oi

Oi recebe proposta

As empresas de telecomunicações Claro, TIM (TIMP3) e Vivo (VIVT4) informaram no último sábado (18) que apresentaram uma oferta conjunta para comprar o negócio de telefonia móvel da Oi (OIBR3/OIBR4).

A oferta conjunta está sujeita a algumas condições. Uma delas é o reconhecimento de que as três empresas são as primeiras proponentes, o que permite que elas tenham o direito de cobrir outras propostas que eventualmente forem feitas.

Os fatos relevantes publicados no último fim de semana pela Oi e por cada uma das companhias ofertantes não deram mais detalhes sobre a oferta.

Além disso, a Oi também confirmou o recebimento de uma proposta da Highline do Brasil II Infraestrutura de Telecomunicações para a aquisição de suas torres de transmissão de radiofrequência por 1,076 bilhão de reais, valor em linha com o esperado de acordo com o plano de recuperação da companhia. Trata-se de proposta vinculante, irrevogável e irretratável.

A concretização do interesse de Claro, Tim e Vivo é uma excelente notícia para a Oi à medida em que a venda de seus ativos móveis é um dos passos mais importantes para o sucesso de seu turnaround e uma possível saída do estado de Recuperação Judicial. Sendo assim, esperamos impacto positivo no preço das ações (OIBR3, OIBR4) no curto prazo. 

Em junho deste ano, a empresa anunciou o plano de dividir sua operação em quatro unidades de negócio, abrindo espaço para a venda separada dessas unidades. Uma delas é a de ativos de telefonia móvel. Na época, a companhia divulgou que essa unidade valeria, no mínimo, 15 bilhões de reais.

Havia um receio de que as três companhias se organizassem em uma espécie de cartel e obrigassem a Oi a aceitar uma oferta ruim e hostil, desfavorável diante da eventual ausência de outras propostas. No entanto, as declarações das companhias têm sido no sentido de respeito à recuperação judicial e celeridade, sem demonstrarem a intenção de pagarem abaixo do valor justo pelos ativos. 

Por isso, apesar da ausência de detalhes nos fatos relevantes publicados pela companhia, acreditamos que o valor de 15 bilhões de reais deve servir de base para a oferta conjunta de Claro, Tim e Vivo.

Além disso, a compra e posterior divisão dos ativos móveis entre as três companhias minimiza a chance de veto antitruste por parte do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Na semana passada, a Oi já havia anunciado duas notícias positivas. A primeira é que a companhia quer liquidar o saldo devedor das suas dívidas com os bancos e com as agências de crédito à exportação (ECAs) com descontos de 60 por cento no valor de face. A segunda é que a empresa quer reduzir em 50 por cento o valor da sua dívida com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), cujo montante devido é de aproximados 12 bilhões de reais.

O processo de renegociação de dívidas e venda de ativos é essencial para a Oi recuperar a sua capacidade de investimento. A companhia busca se tornar a maior provedora de infraestrutura de telecomunicações do Brasil a partir de investimentos em fibra óptica, o que – em tese – daria à companhia um papel relevante na massificação do 5G no país.

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

tipos de ações da bolsa de valores
Artigos

Empresas preparam IPOs

Nas últimas semanas, o número de prospectos de IPO protocolados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aumentou em quase dez, com as companhias “aspirantes” ao

Read More »
Artigos

Resultados da WEG

A Weg (WEGE3) apresentou nesta quarta-feira (21), antes da abertura dos mercados, os seus resultados referentes ao 3T20. Os números vieram bons e acima das

Read More »
Artigos

Resultados do 2T20 da CVC

A CVC (CVCB3) apresentou nesta segunda-feira (20), após o fechamento do mercado e com atraso, seus resultados do segundo trimestre de 2020. Como era de

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte I

No Comentário de nº 9 da Instituição Fiscal Independente, “Considerações sobre o teto de gastos da União”, Felipe Salto, Daniel Couri e Josué Pellegrini recortam

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel