capa-defi

O que é DeFi

Introdução

O mundo dos criptoativos muitas vezes pode passar a impressão de que se baseia somente na variação das moedas digitais. Além disso, muitas vezes o foco está apenas no Bitcoin, quando é possível ter ganhos com outras criptomoedas.

Contudo, ao fazer uma análise mais profunda deste mercado, podemos analisar que há outros meios com potenciais de crescimento e que podem proporcionar mudanças na economia em geral.

Neste relatório, seguindo na linha de ecossistemas que ainda possuem grande espaço para desenvolvimento e que pode oferecer soluções para diferentes problemas acerca do mercado financeiro, vamos comentar sobre DeFi, sigla para Decentralized Finance (Finanças Descentralizadas, em português).

 

O que é DeFi?

Hoje, todo o nosso sistema bancário é centralizado (Centralized Finance – CeFi) por bancos, bolsas de valores, seguradoras e resseguradoras, que possuem suas operações centralizadas em uma empresa ou em uma pessoa que controla e oferece esses serviços.

Todos esses serviços centralizados possuem alguns riscos inerentes, como, por exemplo, falta de gerenciamento, falta de controles internos, fraudes e possíveis corrupções.

Então, é neste momento que surge a pergunta: e se fosse possível descentralizar o sistema financeiro?

Somente como resgate de memória, importante relembrar que o Bitcoin, principal criptomoeda do mercado, não é controlada por nenhum governo e pode ser transferida para qualquer pessoa sem um terceiro intermediário. Assim, caracteriza-se como uma forma de dinheiro descentralizado.

Portanto, agora é o momento de entender o que é DeFi.

DeFi é o termo usado para serviços financeiros onde não há uma autoridade central, e que utilizam dinheiro descentralizado, como criptomoedas, que são programadas para execuções automáticas em que é possível construir corretoras, seguradoras e outras organizações para serviços diversos que não possuem nenhuma pessoa controlando.

Em outras palavras, o DeFi tem uma premissa de remover o intermediador no campo dos serviços financeiros, como bancos, corretoras e outras instituições. Ou seja, as plataformas DeFi permitem que os investidores, financiadores, tomadores de empréstimo, vendedores e compradores negociem e interajam entre si diretamente.

A principal rede descentralizada deste ecossistema que opera por meio de contratos inteligentes é a Ethereum. Contudo, o ecossistema ainda não comporta todos os usuários interessados. devendo passar por atualizações para integrar todos.

A seguir, entenda quais são os componentes necessários para a criação de um sistema de finanças descentralizado.

Infraestrutura

A infraestrutura serve para programar e construir os serviços decentralizados. A Ethereum, que é uma plataforma de desenvolvimento, já permite isso, pois trata-se de uma infraestrutura na qual é possível programar aplicações descentralizadas (decentralized apps – Dapps).

Utilizando a Ethereum, é possível escrever linhas de código de programação, também chamadas de smart contracts. Os smart contracts permitem a criação de regras de execução referentes à como um determinado serviço vai funcionar, e uma vez realizado o deploy, ou seja, a instalação na rede da Ethereum, essas regras tornam-se imutáveis.

O dinheiro

Uma moeda, ou seja, dinheiro para circular nesse sistema financeiro. Nesse caso, pode surgir a dúvida: por que não utilizar Bitcoin? Ou até mesmo Ether, que é a moeda da rede Ethereum?

Como o Bitcoin foi a primeira criptomoeda, ele possui funcionalidades que não são compatíveis com a rede Ethereum. Por outro lado, o Ether é compatível e programável, mas é muito volátil. Para construir um sistema financeiro, é necessária uma moeda estável em suas operações, como as stablecoins.

Stablecoins são criptomoedas lastreadas em outras classes de ativos, como o dólar americano. Porém, para finanças descentralizadas, o ideal não é utilizar stablecoins lastreadas em moedas estatais, pois elas querem uma autoridade central para controlar as entradas e saídas em termos de quantidade de moeda.

A criptomoeda DAI é descentralizada, lastreada em dólar americano, ou seja, 1 DAI = 1 USD, e, diferente de outras stablecoins, cujo valor está ligado a reservas em dólar, a DAI é lastreada pela garantia indireta dos próprios usuários, que pode ser vista e consultada diretamente pela blockchain da Ethereum. Você também pode adquirir moedas DAI diretamente pelas Exchanges, sem precisar converter para ETH primeiro.

Em resumo, a DAI atua como um smart contract que reside na rede da Ethereum, o que torna a DAI uma stablecoin verdadeiramente descentralizada, que não pode ser censurada ou controlada. Portanto, é a forma de dinheiro perfeita para serviços de finanças descentralizadas.

Corretoras (Exchanges) descentralizadas

Essas Exchanges são conhecidas como DEX (Decentralized Exchange). Essas corretoras permitem que os usuários comprem, vendam e transacionem criptomoedas.

Assim como a moeda DAI, essas Exchanges também são construídas na plataforma da Ethereum, ou seja, elas operam sem uma entidade centralizadora.

Farming

Uma parte do mercado financeiro também é composta por serviços que permitem empréstimos entre pessoas ou instituições. Compound é uma aplicação descentralizada (Dapps), construída na rede da Ethereum, que permite com que usuários façam empréstimos.

Ou seja, através dessa aplicação, você pode emprestar suas criptomoedas e ganhar juros sobre esse empréstimo. Você também pode solicitar empréstimos utilizando fundos de criptomoedas.

A plataforma Compound automaticamente conecta usuários que emprestam e que pedem empréstimos, garante o cumprimento dos termos do contrato e distribui os juros sobre esses empréstimos. O processo de ganhar juros sobre empréstimos de criptomoedas ficou popularmente conhecido como yield farming.

Conclusão

As finanças descentralizadas é um campo ainda tímido, mas que todos devemos ficar de olho, visto seu enorme potencial de crescimento com o desenvolvimento de novas tecnologias.

Por fim, as DeFi podem oferecer uma série de soluções para contribuir com a evolução do mercado financeiro, que hoje possui aspectos negativos que podem ser solucionados, como a burocracia, por exemplo.

 

DISCLAIMER
Este relatório foi elaborado pela Levante Ideias de Investimentos e o uso é exclusivo de seu assinante, estando protegido pela Lei de Direitos Autorais. Este conteúdo não pode ser reproduzido, copiado ou distribuído, no todo ou em parte, a terceiros, sem prévia e expressa autorização.

Este documento tem como objetivo somente informar os leitores e não tem a finalidade de assegurar, prometer ou sugerir a existência de garantia de resultados futuros ou isenção de risco para os leitores. O documento não tem o cunho de ofertar, negociar, comercializar ou distribuir títulos ou valores mobiliários ou qualquer outro instrumento financeiro.

As decisões de investimentos devem ser realizadas pelo próprio leitor.

O analista responsável poderá esclarecer dúvidas de seus leitores através de vídeos ou relatórios que serão enviados simultaneamente aos assinantes, mantendo e garantindo a isonomia de informações.

As informações deste relatório foram baseadas em fontes públicas e consideradas fidedignas na data de publicação, e estão sujeitas a mudanças, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação com respeito a tal mudança.

Conforme o artigo 20, parágrafo único da ICVM 20/2021, a analista Rafael Bevilacqua declara-se inteiramente responsável pelas informações e afirmações contidas neste relatório de análise.

Nos termos do artigo 21 da ICVM 20/2021, os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram que as recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente e autônoma.

Também nos termos do artigo 21 da ICVM 20/2021 informamos que o analista Rafael Bevilacqua possui 40.000 ações da Via (VIIA3) adquiridas no dia 11 de novembro. A aquisição foi realizada respeitando o artigo 13 da ICVM 20/2021 e as regras de compliance da Levante.

Os valores mobiliários não contam com garantia do Fundo Garantidor de Crédito – FGC.

A reprodução, cópia ou distribuição deste conteúdo, no todo ou em parte, implicará ao infrator sanções cíveis e criminais, incluindo a obrigação de reparação de perdas e danos causados, nos termos dos artigos 102 e seguintes da Lei 9.610/98.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.