oi

Oi aceita oferta

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

As companhias do setor de telecomunicações anunciaram nesta segunda-feira (7) que a Oi (OIBR3) aceitou a proposta de 16,5 bilhões de reais realizada pelo bloco formado pela TIM (TIMP3), Vivo (VIVT4) e Claro pelo seu negócio de telefonia móvel, chamado de UPI móvel. Do total, 756 milhões de reais referem-se a serviços de transição a serem prestados pela Oi por um prazo até 12 meses às compradoras.

Segundo o fato relevante oficial emitido pelas companhias, foi acrescentada a oferta um de um termo de compromisso de prestação de serviço de capacidade de transmissão com a Oi na forma de take or pay, ou seja, com pagamento independente do interesse das compradoras pelo serviço no futuro. De acordo com a Oi (OIBR3), o Valor Presente Líquido (VPL) deste serviço é de 819 milhões de reais.

Com isso as companhias brasileiras passam a deter o direito de “primeiro proponente”, o que significa a prerrogativa de cobrir a melhor oferta no leilão pelos ativos que estão sendo negociados.

Todos os termos da oferta passarão pelo crivo da Assembleia Geral dos Credores (AGC) da recuperação judicial, a ser realizada nesta terça-feira (8) 
de forma virtual.

Curiosamente, a notícia é positiva para todas as empresas do setor e esperamos impacto positivo no preço das ações VIVT3/VIVT4, TIMP3 e OIBR3/OIBR4 no curto prazo. Ademais, esperamos que o desempenho das ações da TIM (TIMP3) seja superior ao das demais na sessão de hoje, dada a sua atuação quase que exclusiva no mercado de telefonia móvel no Brasil.

No ano as ações da Oi (OIBR3) sobem 114 por cento, enquanto a TIM (TIMP3) recua 5,3 por cento e a Vivo (VIVT4) tem perdas de 12 por cento, comparada à queda de 12,5 por cento no Ibovespa no período.

A primeira oferta realizada pelo bloco de 15 bilhões de reais enviada em meados de julho, foi superada dias depois pela Highline, que obteve também o direito de preferência. Contudo, o bloco realizou uma nova oferta pelos ativos no total de 16,5 bilhões de reais, e a Highline, que não cobriu a oferta, também viu seu prazo de preferência expirar.

O aceite da Oi e o direito de cobrir a melhor oferta é um importante trunfo para o bloco interessado.

Contudo, os trâmites envolvendo a negociação devem se arrastar por um longo tempo. Além da aprovação na Assembleia Geral dos Credores (AGC), a expectativa é que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) demore pelo menos 12 meses para avaliar o negócio sob a ótica de concentração de mercado. 

Sem dúvidas esta notícia é apenas mais um capítulo do longo processo que veremos à frente, mas encerra o primeiro capítulo da novela da “nova Oi”.

O principal catalisador para as ações da Oi é a aprovação do seu novo plano de negócios na Assembleia Geral de Credores, evento que marcará a entrada da Oi em outro momento de mercado.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Recomendado para você

Resultados da CVC

A CVC (CVCB3) apresentou nesta quarta-feira (30), após o fechamento do mercado, os seus resultados do 1T20. Como era de se esperar, os resultados vieram

Petrobras: STF decidirá sobre refinarias

Nesta quarta-feira (30) recomeça o processo de julgamento e votação dos ministros do Supremo Tribunal Federal a respeito da legalidade do processo de venda da

Risco fiscal e aumento da dívida pública

Na coluna de hoje, vou falar sobre a deterioração das contas públicas do Governo Federal, o aumento do déficit público, a consequente alta nas taxas

Fechar Menu

Fechar Painel