Ministérios - Levante Ideias

Orçamento e trocas ministeriais

A segunda-feira (29) foi bastante movimentada no cenário político local, com a realização surpresa de uma minirreforma ministerial e a troca de seis comandos na Esplanada. O presidente aproveitou a saída do ministro Araújo e a necessidade de atender a algumas demandas de diferentes grupos políticos para mexer no comando de alguns ministérios.

O grande destaque vai para a entrega da Secretaria de Governo – hoje, responsável pela articulação política do governo no Congresso – para o Centrão, com a nomeação da deputada Flávia Arruda (PL-DF), aliada do presidente Arthur Lira (PP-AL). Arruda foi presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), cujo resultado (a aprovação do texto final) tem gerado inúmeras polêmicas no Executivo devido à sua inviabilidade sem que se infrinjam regras fiscais vigentes.

O imbróglio do orçamento segue movimentando forças políticas em Brasília: o Congresso acusa Paulo Guedes de ter rompido o acordo feito para abrigar as emendas e o ministério da Economia acusa os parlamentares de terem destinado um valor maior do que o combinado para emendas. A solução mais simples seria a de transferir tais emendas para o custeio de ministérios. No entanto, isso retiraria a autonomia e o simbolismo da realização de obras e compras de deputados e senadores, fator importante na hora de agradar suas bases eleitorais. Na outra ponta, porém, os presidentes da Câmara, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) não querem perder a confiança do mercado e trabalham para amenizar as manobras de última hora feitas no orçamento.

O Tribunal de Contas da União já sinalizou que não deve aprovar as contas públicas caso não sejam feitos ajustes nas contas públicas. Nos bastidores, não se cogita a possibilidade de Bolsonaro vetar o texto, mas ao mesmo tempo encontra-se dificuldades para rever o projeto aprovado sem que seja feita uma manobra no regimento das Casas Legislativas.

E Eu Com Isso?

O impasse sobre o orçamento continua. Todas as partes, evidentemente, não querem ceder e a indicação de uma deputada do Centrão para a articulação política pode ser parte das concessões feitas pelo Executivo para se chegar a um acordo. No entanto, algo que é mais cristalino nessa reforma ministerial é que os custos de coalizão, desde a pressão maior do Congresso sobre o Planalto em decorrência da pandemia, aumentaram para o governo.

O mercado espera por uma solução envolvendo o orçamento de 2021 e que afaste as possibilidades de rompimento do teto de gastos. É provável que ela ocorra em breve, até pela urgência do tema.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia também: Centrão e o teto de gastos.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - NFT
E eu com isso

Os NFTs são a arte do lucro

NFT parece ser a sigla de um título público. Algo como Notas Financeiras do Tesouro. Nada disso. NFT é a abreviatura de Non-Fungible Tokens, ou

Read More »
Levante Ideias - Dinheiro
E eu com isso

PEC dos precatórios

Nesta quinta-feira (16), a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados votou e aprovou, por 32 votos a 26, a PEC (Proposta

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.