domingo

Warren Buffet também erra como investidor

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Dessa vez, o sábio de Omaha, Warren Buffet, não teve boas histórias para contar na tão esperada ‘Carta aos Acionistas da Berkshire Hathaway’, publicada em 23 de fevereiro. O documento veio magrinho, com apenas 14 páginas, onde a referência do Value Investing tenta explicar o desempenho da sua famosa empresa de participações.

Deu ruim na Kraft Heinz

A Kraft Heinz divulgou o seu balanço de 2018. A empresa americana relatou uma perda de US$ 15 bilhões devido à uma redução no valor dos seus ativos, cortou o pagamento de dividendos e revelou que está sendo investigada pela comissão de valores mobiliários dos Estados Unidos (SEC) sobre suas práticas contábeis. Com isso, as ações tiveram queda de 27,5% na bolsa de valores dos EUA em 25 de fevereiro.

Warren Buffet investiu na fusão Kraft-Heinz em 2015

A Berkshire Hathaway e o fundo de investimentos brasileiro 3G Capital investiram na fusão da Kraft Heinz em 2015, que na época chegou a valer US$ 89 bilhões na bolsa de valores. Hoje, a companhia está valendo apenas US$ 41,7 bilhões. A Berkshire tem 26,7% de participação na Kraft Heinz.

“Pagamos demais pela Kraft Heinz”

A queda no preço das ações da Kraft Heinz fez a Berkshire Hathaway perder US$ 4,3 bilhões em valor de mercado. A empresa reconheceu uma perda (não caixa) de US$ 3 bilhões no seu resultado do quarto trimestre de 2018.

Warren Buffet admitiu o seu erro sobre algumas coisas no investimento na empresa Kraft Heinz: “Se você paga demais, você paga demais e isso não muda.”

Aqui tem a entrevista da completa do Warren Buffet à CNBC

O sonho grande da 3G de Jorge Paulo Lehman está ficando menor

Ao ser perguntado sobre o sócio da Berkshire Hathaway na Kraft Heinz, o fundo brasileiro 3G, de Jorge Paulo Lehman, Warren Buffet afirmou: “é um ser humano absolutamente extraordinário”, mas não respondeu se a Berkshire voltaria a negociar com o 3G.

As empresas do fundo brasileiro 3G (AB Inbev, Kraft Heinz e Burger King) já não são mais a referência em termos de liderança de mercado, eficiência e retorno sobre o capital. Essa queda pode ser sentida no valor de mercado das três gigantes multinacionais, que valiam US$ 301,3 bilhões há 12 meses atrás e agora tem valor de mercado de US$ 209,3 bilhões, uma queda de 30% no valor de mercado.

Poder da marca e eficiência não são mais suficientes

O que aconteceu com a Kraft Heinz? As suas marcas tradicionais sofreram com a concorrência de marcas próprias das grandes varejistas, como Amazon e Walmart, e falharam em se adaptar às rápidas mudanças nos hábitos de consumo.

Os clientes estão em busca de produtos diferentes e inovadores, os seus hábitos de compras são muito mais erráticos e a logística da entrega é muito importante.

Ao ser perguntado sobre como as suas empresas enfrentam as inovações, Jorge Paulo Lehman respondeu:

“Eu sou um dinossauro apavorado. De repente, nós estamos sendo sofrendo mudanças transformacionais de todas as formas. Se você vai a um supermercado, vê centenas de novas marcas na prateleira. O cliente já não quer sair mais de casa, quer tudo entregue na casa dele”.

O modelo de gestão da 3G sempre foi baseado em aquisições

O estilo de gestão da 3G sempre foi muito agressivo, com crescimento de vendas e aumento de margens de lucro somente através de aquisições: corte de custos e ganhos de sinergia ao incorporar as empresas adquiridas. A empresa tem dificuldade em crescer organicamente e enfrentar as inovações tecnológicas da concorrência.

Importante é acertar mais do que errar

Não existem investidores infalíveis. Qualquer gestor e/ou especialista de ações vai acabar cometendo algum erro nos investimentos no futuro – e isso faz parte do jogo. Afinal, até mesmo Warren Buffet acabou fazendo um investimento equivocado. Um portfólio de ações bem-sucedido precisa ser equilibrado, ter mais acertos do que erros e os erros não podem ser muito grandes.

Aniversário de um ano da Levante

Essa semana a Levante Ideias de Investimentos completou um ano de vida. O desempenho das séries de ações foi excelente nestes 12 meses desde 28 de fevereiro de 2018. A carteira Dividendos teve retorno total de 31,4% e As Melhores Ações se valorizou 27,1%, comparado ao retorno de 13,1% do Ibovespa no período. Para comemorar o bom resultado, estamos aqui com uma oferta especial de aniversário: 40 por cento de desconto + acesso ao cursoPrimeiros Passos do Grande Investidor. Clique aqui para aproveitar

Minha missão é te ajudar a entender mais sobre investimentos em ações, através do Value Investing e da análise fundamentalista de empresas. Por isso, continue acompanhando a minha coluna e não esqueça: se você ficou com alguma dúvida, é só mandar um e-mail para o endereço eduardo.guimaraes@levante.com.br.

Conte comigo e bons lucros em 2019.

Um grande abraço,

Eduardo Guimarães

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Recomendado para você

A Levante traz as melhores ideias de investimento

Arriscar ou ser conservador?

Por Denis Matheus, auditor sênior Está em dúvida entre comprar uma bicicleta ou casar? Este questionamento no mundo dos investimentos é muito mais comum do

Detox financeiro

Os últimos textos da newsletter tiveram um claro enfoque no governo Bolsonaro e, principalmente, na reforma da Previdência. Na semana passada, fiz uma análise (na maior sobriedade

Fechar Menu

Fechar Painel