Facebook Logo

Facebook e Google podem sofrer regulação

O parlamento australiano começa a discutir essa semana a legislação a respeito dos pagamentos que as plataformas digitais deverão fazer às empresas de mídia pelas notícias. Além disso, o projeto prevê que as empresas de tecnologia notifiquem às companhias quando seus algoritmos forem modificados a ponto de interferir no tráfego de leitores.

A expectativa é que o projeto seja aprovado. Segundo informações de mercado, o apoio à pauta é bipartidário.

A “novela” sobre o assunto é antiga. Em um dos capítulos mais recentes, o Google chegou a ameaçar acabar com suas operações e sair do país. O Facebook chegou a afirmar que seus usuários poderiam ficar impedidos de compartilhar links caso a regulação passasse.

E Eu Com Isso?

Em uma primeira leitura, o impacto nos fundamentos das companhias-alvo desta regulação – principalmente o Facebook e o Google, é limitado. Acreditamos que essa interpretação deve prevalecer no curto prazo, logo esperamos um efeito neutro no preço das ações FB/GOOG no curto prazo relacionado à notícia.

Porém, não descartamos que as companhias tenham que sentar-se à mesa de negociação com veículos da mídia em outros países. Na última semana, inclusive, o CEO da Microsoft (MSFT) mostrou-se favorável aos Estados Unidos seguirem o caminho australiano.

Os donos da Bing, buscador bem menos conhecido dos usuários, afirmaram que se sentem confortáveis em operar com margens menores caso a regulação seja aprovada.

Segundo dados da consultoria Emarketer, o Google detém quase 30 por cento de participação no mercado de publicidade online global, enquanto o Facebook, 25 por cento. O cenário atual no mundo aponta para um aumento da regulação nas “big techs”, e vemos estas empresas (Facebook e Google) como principais alvos dos órgãos reguladores.

A despeito disso, os resultados do 4T20 das big techs foram extremamente sólidos: crescimento de receitas em duplo dígito e bem acima do esperado; ganhos de margem; posição financeira extremamente confortável. Esta perspectiva contrabalança com o aumento da percepção de risco associado ao investimento nessas ações.

Paradoxalmente, parte destes “super resultados” é que parecem incomodar os reguladores, pois, de certa forma, refletem o excesso de poder de barganha que as big techs alcançaram. Essa conjuntura é mais notável no mercado de publicidade online, e muitos têm visto algumas práticas empresariais enquanto formas de concorrência desleal.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia mais sobre as empresas: Facebook: Resultado do 4T20; Números da Alphabet.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Política sem Aspas, por Felipe Berenguer
Política Sem Aspas

Recesso, pero no mucho…

Existe, no imaginário popular, uma ideia fixa que procura associar o recesso parlamentar à inatividade de políticos de Brasília. De fato, os corredores do Congresso

Read More »
Levante Ideias - Inflação
E eu com isso

Inflação supera expectativas

A sexta-feira começa com a divulgação do IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor Amplo – 15) de 0,72% em julho, levemente abaixo do 0,83% de

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel