marcio bittar eeci

À espera do parecer

O parecer sobre a PEC Emergencial, elaborado pelo senador Márcio Bittar (MDB-AC), continua em negociação entre partidos e, por isso, não foi apresentado oficialmente ao público. Aguardado pelos políticos para possibilitar a nova rodada de pagamentos do auxílio emergencial, o texto deve ser apresentado nesta terça-feira (23), já que alguns pontos polêmicos no parecer trouxeram novos impasses nas negociações para a construção de um consenso para aprová-lo. A votação em primeiro turno no plenário do Senado está marcada para esta quinta (25).

Segundo informações preliminares, o relatório entregue por Bittar permite o pagamento do auxílio emergencial sem contrapartidas fiscais e fora do teto de gastos, da meta primária e da regra de ouro. Os gastos estimados com o auxílio, também não especificados, seriam financiados por meio da abertura de crédito extraordinário – aprovado pelo Congresso.

Governo e Congresso abandonaram a possibilidade de cortar gastos no curto prazo para acomodar as despesas com o auxílio em função da falta de consenso sobre as medidas propostas inicialmente, como o corte no abono salarial, redução em 25 por cento do salário dos servidores públicos e diminuição imediata de incentivos fiscais.

Desse modo, as medidas de ajuste fiscal ficam restritas somente à proibição de aumento no salário de servidores públicos, a realização de novas contratações e de progressões de carreira até 2024 (por mais dois anos) – atualmente, essas medidas já estão em vigor até o fim de 2022. Isso ocorreria em caso de decretação de calamidade pública. Outra medida de redução de despesas será sobre incentivos tributários, mas de maneira diluída: o governo terá seis meses para propor ao Congresso um plano de redução de incentivos para somente 2 por cento do PIB em até oito anos.

Por fim, há a inclusão de mecanismos para o acionamento de gatilhos do teto de gastos em caso de atingimento de 94 por cento das despesas primárias no âmbito de dispêndios obrigatórios.

E Eu Com Isso?

Ao que tudo indica, o parecer chega bastante desidratado para votação, com o auxílio emergencial ficando fora do teto, mas representando um aumento na dívida pública em 2021 – estima-se gastos com o auxílio em torno de 35 bilhões de reais, mas nada impede, no texto, que esse valor seja maior.

Ainda que o mercado tenha tendência positiva no pregão de hoje, após a ressaca desta segunda (22), o desfecho sobre a PEC Emergencial não deve agradar investidores, indo na contramão da proposta inicial de acomodar os novos gastos com o auxílio por meio de corte em outras despesas do orçamento.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia mais: Movimento em Brasília.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - NFT
E eu com isso

Os NFTs são a arte do lucro

NFT parece ser a sigla de um título público. Algo como Notas Financeiras do Tesouro. Nada disso. NFT é a abreviatura de Non-Fungible Tokens, ou

Read More »
Levante Ideias - Dinheiro
E eu com isso

PEC dos precatórios

Nesta quinta-feira (16), a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados votou e aprovou, por 32 votos a 26, a PEC (Proposta

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.