Real brasileiro

Recalculando o PIB

A divulgação do IBC-Br, indicador calculado pelo Banco Central (BC) que funciona como uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), estimulou um recálculo dos prognósticos para o desempenho da economia brasileira. O IBC-Br divulgado na quinta-feira (13) indicou uma retração de 1,59 por cento na atividade econômica em março na comparação com fevereiro. Na comparação com março de 2020, o crescimento da atividade econômica foi de 5,39 por cento, considerando-se ambos os dados com ajuste sazonal.

Apesar da queda no IBC-Br, a primeira retração mensal registrada pelo BC desde abril de 2020, o resultado veio melhor que o esperado. O temor dos investidores era que a volta das medidas de restrição em março tivesse prejudicado muito mais a economia. O resultado, apesar de ser uma retração, mostrou uma resiliência da atividade econômica. Ao longo da semana passada, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou quedas menos intensas na atividade nos setores industrial e comercial referentes ao mês de março. Em contrapartida, a queda de 4 por cento no nível de atividade do setor de serviços mostra como as medidas de restrição seguem penalizando esse segmento importante para a economia.

Mesmo assim, o IBC-Br provocou um movimento de recálculo das estimativas para o PIB do primeiro trimestre, que deverá ser divulgado no dia 1º de junho pelo IBGE. Apesar de a edição mais recente do Relatório Focus trazer uma estimativa de crescimento de 3,2 por cento, a continuidade da vacinação poderá fazer com que a economia apresente um resultado acima disso neste ano. Apesar da “maldade estatística” – o fato de o crescimento ser, em boa parte, a recuperação do terreno perdido no ano passado – os números poderão surpreender positivamente os investidores. A conferir na próxima edição do Relatório Focus, a ser divulgada na próxima segunda-feira (17).

Cenário Internacional

Enquanto se recalculam as estimativas para o PIB brasileiro, a grande questão no mercado global é até quando vai a tolerância do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) com a inflação em alta. Na quarta-feira (12), o índice de preços ao consumidor (Consumer Price Index, CPI) indicou uma alta de 0,8 por cento em abril, muito acima do 0,2 por cento que era o consenso do mercado, e superior aos 0,6 por cento registrados em março. A inflação acumulada em 12 meses subiu para 4,2 por cento, superando as projeções de 3,6 por cento. E na quinta-feira (13), o Índice de Preços ao Produtor (Producer Price Index, PPI) indicou uma alta nos preços do atacado de 0,60 em abril, acima dos 0,30 por cento projetados. A variação em 12 meses foi de 6,2 por cento, acima dos 5,9 por cento esperados. A primeira reação foi uma alta nos treasuries de 10 anos, indicando expectativas de aumento dos juros pelo Fed. No entanto, na própria quinta-feira, o novo membro do conselho do Fed, Christopher Waller, afirmou que o banco central precisaria de mais vários meses de dados antes de avaliar o progresso econômico, o que reduziu os temores. Mesmo assim, a atitude futura do Fed permanece uma incógnita.

Impactos no Mercado

A semana se encerra com um sentimento bastante positivo no mercado, devido à melhora das expectativas para a economia. Tanto os contratos futuros de Ibovespa quanto os contratos do índice americano S&P 500 começam o dia com altas de 0,9 por cento, indicando um movimento positivo.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia também: Sinais de resistência econômica | Denise Campos de Toledo.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Câmara dos Deputados
E eu com isso

Rumo ao plenário

Na esteira do que antecipamos nesta quinta-feira (23), a comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 32/2020, que

Read More »
Levante Ideias - Bitcoin China
E eu com isso

BC chinês proíbe criptomoedas

A semana está terminando como começou, com notícias da China provocando turbulências no mercado financeiro. A diferença, desta vez, é que a volatilidade está ocorrendo

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.