Levante Ideias - Selic

Até onde os juros podem subir?

Será uma surpresa gigantesca se o Copom (Comitê de Política Monetária) anunciar outra decisão nesta quarta-feira (04) a não ser uma elevação de 100 pontos-base (ou um ponto percentual) na taxa de juros referencial Selic.

A expectativa dos investidores é praticamente unânime em uma elevação da taxa para 5,25% ao ano.

Não será, ainda segundo as expectativas, o último aperto na política monetária.

A edição mais recente do Relatório Focus, divulgada na segunda-feira (02), mantém os prognósticos para a Selic chegando a 7% ao ano em dezembro, e permanecendo no mesmo patamar até dezembro de 2022.

Queda de juros só no ano seguinte.

Mesmo assim, modesta: as projeções para a Selic de dezembro de 2023 são de 6,50% ao ano.

Há uma discussão entre os investidores se faz sentido realizar esse aperto na política monetária agora. Os indicadores mostram que, apesar da recuperação, a economia ainda está em um ritmo aquém do esperado. Há quase 15 milhões de brasileiras e brasileiros procurando emprego inutilmente.

E a alta dos índices é atribuída, em boa parte, a uma elevação dos preços dos alimentos e da energia, não a uma demanda aquecida – a causa mais tradicional dos processos inflacionários.

Mesmo assim, a alta dos juros é justificável.

Por quê?

Em primeiro lugar, uma das funções mais importantes do BC é ancorar as expectativas da economia brasileira.

Em português, garantir não só que os preços permaneçam sob controle, mas assegurar que a sociedade e os agentes econômicos, empresários, investidores e trabalhadores, acreditem nessa estabilidade.

Sem essa crença, haverá movimentos preventivos de elevação dos preços como defesa contra uma inflação esperada no futuro.

Em segundo lugar, inflação no Brasil é um assunto sério.

Apesar de o País ter domado a hiperinflação em 1994, a estrutura de indexação permanece intacta. Se você tem dúvidas disso, pergunte a alguém que teve de renovar seu contrato de locação nos últimos meses e encarou um proprietário querendo reajustar os preços pelos mais de 30% de variação do IGP-M.

Assim, uma desancoragem das expectativas pode levar a uma aceleração dos índices e transformar o que é uma inflação pontual em um processo mais estrutural e sustentável. E, portanto, mais difícil de combater.

Por isso a necessidade de o BC ser rígido e impiedoso com a taxa de juros, apesar de uma contração da política monetária não ser o remédio mais indicado para a situação atual da economia brasileira. O risco de uma aceleração estrutural da inflação é muito elevado.

E Eu Com Isso?

O dia começa com os contratos futuros do índice americano S&P 500 em baixa devido aos dados fracos do emprego nos Estados Unidos, e também devido às expectativas ruins com o nível de emprego não-agrícola (“non-farm payroll”) de julho, que deverá ser divulgado nesta sexta-feira (06).

As notícias são negativas para a Bolsa. 

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

e-eu-com-isso

Leia também: Não olhe para Brasília.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - NFT
E eu com isso

Os NFTs são a arte do lucro

NFT parece ser a sigla de um título público. Algo como Notas Financeiras do Tesouro. Nada disso. NFT é a abreviatura de Non-Fungible Tokens, ou

Read More »
Levante Ideias - Dinheiro
E eu com isso

PEC dos precatórios

Nesta quinta-feira (16), a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados votou e aprovou, por 32 votos a 26, a PEC (Proposta

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.