eneva2-div-enveva

Eneva (ENEV3) anuncia possível fusão com AES Tietê (TIET3/TIET4/TIET11)

Eneva (ENEV3) anuncia possível fusão com AES Tietê (TIET3/TIET4/TIET11)

A geradora de energia elétrica Eneva (ENEV3), controlada pelo banco BTG Pactual e pelo fundo Cambuhy Investimentos (da família Moreira Salles), anunciou no domingo (01) que enviou uma proposta com intenção de fusão junto à AES Tietê (TIET3/TIET4/TIET11).

A proposta visa “agregar os negócios das duas companhias, resultando na unificação das bases acionárias em uma companhia aberta listada no Novo Mercado da B3, com sólido portfólio de ativos, recursos complementares e potencial de se beneficiar de significativas sinergias operacionais e financeiras.”

A proposta inicial enviada oferece a troca de 0,0461 ação da Eneva por 0,2305 unit da AES Tietê (TIET11) mais 6,89 reais por unit.

Dessa forma, os acionistas da AES Tietê, em conjunto, receberão um total de 91.994.693 ações ordinárias de emissão da Eneva, representativas de 22,58 por cento do capital social da Eneva, após implementação da Operação.

O valor total da oferta representa um prêmio de 13,3 por cento em relação ao fechamento do mercado da última sexta-feira.

A proposta está sujeita (i) à aprovação pelos acionistas da Eneva e da AES Tietê, reunidos em assembleia geral; (ii) à aprovação prévia do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade); e (iii) à aprovação prévia da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A fusão entre Eneva e AES Tietê tem alto potencial sinérgico e, portanto, deve beneficiar as duas empresas. Por isso, esperamos impacto positivo no preço de ambas ações no curto prazo.

No pregão de sexta-feira (28), as ações ordinárias da Eneva (ENEV3) e as units da AES Tietê (TIET11) já haviam subido 3,8 por cento e 3,3 por cento, respectivamente, ante alta de 1,15 por cento de Ibovespa.

A Eneva possui um parque gerador de 2,8 mil megawatts (MW), dos quais cerca de 2,2 mil MW em operação. A AES Tietê, por sua vez, possui um parque gerador de cerca de 3,4 mil MW, composto principalmente por hidrelétricas.

Caso a fusão seja consumada, a nova companhia seria a segunda maior geradora de energia privada do País, com capacidade de geração de 6,2 mil megawatts (MW) e faturamento anual de 5 bilhões de reais. O nível de endividamento é controlado: com relação dívida líquida/Ebitda de cerca de 3 vezes.

Com a AES, além de aumentar a capacidade, a geração será mais diversificada. A distribuição da nova empresa terá 44 por cento da energia obtida por meio de hidrelétricas, 44 por cento por térmicas, 7 por cento serão de energia eólica e os 5 por cento restantes serão de energia solar.

Dessa forma, a Eneva poderá ofertar energia durante todo o ano e não somente quando as térmicas são acionadas. Além disso, a fusão deve aumentar consideravelmente a liquidez das ações.

* Esse conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Engie Brasil (EGIE3) compra projeto de transmissão no Norte do país

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

Resultados da Vale

A Vale (VALE3) divulgou nesta quarta-feira (28), após o fechamento do mercado seus números referentes ao terceiro trimestre de 2020. O resultado veio em linha

Read More »
Artigos

Números da Vivo

A Telefônica Brasil (VIVT3/VIVT4) apresentou nesta terça-feira (27), após o fechamento do mercado, o seu resultado do 3T20 e que, na nossa avaliação, foi regular

Read More »
Artigos

BTG compra corretora Necton

Na onda de consolidação do mercado em busca de capturar o número crescente de CPFs na bolsa, o BTG Pactual fechou a aquisição da Necton

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel