China - E Eu Com Isso - Levante Ideias

Conflito na produção da China

O principal produtor e maior consumidor de aço no planeta, a China, vem tendo um conflito interno entre o crescimento econômico e sua meta ambiciosa de descarbonização da economia até 2060.

Com a pandemia, houve uma queda brusca no movimento de comércio e serviços no país, o que levou o governo central a voltar a financiar o mercado de infraestrutura, aumentando fortemente a produção de aço no país, junto com o consumo, sobretudo no mercado de construção civil.

O problema é o nível alarmante de poluição nas principais metrópoles por lá, devido à forte produção de aço, que demanda uma quantidade de carvão na produção proporcional ao nível de aço que sai da indústria. Recentemente o ministro do Ambiente da China foi à Tangshan (um dos principais polos de produção siderúrgica do país) aplicando punições a algumas empresas locais com registros de produção falsos para contornar as metas de emissão de carbono.

Neste mês a liderança de Tangshan instruiu que as indústrias locais reduzissem a produção de aço em cerca de 30 por cento, adotou regras para que as siderúrgicas para renovarem seus altos-fornos, além de definir junho como um prazo para demonstrar a redução de emissão de carbono sob pena de multas.

E Eu Com Isso?

Os efeitos das mudanças na dinâmica industrial da China têm efeitos na cadeia de suprimentos globais, desta vez mais especificamente para a cadeia do aço. Para entendermos é preciso separar em duas frentes: a da oferta (produção) de aço e da demanda (consumo).

Pelo lado da demanda, apesar da China firmar um compromisso e ter “virado a chave” para a meta de economia mais limpa, a pandemia tem atrasado o início mais contundente das mudanças nessa frente, dado que o país possui como meta também de dobrar o seu PIB até 2035, sendo o setor de infraestrutura um dos principais meios para concretizar o crescimento econômico. O afrouxamento do crédito para essa frente tem feito a demanda seguir em níveis bastante fortes por lá, com o mercado imobiliário e infraestrutura em ascensão.

Pelo lado da oferta, com a promessa de lucros altos com a forte demanda por aço, as siderúrgicas vêm produzindo aço em ritmo acelerado, muitas vezes reativando estruturas já defasadas para atender a demanda, entrando em conflito com a meta ambiental do país, porém ganhando cada vez mais força por lá.

A redução da oferta no aço deve vir mais forte a partir de agora, com intervenção mais contundente das autoridades do país, porém a demanda por aço ainda deve seguir forte, com a China precisando continuar com o crescimento econômico.

Mas como isso afeta os preços das commodities? Com a redução forçada de produção, os níveis de preços atuais do minério de ferro devem começar a cair gradualmente. Por outro lado, os preços do aço, com a redução da oferta maior que a demanda no curto prazo, devem seguir altos, favorecendo as siderúrgicas no mundo todo, com a alta de preços do produto e redução do custo de produção (minério de ferro e produtividade no volume).

Além disso, favorece o lado da demanda, o megapacote trilionário de estímulo à infraestrutura nos EUA, que deve substituir em partes a redução da demanda por aço no médio prazo na China, que já vem retirando o financiamento aos poucos por lá.

No Brasil, a dinâmica favorece empresas como CSN (CSNA3), Usiminas (USIM5) e Gerdau (GGBR4), grandes produtoras de aço, que devem ver as margens da siderurgia crescerem com os seguidos aumentos de preço, puxado pelo Preço de Paridade Internacional e pela alta demanda por aço no mundo e no mercado doméstico, com a indústria local com dificuldades de abastecimento de matéria-prima para retomada de seus estoques. A notícia é levemente negativa para ações da Vale (VALE3), que podem sofrer no curto prazo com a possível redução nos preços do minério de ferro.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia também: Dados de Vendas no Varejo no Brasil, Reuniões do FMI e divulgação do PIB da China movimentam a semana.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Selic
E eu com isso

Até onde os juros podem subir?

Será uma surpresa gigantesca se o Copom (Comitê de Política Monetária) anunciar outra decisão nesta quarta-feira (04) a não ser uma elevação de 100 pontos-base

Read More »
Levante Ideias - Câmara dos Deputados
E eu com isso

Segundo parecer

Com um dia de atraso no cronograma inicialmente previsto, o deputado Celso Sabino (PSDB-PA) apresentou seu segundo parecer sobre o Projeto de Lei 2.337/2021, que

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.