Foto: divulgação

Dados preliminares da XP

A XP Inc (XP) divulgou na segunda-feira (29) os seus resultados preliminares de junho e os projetados para o segundo trimestre de 2020. Embora os números ainda não sejam auditados e algumas linhas sejam estimativas, tudo indica que a XP vai apresentar mais um forte resultado e novamente acima das expectativas, seguindo a sua trajetória de crescimento elevado e de grande potencial de geração de valor.

O principal destaque positivo deverá ser a captação líquida de junho, que ficará entre 10 bilhões e 12 bilhões de reais. Mesmo na projeção mais pessimista, a entrada líquida já é superior à dos meses de abril, quando foram captados 6,9 bilhões de reais, e de maio, com a captação de 8,3 bilhões de reais. Além disso, o lucro líquido também deve vir forte e a companhia espera algo entre 420 milhões de reais e 520 milhões de reais no segundo trimestre de 2020.

A XP também anunciou que irá realizar uma oferta secundária de 19.535.420 ações. Os vendedores serão o fundo de Private Equity General Atlantic, que possui 76,37 milhões de ações (13,8 por cento do capital total da XP) e a XP Controle, cuja participação no capital social é de 127,6 milhões de ações (23,1 por cento total).

De acordo com informações do mercado, a justificativa da venda das ações por parte da XP Controle está associada à sua necessidade de ajuste dos passivos, devido ao tamanho das suas obrigações com ex-sócios da empresa no compromisso de recompra das ações.

Considerando a possibilidade de ocorrência do lote adicional de 15 por cento e a cotação de fechamento desta segunda-feira, a oferta poderá movimentar aproximadamente 980 milhões de dólares (5,28 bilhões de reais).

Os resultados preliminares da XP foram mais uma vez bons e acima do esperado, indicando que a companhia segue a sua trajetória de alto crescimento. Por outro lado, uma oferta secundária com a venda de ações por parte dos sócios, ainda que esperada por parte da General Atlantic, deve trazer pressão negativa no preço das ações no curto prazo.

A General Atlantic (GA) é um fundo de “private equity” que normalmente sai dos ativos em prazos “fixos” e que não vai vender 100 por cento da sua posição na XP. O restante de sua participação no capital da XP está ligado ao percentual adicional em ações da XP que o Itaú tem direito de exercer compra em 2022. A despeito da “disputa” entre Itaú e XP no mercado, o banco Itaú (ITUB4) não vai vender nenhuma das ações que possui nesta oferta secundária.

A notícia da oferta secundária, de certa forma, é um possível sinal de que o preço das suas ações está muito elevado e que um ou mais sócios estão aproveitando o momento para reduzir sua posição na companhia. Além disso, os movimentos associados a este tipo de oferta costumam ser de aumento da pressão vendedora nas ações até a data da oferta. As ações da XP, depois de cair quase 5 por cento, fecharam em queda de 1 por cento no “after market” desta segunda-feira (29) em Nova York.

No ano, as ações da XP sobem 52,5 por cento (com variação cambial) e 13 por cento (sem variação cambial), desempenho superior ao do Índice da Bovespa, que recua 17,2 por cento e ao da bolsa de Nasdaq, que avança 10 por cento.

Na última semana a XP divulgou que fechou maio com 412 bilhões de reais em ativos sob custódia. Com a captação líquida de junho e considerando a rentabilidade das carteiras no mês (alta de 9,5 por cento no Ibovespa no mês até 29 de junho), a XP deve fechar o segundo trimestre com algo entre 425 bilhões e 430 bilhões de reais em ativos sob custódia, o que representa um crescimento de aproximadamente 155 por cento na comparação anual.

A XP projeta uma receita bruta no período entre 1,85 bilhões de reais e 1,95 bilhões de reais, um crescimento que chegará a aproximados 50 por cento na comparação com o segundo trimestre de 2019.

O lucro líquido esperado pela companhia deverá ficar entre 420 milhões de reais e 520 milhões de reais. Considerando o valor mais conservador da faixa estimada, a variação do resultado frente ao mesmo período do último ano será de 84 por cento, além de uma margem líquida superior (20 por cento anteriormente contra 24 por cento a 28 por cento neste trimestre).

A XP já é uma das maiores companhias do setor financeiro no Brasil. Com seu valor de mercado atual de 129,7 bilhões de reais, ela já vale mais que o Banco Santander (108,6 bilhões de reais), Banco do Brasil (95,8 bilhões de reais) e a B3 (113,1 bilhões de reais).

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Itaú e XP Investimentos

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

Números da Vivo

A Telefônica Brasil (VIVT3/VIVT4) apresentou nesta terça-feira (27), após o fechamento do mercado, o seu resultado do 3T20 e que, na nossa avaliação, foi regular

Read More »
Artigos

BTG compra corretora Necton

Na onda de consolidação do mercado em busca de capturar o número crescente de CPFs na bolsa, o BTG Pactual fechou a aquisição da Necton

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte II

Na primeira parte dessa dupla de textos, concentrei-me em elencar e dissertar acerca das principais regras fiscais em voga hoje no Brasil. Naquela ocasião, deixei

Read More »
Artigos

Política acima de tudo!

O mercado vive uma certa trégua em relação à volatilidade mais acentuada de algumas semanas atrás. Discussões importantes foram adiadas para depois das eleições. Quem

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel