Oi OIBR3 EECI

Oi aceita oferta

As companhias do setor de telecomunicações anunciaram nesta segunda-feira (7) que a Oi (OIBR3) aceitou a proposta de 16,5 bilhões de reais realizada pelo bloco formado pela TIM (TIMP3), Vivo (VIVT4) e Claro pelo seu negócio de telefonia móvel, chamado de UPI móvel. Do total, 756 milhões de reais referem-se a serviços de transição a serem prestados pela Oi por um prazo até 12 meses às compradoras.

Segundo o fato relevante oficial emitido pelas companhias, foi acrescentada a oferta um de um termo de compromisso de prestação de serviço de capacidade de transmissão com a Oi na forma de take or pay, ou seja, com pagamento independente do interesse das compradoras pelo serviço no futuro. De acordo com a Oi (OIBR3), o Valor Presente Líquido (VPL) deste serviço é de 819 milhões de reais.

Com isso as companhias brasileiras passam a deter o direito de “primeiro proponente”, o que significa a prerrogativa de cobrir a melhor oferta no leilão pelos ativos que estão sendo negociados.

Todos os termos da oferta passarão pelo crivo da Assembleia Geral dos Credores (AGC) da recuperação judicial, a ser realizada nesta terça-feira (8) 
de forma virtual.

Curiosamente, a notícia é positiva para todas as empresas do setor e esperamos impacto positivo no preço das ações VIVT3/VIVT4, TIMP3 e OIBR3/OIBR4 no curto prazo. Ademais, esperamos que o desempenho das ações da TIM (TIMP3) seja superior ao das demais na sessão de hoje, dada a sua atuação quase que exclusiva no mercado de telefonia móvel no Brasil.

No ano as ações da Oi (OIBR3) sobem 114 por cento, enquanto a TIM (TIMP3) recua 5,3 por cento e a Vivo (VIVT4) tem perdas de 12 por cento, comparada à queda de 12,5 por cento no Ibovespa no período.

A primeira oferta realizada pelo bloco de 15 bilhões de reais enviada em meados de julho, foi superada dias depois pela Highline, que obteve também o direito de preferência. Contudo, o bloco realizou uma nova oferta pelos ativos no total de 16,5 bilhões de reais, e a Highline, que não cobriu a oferta, também viu seu prazo de preferência expirar.

O aceite da Oi e o direito de cobrir a melhor oferta é um importante trunfo para o bloco interessado.

Contudo, os trâmites envolvendo a negociação devem se arrastar por um longo tempo. Além da aprovação na Assembleia Geral dos Credores (AGC), a expectativa é que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) demore pelo menos 12 meses para avaliar o negócio sob a ótica de concentração de mercado. 

Sem dúvidas esta notícia é apenas mais um capítulo do longo processo que veremos à frente, mas encerra o primeiro capítulo da novela da “nova Oi”.

O principal catalisador para as ações da Oi é a aprovação do seu novo plano de negócios na Assembleia Geral de Credores, evento que marcará a entrada da Oi em outro momento de mercado.

—— ——

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

—— ——

Leia também: Oi (OIBR3/OIBR4) fará aditamento ao plano de recuperação judicial

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - NFT
E eu com isso

Os NFTs são a arte do lucro

NFT parece ser a sigla de um título público. Algo como Notas Financeiras do Tesouro. Nada disso. NFT é a abreviatura de Non-Fungible Tokens, ou

Read More »
Levante Ideias - Dinheiro
E eu com isso

PEC dos precatórios

Nesta quinta-feira (16), a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados votou e aprovou, por 32 votos a 26, a PEC (Proposta

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.