como a bolsa de valores funciona

Otimismo à toda prova

A semana começa com um respiro otimista nos mercados, tanto o brasileiro quanto os internacionais. Os contratos futuros de Ibovespa e do índice americano S&P 500 iniciam o penúltimo pregão do primeiro semestre em alta, seguindo a tendência europeia. Apesar do aumento do número de contaminações pelo coronavírus nos Estados Unidos, a trajetória dos preços dos ativos permanece ascendente.

A explicação para isso é a resiliência da economia devido às medidas de estímulo orquestradas pelos principais bancos centrais. Com recursos abundantes e juros baixos é mais fácil sustentar os preços dos ativos. Além disso, a aproximação das férias de verão no Hemisfério Norte – cujo início costuma coincidir com o feriado americano do 4 de julho – reduz a temperatura do noticiário, facilitando a estabilização dos preços.

No Brasil, apesar das incertezas da política (leia mais abaixo), há boas notícias. A confiança dos empresários continua melhorando. Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), o Índice de Confiança da Indústria (ICI) de junho subiu 16,2 pontos para 77,6 pontos. Foi a maior alta mensal desde o início da série histórica. Todos os 19 segmentos industriais pesquisados tiveram aumento da confiança. Este resultado é atribuído à redução do pessimismo dos empresários sobre a produção nos próximos três meses. O indicador de produção prevista saltou de 46,9 pontos para 82,9 pontos, recuperando 48,3 pontos desde maio, ou 71 por cento do que foi perdido entre janeiro e abril.

A edição mais recente do Boletim Focus, do Banco Central (BC) mostra que as expectativas para a taxa referencial de juros de 2020 voltaram a cair. O prognóstico é de uma taxa Selic de exatos 2 por cento ao ano em dezembro, levemente abaixo dos 2,25 por cento previstos na edição anterior. O desempenho esperado para a economia piorou levemente. Agora, os prognósticos para o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) de 2020 são de uma retração de 6,54 por cento, ante a queda de 6,50 por cento esperada na edição anterior.

INDICADORES – A FGV informou também o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) de junho. A inflação medida por esse índice subiu 1,56 por cento, acima dos 0,28 por cento de maio. O índice acumula alta de 4,39 por cento no ano e de 7,31 por cento em 12 meses. Em junho de 2019, o índice havia subido 0,80 por cento e acumulava alta de 6,51 por cento em 12 meses. Boa parte da alta deveu-se aos preços da gasolina, que deixaram de cair. Após recuar 8,59 por cento em maio, a gasolina ficou 0,40 por cento mais cara em junho.

O cenário permanece positivo. Apesar de não se descartar um aumento pontual da volatilidade devido à aproximação do fim do mês, do trimestre e do semestre (historicamente positivo, todos os bancos e fundos do mundo querem melhorar a performance aos 45 minutos do segundo tempo), a trajetória das ações segue positiva.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Tempos de paz

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

Resultados do 2T20 da CVC

A CVC (CVCB3) apresentou nesta segunda-feira (20), após o fechamento do mercado e com atraso, seus resultados do segundo trimestre de 2020. Como era de

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte I

No Comentário de nº 9 da Instituição Fiscal Independente, “Considerações sobre o teto de gastos da União”, Felipe Salto, Daniel Couri e Josué Pellegrini recortam

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel