Levante Ideias - Carros

Falta de semicondutores freia recuperação do setor automotivo

Após um 2020 ruim para a produção de veículos no Brasil e no mundo, por conta das paralisações nas fábricas, o ano de 2021 que era para ser de forte recuperação acabou sendo freado pela falta de chips e semicondutores no mercado.

Ainda faltando contabilizar os últimos dados do ano, que saem na próxima quinta-feira (05), a venda de veículos leves e pesados deve crescer algo em torno de 3% no ano de 2021. Só no Brasil, a falta de microchips impediu a produção de cerca de 300 mil veículos, totalizando vendas de 2,1 milhões de unidades em 2021.

No início do ano, o mercado projetava uma alta na casa dos 15%, uma vez que com a pandemia e as paralisações das fábricas, houve um tombo de mais de 26% nas vendas de carros novos no ano de 2020. No entanto, o tsunami veio no ano de 2021, quando as montadoras foram afetadas pela crise dos semicondutores, problemas de logística (falta de navios e contêineres para trazer peças) e pela inflação de custos, que inflou os preços dos carros novos e seminovos.

E Eu Com Isso?

Analisando os segmentos de maneira individual, é possível ver que a pior performance foi dos automóveis e comerciais leves, com crescimento de apenas 1,4% na comparação anual. A alta de 3% foi puxada pelo segmento de caminhões, cujas vendas cresceram mais de 30%, em um ano muito bom para o segmento, que não utiliza tanto os semicondutores.

Nas montadoras, a Fiat foi a líder absoluta de mercado, com 21,7% de fatia nas vendas, enquanto a Volkswagen, segunda em participação, ficou com algo próximo de 15,4%. A GM, que ficou com sua principal fábrica fechada por quase cinco meses, apareceu na terceira posição com 12% de market share.

Outro dado interessante foi a performance do mercado de carros seminovos e usados, que supriu a falta de carros 0km, crescendo quase 20% no ano de 2021. Foram comercializados 11,2 milhões de automóveis seminovos e usados, ou seja 1 novo para cada 6.

Esses dados são importantes para analisarmos algumas empresas do setor listadas na B3, como por exemplo o ano ruim da Tegma (TGMA3), com a GM como sua principal cliente, ou o ano muito bom da Fras-le (FRAS3), que opera quase que 100% no mercado de peças de reposição.

Para 2022, a expectativa é de que a cadeia de produção de chips e semicondutores só esteja totalmente normalizada no segundo semestre. Até agora, o avanço da Ômicron não trouxe maiores preocupações de paralisação na produção, mas é algo que devemos ficar atentos. De qualquer forma, esperamos um ano de 2022 com uma recuperação mais forte do que em 2021.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

e-eu-com-isso

Leia também: China busca autossuficiência em semicondutores.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Combustível
E eu com isso

Alta dos combustíveis

Com novas altas nos preços do barril de petróleo nas praças internacionais, o governo definiu como prioridade total a entrega de uma PEC (Proposta de

Read More »
Levante Ideias - Netflix
E eu com isso

Resultados da Netflix (NFLX) do 4T21

A Netflix (NFLX) apresentou, nesta quinta-feira (20), após o fechamento do mercado, o seu resultado referente ao quarto trimestre de 2021. Os números apresentados foram

Read More »
Levante Ideias - Criptomoedas
E eu com isso

Entenda a queda das criptomoedas

A semana está se encerrando com as cotações das criptomoedas desabando. Nas últimas 24 horas, as cotações do Bitcoin (BTC) recuaram cerca de 7%, para

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.