Política sem Aspas, por Felipe Berenguer

Problemas perversos | Política sem Aspas

Bem, já chegamos ao quarto e último trimestre de 2021 – ano que, com o perdão de soar muito clichê, teve um ritmo muito acelerado. Até parece que discutíamos ontem os males da pandemia de Covid-19, ou mesmo cultivávamos aquela ansiedade de chegar a vez para imunizar contra o vírus. Entretanto, o registro da primeira brasileira, a enfermeira Mônica Calazans, a ser vacinada data do dia 17 janeiro.

Talvez pelos tempos estranhos, talvez pela enxurrada de notícias que assolou o mercado financeiro, fato é que este ano foi bastante movimentado. Basta observar a volatilidade da bolsa brasileira e os diferentes temas discutidos pelo mercado, desde a inflação da retomada econômica desigual, passando por crises energéticas globais, CPIs e ruídos políticos, até mesmo a cambaleante janela para abertura de capital de companhias – ora extremamente propícia, ora completamente restrita.

Há quem argumente que esse bombardeio constante de informações e eventos é muito mais sintoma da nossa sociedade contemporânea, cujas informações circulam com celeridade inédita, do que, de fato, maiores agitações de cunho social, político, cultural, econômico e afins.

Acredito, porém, que estamos atravessando tempos realmente difíceis, em que o eixo de atritos saiu do âmbito militar e hegemônico – como foi durante todo o século XX, com sua respectiva coleção de guerras e conflitos armados – e passou para os “wicked problems” (aqui, pego emprestado este conceito que é muito usado na administração pública para descrever nas dificuldades quando da formulação de políticas a partir de informações incompletas, mutáveis e/ou contraditórias). A nova era traz adversários imprevisíveis, imponentes, invisíveis e potencialmente irremediáveis (pelo menos, até que se descubra uma cura). Com eles, problemas perversos (na tradução adaptada) e seus desafios multifacetados.

Tomemos como exemplo a discussão acerca das matrizes energéticas espalhadas ao redor do globo e as recentes carências de recursos como carvão, gás natural e até chuvas. Com o advento das discussões sobre desenvolvimento sustentável e o papel da geração de energia sendo um dos pilares das mudanças apregoadas pela agenda ESG (Environmental, Social and Governance), muitos países passaram a investir em matrizes renováveis com o intuito de acelerar a chamada transição energética – de fontes mais poluentes para aquelas com baixo impacto ambiental.

Considerado um cisne negro, o coronavírus acabou deprimindo fortemente todas as economias globais e, assim como em um efeito-mola, o pós-Covid ficou marcado por uma das mais rápidas e intensas recuperações econômicas. Naturalmente mais líquida, a demanda foi retomada com força, mas a oferta – de dinâmica mais morosa – sofreu com muitos gargalos, especialmente no que se refere às matérias-primas e bens intermediários.

Nesse contexto de desarranjo, uma das limitações ao crescimento se manifestou na energia elétrica e abriu espaço para a subida de tom crítico sobre a agenda ESG. Na base crítica do movimento de transição das matrizes de energia está o argumento de que muitos países comprometidos com metas temporais para tais mudanças ainda estão longe de serem autossuficientes.

Assim sendo, a suposta pressão por uma economia mais sustentável estaria criando um grande problema de oferta de energia, colocando em risco as economias mundiais. É verdadeiro, entretanto, que as súplicas por uma economia mais sustentável e a busca por um crescimento menos predatório já são demandas que atravessam décadas e governos; chuvas e secas; crises e pujanças econômicas.

Aliás, o relatório mais recente do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), órgão ligado à ONU, alerta para a real possibilidade de transgressão dos limites em que efeitos climáticos ainda seriam reversíveis. A própria deterioração das condições dos ecossistemas mundiais retrata bem os desafios latentes do século XXI.

Antes fosse o nosso único wicked problem. Há de se pensar de maneira mais ampla em como chegaremos ao fim deste século em termos geopolíticos: os choques culturais, presentes em um mundo globalizado, trouxeram no passado recente mais embates do que soluções. Se, por um lado, não presenciamos mais guerras de grandes proporções, os conflitos regionais são a nova trilha sonora para o atraso civilizatório e experiências como a Primavera Árabe e as invasões americanas no Oriente Médio ficarão na história como tentativas fracassadas de implementar a democracia liberal na parte oriental do globo.

Aproveitando o gancho sobre democracia liberal e conflitos, um dos sintomas da contemporaneidade também diz respeito aos sistemas de governo e representação política. Segundo estudo do Pew Research Center, realizado em 2019 com cidadãos de 34 diferentes nações dos cinco continentes, 52% dos entrevistados não está satisfeito com a democracia, 64% discordam que os representantes eleitos se importam com o que eles pensam e 50% discordam que o(s) Estado(s) é administrado para o bem de todos.

Na literatura especializada, fala-se em recessão democrática e recessão democrática (ou ainda, de-democratização) como um fenômeno que explica a conjuntura política da atualidade. Na prática, o que vemos é a preferência do eleitorado migrar para líderes populistas, independentemente de posição no espectro político, retroalimentando uma agenda antidemocrática e anti pluralista (ver Bauer e Becker).

São trinta anos desde o fim da União Soviética, que decretou a vitória do projeto estadunidense de poder e conferiu aos EUA a hegemonia geopolítica global. Três décadas é um período muito curto, mas nesse caso foi suficiente para colocar em xeque o modelo americano de sociedade – inclusive temos a prova empírica para chamar de nossa, vide os 33 anos de Constituição Federal e o caráter (ainda) neófito da democracia brasileira.

Além da frustração geral com o “sonho americano”, o poderio americano também encontra-se ameaçado já há algum tempo, com a gigantesca China crescendo a números descomunais e um governo centralizado, autoritário e muito ambicioso. Esse é, talvez, o maior risco político do século XXI: até quando as duas potências poderão conviver?

Tudo isso sem falar nos tradicionais problemas perversos que surgiram no seio da nossa sociedade moderna e persistem até hoje: miséria, intolerância e preconceito, fome crônica e desigualdade de oportunidades – apenas para citar alguns. Vale lembrar que John Rawls, professor de filosofia da Universidade de Harvard e um dos maiores pensadores do século passado, nasceu exatamente há 100 anos (!!!) e, há 50 anos, lançava o disruptivo tratado dedicado aos fundamentos morais da justiça distributiva, Uma Teoria da Justiça.

Engana-se quem não observa estas incertezas com uma lente abrangente. Apesar do tom mais abstrato do artigo de hoje, é bom ressalvar que, inseridos em uma dinâmica econômica globalizada e sujeitos a riscos – sejam eles sistêmicos ou diversificáveis –, mercados financeiros têm muito a ver com o que será do século XXI.

Os mais céticos afirmariam que a contradição desta nova página da história está justamente ilustrada pelos tratados, descobertas, pesquisas e todos os outros avanços intelectuais: nunca tivemos tanta dificuldade em progredir com tanto insumo disponível. Prefiro olhar para o copo meio cheio a partir da gigantesca barreira vem sendo, aos poucos, superada: o coronavírus, em que pese seus estragos – irreversíveis, em muitos casos – foi mais um teste para o atual sistema, que se provou resiliente quando posto sob estresse.

Leia a minha última coluna para ficar por dentro do que movimenta Brasília: O embate tucano | Política sem Aspas.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.