embraer-goeing-psd2

Acordo entre Boeing e Embraer (EMBR3) é cancelado

A Boeing anunciou na manhã do sábado (25) que desistiu do contrato de transação master com a Embraer (EMBR3). O acordo visava estabelecer duas joint ventures, uma com o segmento da aviação civil da Embraer e envolvia a cifra de 4,2 bilhões de dólares para a aquisição de 80 por cento de tal área e outra para “desenvolver novos mercados para a aeronave de transporte aéreo médio e mobilidade C-390 Millenium”.

Um dos termos do contrato preconizava que o dia 24 de abril era a data limite para as partes exercerem seus direitos de rescisão com possível extensão do prazo em caso do comprimento de algumas exigências previamente acordadas. A Boeing decidiu exercer seu direito, alegando que algumas condições do contrato não foram atendidas.

Em resposta, a Embraer divulgou em seu site oficial na mesma data uma nota alegando que a Boeing rescindiu o contrato de forma indevida, utilizando pretextos falsos para desistir do negócio. Ela acredita que a desistência foi por conta da “falta de vontade em concluir a transação, sua condição financeira, ao 737 MAX e outros problemas comerciais e de reputação.”

A notícia é negativa para os acionistas da Embraer e esperamos impacto negativo no preço das suas ações no curto prazo. Contudo, parte da informação já está no preço, visto que ao longo da última sexta-feira (24) rumores sobre o possível distrato no acordo foram amplamente divulgados no noticiário corporativo.

Na sexta-feira as ações da Embrar (EMBR3) recuaram 10,7 ante queda de 5,5 por cento do Ibovespa. No ano, a queda chega a 58 por cento, bem acima da queda de 34,9 por cento no principal índice da bolsa brasileira.

A desistência por parte da Boeing é um indicativo de que o planejamento da empresa foi alterado por conta da pandemia do coronavírus e a prioridade para o restante do ano será a sua sobrevivência. O setor de aviação é um dos mais atingidos pela crise da Covid-19. Nos Estados Unidos é debatido formas do governo americano ajudar a companhia, mas que o auxílio, caso concedido, não deveria ser utilizado para fechar a compra da Embraer.

Para a Embraer, a fusão, que vem sendo negociada a cerca dois anos, significava ganhos fortes de sinergia além da redução do risco da Boeing adentrar como concorrente no seu mercado.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Aéreas e Embraer (AZUL4, GOLL4, EMBR3)

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte II

Na primeira parte dessa dupla de textos, concentrei-me em elencar e dissertar acerca das principais regras fiscais em voga hoje no Brasil. Naquela ocasião, deixei

Read More »
Artigos

Política acima de tudo!

O mercado vive uma certa trégua em relação à volatilidade mais acentuada de algumas semanas atrás. Discussões importantes foram adiadas para depois das eleições. Quem

Read More »
tipos de ações da bolsa de valores
Artigos

Empresas preparam IPOs

Nas últimas semanas, o número de prospectos de IPO protocolados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aumentou em quase dez, com as companhias “aspirantes” ao

Read More »
Artigos

Resultados da WEG

A Weg (WEGE3) apresentou nesta quarta-feira (21), antes da abertura dos mercados, os seus resultados referentes ao 3T20. Os números vieram bons e acima das

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel