elon eeci

Tesla compra Bitcoin

A Tesla (TSLA) publicou nesta segunda-feira (8) o seu Formulário 10-K, relatório anual obrigatório emitido por todas as companhias de capital aberto nos Estados Unidos. No capítulo sobre riscos, a companhia informou que modificou em janeiro deste ano a sua política de investimentos para permitir a alocação em “ativos de reserva alternativos”, tais como ouro, fundos lastreados em ouro e ativos digitais. Logo na sequência, ela anunciou que adquiriu cerca de 1,5 bilhão de dólares em Bitcoins.

Ela também anunciou que pretende aceitar em breve a moeda como meio de pagamento nos seus negócios, observando as “leis aplicáveis” e apenas em uma “escala limitada”.

Contabilmente, a Tesla terá que classificar o investimento no balanço como um “Ativo Intangível de Vida Indefinida”. Na prática, isso significa que ela terá que marcar o ativo a mercado em toda divulgação e realizar os ajustes necessários nos seus resultados, o que pode influenciar nas suas margens operacionais em caso de queda no nível de preços do Bitcoin.

E Eu Com Isso?

Na sessão desta segunda-feira (8), as ações da Tesla (TSLA) apresentaram uma performance acima do índice S&P 500: alta de 1,3 por cento contra 0,74 por cento. O anúncio também gerou euforia na cotação do Bitcoin, que fechou em alta de 14,2 por cento. Ao que tudo indica, o movimento de alta deve continuar nesta terça-feira (9).

Enxergamos a nova política de investimentos da Tesla bastante ousada, em consonância com o estilo de gestão Elon Musk. Na nossa visão, porém, a necessidade de realizar revisões periódicas no valor do ativo pode gerar volatilidade nas suas margens no futuro. Embora não tenha efeito-caixa, essa questão tem potencial de atrapalhar a interpretação do mercado em seus números.

Por exemplo: caso o preço do Bitcoin caia 20 por cento desde o momento da compra até o fim deste trimestre, a Tesla terá que passar 300 milhões de dólares no seu resultado na linha de despesas. Isso poderia reduzir a sua margem operacional em aproximadamente 3 por cento em determinado trimestre.

Sobre a sua utilização enquanto na “economia real”, seguimos reticentes com seu uso enquanto moeda. Os livros de economia monetária nos ensinam as funções básicas de uma moeda: unidade de conta – e isso ela é, reserva de valor e meio de troca. Sobre estas duas últimas funções, ainda não enxergamos a sua capacidade em atender de forma plena tais requisitos.

A elevada volatilidade do ativo reduz a sua capacidade de reservar valor, o que também pode desincentivar o seu uso enquanto meio de troca no futuro. Na nossa visão, foi justamente a perspectiva de ela ser utilizada em breve por uma companhia de grande relevância e o incentivo de um dos empreendedores mais conhecidos no mundo que animaram os investidores.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia também: Ações da Gamestop recuam.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - NFT
E eu com isso

Os NFTs são a arte do lucro

NFT parece ser a sigla de um título público. Algo como Notas Financeiras do Tesouro. Nada disso. NFT é a abreviatura de Non-Fungible Tokens, ou

Read More »
Levante Ideias - Dinheiro
E eu com isso

PEC dos precatórios

Nesta quinta-feira (16), a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados votou e aprovou, por 32 votos a 26, a PEC (Proposta

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.