(Foto: Jose Cruz / Ag Brasil)

Agenda lotada

Nesta sexta-feira (5), o presidente Bolsonaro deve se reunir com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e os ministros Paulo Guedes (Economia), Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e Bento Albuquerque (Minas e Energia) para discutir a questão do aumento do diesel.

Devido à política de preço de paridade internacional, adotada pela Petrobras desde meados de 2018, e à alta no preço do barril de petróleo, os caminhoneiros têm pressionado, novamente, para que haja uma revisão nos repasses para a bomba de combustível. Nesse sentido, o presidente afirmou que quer “colocar em pratos limpos” a composição do custo do combustível e “tornar a questão pública”.

Enquanto Bolsonaro comentava a questão do diesel em sua live de quintas-feiras (4) nas redes sociais, Guedes estava reunido com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), debatendo a agenda econômica para o Congresso nos próximos meses. Ao sair da reunião, o ministro da Economia admitiu a volta de um novo auxílio emergencial para metade dos 64 milhões de beneficiários contemplados em 2020.

Entretanto, o ministro quis deixar claro que a possibilidade da volta do auxílio depende de “cláusulas necessárias” a serem disparadas no campo fiscal. Ainda, reiterou que o novo auxílio se daria em um contexto de excepcionalidade, com o acionamento do estado de calamidade pública ou de emergência pelo Congresso Nacional.

E Eu Com Isso?

As reuniões entre lideranças legislativas e alto escalão do governo continuam a todo vapor, confirmando a renovação de fôlego acerca da relação entre os dois Poderes. Com a sinalização de Guedes – que antes evitava falar sobre a possibilidade da volta de um auxílio – passa a ser provável a volta de algum pagamento para grupos mais vulneráveis. Isso será feito com as devidas contrapartidas fiscais, para que nenhuma regra seja quebrada.

A notícia, no entanto, deve impactar levemente o pregão de hoje, já que a volta de um auxílio incorre em novo gasto para acomodar em 2021, em um contexto de extremo aperto das contas públicas. O mercado, em um primeiro momento, ficará mais apreensivo – e o mesmo vale para a reunião de Bolsonaro e Castello Branco, que, a depender do desfecho sobre o diesel, pode ser entendida como ingerência política na gigante petroleira.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia mais: O ver para crer da pauta de prioridades.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Telecomunicação
E eu com isso

Onda de M&A na telecom

Um estudo publicado pela consultoria RGS Partners mostra que o Brasil movimentou mais US$ 92 bilhões em fusões e aquisições em 95 transações entre 2010

Read More »
Levante Ideias - Banco Central
E eu com isso

Semana decisiva para os juros

A próxima semana será decisiva para a trajetória dos juros brasileiros de agora em diante. Em circunstâncias normais, o prognóstico seria de alta das expectativas

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel