Cervejas AB Inbev - Levante

AB Inbev reduz endividamento

A AB Inbev (BUD, na NYSE) – maior cervejaria do mundo e empresa-mãe da Ambev – levantou 29,4 bilhões de dólares no processo de venda de ativos realizado ao longo de 2020.

O mais recente, anunciado na última semana de 2020, foi a venda de 49,9 por cento da sua operação de latas de alumínio nos Estados Unidos, que rendeu aproximadamente 3 bilhões de dólares. Já em junho de 2020 foi finalizada a venda da sua operação na Austrália por 11 bilhões de dólares para o grupo japonês Asahi Group. Outros esforços estiveram ligados ao resgate antecipado de dívidas internacionais.

Tais esforços fazem parte de um amplo programa de desinvestimento iniciado alguns anos atrás após a companhia adquirir a gigante SABMiller por 107 bilhões de dólares. A operação aumentou o endividamento líquido da companhia a patamares acima do nível considerado saudável, com relação dívida líquida/Ebitda acima de 5,5 vezes em 2016.

E Eu Com Isso?

A notícia é positiva para os acionistas da AB Inbev (BUD), embora acreditemos que a redução do endividamento já esteja precificada pelo mercado. Por conta disso, esperamos impacto neutro no preço das ações no curto prazo devido à notícia.

O programa de desinvestimento para redução do endividamento líquido ficou ainda mais necessário após os impactos da pandemia nos resultados da gigante cervejeira. Por exemplo, o volume vendido no 2T20 foi quase 18 por cento menor que no mesmo período de 2019. A menor alavanca operacional, bem como outros fatores, resultou na queda do Ebitda (métrica para geração de caixa operacional) em mais de 34 por cento.

Assim, a companhia fechou o primeiro semestre de 2020 com uma relação dívida líquida e Ebitda em 4,85 vezes. A companhia tem como meta atingir o nível de 2 vezes, patamar na qual ela julga ser o nível ótimo de estrutura de capital e alavancagem.

Com a retomada do mesmo patamar de Ebitda de 2019, por volta dos 21 bilhões de dólares, a sua dívida líquida deverá ser um pouco maior que os 40 bilhões de dólares.

O balanço completo de 2020, a ser divulgado no dia 25 de fevereiro, deve trazer novidades positivas quanto a sua posição financeira. Porém, o problema certamente está longe de ser totalmente endereçado, e a companhia terá que retomar o caminho de forte geração de caixa por meio das suas operações para alcançar sua meta oficial de 2x dívida líquida/Ebitda.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia mais: Podemos acreditar em um 2021 bem melhor.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Política sem Aspas, por Felipe Berenguer
Política Sem Aspas

Diários da CPI | Política sem Aspas

Chegou ao fim a primeira semana de funcionamento da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, instalada no Senado Federal para apurar eventuais irregularidades e

Read More »
eletrobras
E eu com isso

Cronograma da privatização

Por ter sido enviada via Medida Provisória, que tem vencimento de 120 dias, a privatização da Eletrobras (ELET3/ELET6) está no radar do Congresso e de

Read More »
Adidas - Levante Investimentos
E eu com isso

Resultado da Adidas do 1T21

A Adidas apresentou nesta sexta-feira (7), antes da abertura do mercado na Europa, os seus resultados do primeiro trimestre do ano de 2021. Os números

Read More »
Edifício da JHSF - JHSF3 - Levante Investimentos
E eu com isso

Resultados da JHSF (JHSF3) do 1T21

A JHSF (JHSF3) apresentou nesta quinta-feira (6), após o fechamento do mercado, os seus resultados do primeiro trimestre de 2021. Os números da companhia vieram

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel