Oi oibr3 oibr4

Oi (OIBR3/OIBR4): Resultado do 4T20

A Oi (OIBR3/OIBR4) apresentou seu resultado do último trimestre de 2020 nesta segunda-feira (29) antes da abertura do mercado. Os números seguiram as tendências dos últimos resultados da companhia, com queda na maioria das linhas de receita e indicadores operacionais.

A Oi apresentou receita líquida de 4,77 bilhões de reais no trimestre, representando uma queda de 2,9 por cento em relação ao 4T19. O resultado foi impactado pela queda de 5,7 por cento em relação ao mesmo trimestre de 2019 no segmento residencial e de 3,0 por cento no segmento de mobilidade pessoal.

Dentre os poucos destaques positivos do resultado, destacamos o crescimento de 288,5 por cento, em relação a 4T19, nas receitas de fibra ótica, atingindo 480 milhões de reais. A companhia pretende se tornar o maior provedor de infraestrutura de telecomunicação no país após a conclusão da venda de seus ativos, por isso é importante para Oi expandir a infraestrutura de fibra ótica o mais rápido possível.

A companhia apresentou um Ebitda, métrica de geração de caixa operacional, recorrente de 1,49 bilhões de reais, um crescimento de 5,5 por cento em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. O bom resultado, apesar da queda nas receitas, foi devido a uma redução generalizada dos custos e despesas, que apresentaram 6,1 por cento de queda no mesmo período.

Por fim, a companhia apresentou um lucro líquido de 1,8 bilhões de reais, revertendo um prejuízo de 2,15 bilhões visto no 4T19. Apesar do bom resultado, o lucro líquido maior do que o próprio Ebitda da companhia foi impulsionado por 3,4 bilhões de reais em créditos fiscais devido aos prejuízos, sem esses créditos a companhia teria tido prejuízo no trimestre.

E Eu Com Isso?

O resultado da Oi foi em linha com o esperado, a companhia vem tendo queda em suas receitas já há alguns anos e por isso não acreditamos que os resultados em si tenham impacto no preço das ações da companhia (OIBR3) no pregão do dia do resultado.

A Oi está em um processo de transição, a companhia pretende sair de sua recuperação judicial não mais como uma operadora tradicional de telecom, mas como uma provedora de infraestrutura para o setor como um todo. A companhia já vendeu sua unidade de negócios de telefonia por 16,5 bilhões de reais e agora pretende vender parcela do seu negócio de fibra para conseguir captar mais capital para ser utilizado na expansão da rede de fibra no país.

Durante a teleconferência de resultados nesta segunda-feira (29) ao meio dia, investidores poderão ter mais clareza quanto ao andamento tanto do leilão quanto da rede neutra de fibra que a companhia está desenvolvendo, esses pontos devem ser os principais catalisadores para as ações da companhia (OIBR3/OIBR4) no curto prazo.

No seu resultado a companhia também destacou a entrada dos 2 primeiros contratos como rede neutra da companhia, totalizando links de 326 Gbps em 268 cidades. Na nossa visão isso já mostra a companhia dando bons primeiros passos para seu objetivo pós recuperação judicial.

Outro ponto relevante do resultado da companhia foi o fluxo de caixa operacional, que consiste basicamente em subtrair do Ebitda (métrica para geração de caixa operacional) o valor dos investimentos feitos pela companhia, também conhecido como CAPEX. A Oi vem investindo mais do que vem gerando de caixa, o que chama a atenção considerando que a maior parte do dinheiro dos leilões (incluindo 16,5 bilhões da venda dos ativos de telefonia móvel) ainda não entrou na conta da companhia.

Acreditamos que o setor vive uma corrida pela fibra, com competidores como a Vivo (VIVT3) fechando uma parceria com um fundo canadense para criação de outra rede neutra no país e a TIM Brasil (TIMS3) tentando formar uma parceria para acelerar a expansão de sua rede privada de fibra ótica. Com múltiplos de valuation maiores que os das próprias operadoras, o mercado de fibra ótica parece ser a grande fonte de crescimento para o setor nos próximos anos, além disso, a ampliação deste tipo de infraestrutura é inevitável para uma adoção em larga escala do 5G no país.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia mais sobre a empresa: Acordo da Oi e Fundo do BTG.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Selic
E eu com isso

A Selic vai subir 1%

Na terça-feira (03) e na quarta-feira (04) haverá mais uma reunião do Copom (Comitê de Política Monetária). Desde a edição passada, em junho, estava mais

Read More »
Levante Ideias - Congresso Nacional
E eu com isso

Sempre o fiscal

A semana começa movimentada no cenário político, com a volta das atividades legislativas e investidores de olho no quadro fiscal de 2022, a ser definido

Read More »
Levante Ideias - Robinhood
E eu com isso

IPO da Robinhood

A Robinhood (HOOD), polêmica corretora americana voltada ao investidor pessoa física, estreou na NASDAQ na última sexta-feira (30), em uma sessão bastante volátil. Após chegar

Read More »
Copel - E Eu Com Isso - Levante
E eu com isso

Copel vai vender Compagas

Dois eventos ocorridos recentemente parecem ter, enfim, destravado o processo de privatização da Compagas, distribuidora de gás canalizado controlada pela Copel (CPLE6), tendo também como

Read More »
Levante Ideias - Papel
E eu com isso

Resultados da Irani (RANI3) do 2T21

A Irani (RANI3), empresa de papel e celulose focada em papel para embalagem, divulgou na última sexta-feira (30) seus resultados referentes ao segundo trimestre deste

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.