CEA-EECI

Possível venda do controlador da C&A

Segundo informações de mercado, a família Brenninkmeijer, controladora do Grupo C&A, planeja vender a sua parcela remanescente de 65,3 por cento no capital da C&A Brasil (CEAB3), em um movimento semelhante às vendas realizadas recentemente no México e na China.

A varejista holandesa opera em mais de 18 países, sendo a maioria deles na Europa. Este interesse em se desfazer das operações brasileiras reforçam a estratégia da companhia em focar a sua atuação em território “mais próximo de casa”.

A C&A Brasil realizou seu IPO no fim de outubro de 2019. Metade da oferta foi secundária, com os fundos da família controladora (Incas e Cofra) reduzindo a sua participação na companhia de 100 por cento para 65 por cento. Agora, a ideia é se desfazer totalmente do controle e da posição na empresa.

Desde o primeiro fechamento da CEAB3 pós IPO, em 29/10/2019, as ações acumulam desvalorização de 23,7 por cento, enquanto o Ibovespa apresenta perdas de 9,1 por cento. O interesse atual em vender a companhia, mesmo com a desvalorização das ações por conta do contexto pandêmico, indica alguma pressa por parte dos controladores.

Em algum grau, a notícia não chega a ser novidade  devido aos recentes movimentos realizados na China e no México e está em linha com a estratégia global da C&A. Além disso e, por um lado, o impacto na composição acionária da CEAB3 poderia ser categoricamente benéfico, com aumento da parcela das ações em livre negociação (free float).

Ademais, um possível novo controlador mais comprometido com a operação da C&A no Brasil poderia acelerar o processo de virada operacional (turnaround) necessário no momento, aumentando a área de vendas com abertura de novas lojas e crescimento das vendas nas lojas maduras, com investimentos no varejo eletrônico da marca.

Já por outro lado, muito provavelmente, o futuro comprador terá que pagar royalties pelo uso da marca no Brasil, o que reduzirá a competitividade da marca. Ou seja, a companhia terá uma despesa que as concorrentes não possuem, fator relevante em especial em um setor como o de varejo de moda, extremamente concorrido e com margens apertadas.

Acreditamos que, no curto prazo, o tom positivo da possível venda deva prevalecer e, por conta disso, esperamos impacto positivo no preço da CEAB3 na sessão desta segunda-feira (19).

O quadro societário da C&A conta com alguns acionistas minoritários “de peso” como a XP Asset, a Verde Asset e o Banco Itaú.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Eletrobras
E eu com isso

A última votação

Com a aprovação da Medida Provisória 1.031/21 no Senado Federal, na semana passada, a privatização da Eletrobras está praticamente garantida do ponto de vista legislativo,

Read More »
Levante Ideias - Banco Central
E eu com isso

Refazendo as contas dos juros

A semana se inicia com os investidores tendo de enfrentar uma dúvida: o que as sinalizações do BC (Banco Central) e do Federal Reserve (Fed,

Read More »
Levante Ideias - Banco Votorantim
E eu com isso

Venda do Banco Votorantim

Após ter seu IPO adiado pela segunda vez em 2021, o Banco Votorantim, recém rebatizado de BV, gerou especulações quanto a uma possível venda para

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel