levou a um movimento de alta nos mercados asiáticos. O índice SSE Composite, da bolsa de Xangai, subiu 3,15 por cento. Enquanto isso, o índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, subiu 0,95 por cento. O Hang Seng, de Hong Kong, por sua vez, fechou em alta de 0,62 por cento. Na Europa, após avançar 2,8 por cento na abertura, o FTSE da Bolsa de Londres está em queda de 0,68 por cento. Os contratos futuros do S&P 500 caem 0,82 por cento. Já os contratos futuros do Ibovespa com vencimento em abril abriram com uma leve alta de 0,46 por cento.

Os mercados de commodities ajudaram na recuperação. Os preços do petróleo saltaram 1,49 por cento para 50,71 dólares por barril, na esperança de um corte mais profundo na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), depois de atingir os mínimos de vários anos. A Opep fará uma reunião de dois dias na quinta-feira (5) e na sexta-feira (6) em Viena.

Nos próximos dias o mercado vai apresentar muita volatilidade. A pressão de alta devido à expectativa da ação dos bancos centrais vai se contrapor às eventuais notícias negativas sobre a expansão do coronavírus e sobre o impacto dessa expansão na economia. No caso do Brasil, espera-se uma sinalização mais forte do Banco Central (BC).

INDICADORES

O primeiro boletim Focus de março mostra que o coronavírus já reduziu a projeção de crescimento da economia brasileira em 2020. A previsão caiu para 2,17 por cento ante 2,20 por cento na semana anterior. Os prognósticos para a inflação também caíram, ainda que levemente. A variação do IPCA projetada para março recuou de 3,20 por cento para 3,19 por cento. Já a projeção do dólar para o fim do ano subiu de 4,15 reais para 4,20 reais.

No caso da inflação, o Índice de Preços ao Consumidor – Semana (IPC-S) da Fundação Getulio Vargas (FGV) referente à semana encerrada em 29 de fevereiro caiu levemente, mostrando uma pequena retração de 0,01 por cento. Ademais, o IPC-S ficou 0,18 ponto percentual abaixo da taxa registrada na última divulgação. Em suma, com este resultado, o indicador acumula alta de 0,58 por cento no ano e de 3,76 por cento nos últimos 12 meses.

Por fim, a FGV também divulgou, nesta segunda-feira, o Índice de Confiança Empresarial (ICE), que mostrou uma queda de 0,5 ponto em fevereiro, para 97,2 pontos, após oito meses em alta. Em médias móveis trimestrais, o índice manteve a tendência de alta e subiu 0,6 ponto.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Um Copom mais cauteloso: a nova taxa de juros agora é 4,25 por cento

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

BTG compra corretora Necton

Na onda de consolidação do mercado em busca de capturar o número crescente de CPFs na bolsa, o BTG Pactual fechou a aquisição da Necton

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte II

Na primeira parte dessa dupla de textos, concentrei-me em elencar e dissertar acerca das principais regras fiscais em voga hoje no Brasil. Naquela ocasião, deixei

Read More »
Artigos

Política acima de tudo!

O mercado vive uma certa trégua em relação à volatilidade mais acentuada de algumas semanas atrás. Discussões importantes foram adiadas para depois das eleições. Quem

Read More »
tipos de ações da bolsa de valores
Artigos

Empresas preparam IPOs

Nas últimas semanas, o número de prospectos de IPO protocolados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aumentou em quase dez, com as companhias “aspirantes” ao

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel