reforma da previdência

Renegociação de dívidas estaduais

Na última semana de atividades legislativas de 2020, a Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei Complementar (PLC) 101/20, que muda as regras para os Estados refinanciarem suas dívidas, desde que se comprometam com ajustes fiscais em suas contas. A proposta foi aprovada por 381 votos a 57 e agora segue para o Senado.

O texto prevê novo refinanciamento de valores que deixaram de ser pagos à União por conta do refinanciamento efetuado em 2017. À época, dezoito Estados aderiram ao programa, mas somente São Paulo e Minas Gerais cumpriram o teto de gastos nesses últimos anos, o que implicaria na saída da grande maioria dos Estados do refinanciamento e aumentaria os pagamentos já em 2021. O total dos desvios das metas nos Estados que descumpriram o teto nos últimos dois anos chegou a 23,5 bilhões de reais, enquanto o estoque das dívidas gira em torno de 630 bilhões de reais.

Com o novo projeto, o prazo de adesão ao programa de pagamento (que prevê até 30 anos – antes, eram 20 – para que estados quitem suas obrigações com a União) foi reaberto e expira somente no fim de junho de 2021. Até essa data, a União não poderá revogar o prazo de refinanciamento e exigir os valores atrasados, mesmo dos estados que não cumpriram com as contrapartidas exigidas.

Além disso, o texto também autoriza governadores e prefeitos a ampliarem seus empréstimos, mediante a realização de outras contrapartidas fiscais, e que estados com maior dificuldade financeira suspendam o pagamento da dívida no curto prazo, também mediante duros ajustes nas contas públicas. Estados em situação emergencial, por exemplo, (RS, MG, GO e RJ), entrarão no Regime de Recuperação Fiscal e poderão ficar nove anos sem pagar suas dívidas com a União. Por outro lado, terão de cumprir oito medidas, entre elas privatizações, redução de 20 por cento dos incentivos fiscais, revisão do regime jurídico de servidores e criação de um regime de previdência complementar.

E Eu Com Isso?

O PLC 101/20 advém do Plano Mansueto de recuperação fiscal, um projeto robusto e necessário para combater a grave situação das contas públicas estaduais em grande parte dos entes subnacionais. O projeto aprovado é mais leniente com estados e municípios, mas ainda sim representa importante avanço para retificar suas trajetórias fiscais.

O que não pode ocorrer, porém, é a perpetuação dessas renegociações – o acordo feito com a União em 2016 foi descumprido pela maioria dos entes e, agora, foi dada uma segunda oportunidade para que ambos os lados – governo federal e governos estaduais – consigam cumprir com suas obrigações. Para continuar no programa de pagamento da dívida, governos terão de se comprometer, novamente, a não elevar despesas totais acima da inflação até 2023 – de 2016 para cá, apenas 2 dos 18 estados conseguiram cumprir a promessa.

A notícia é levemente positiva para os mercados, na medida em que traz uma nova rodada de ajustes fiscais para os entes subnacionais. Contudo, o projeto precisa do aval do Senado ainda.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia mais: A retomada da atividade

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - NFT
E eu com isso

Os NFTs são a arte do lucro

NFT parece ser a sigla de um título público. Algo como Notas Financeiras do Tesouro. Nada disso. NFT é a abreviatura de Non-Fungible Tokens, ou

Read More »
Levante Ideias - Dinheiro
E eu com isso

PEC dos precatórios

Nesta quinta-feira (16), a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados votou e aprovou, por 32 votos a 26, a PEC (Proposta

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.