reforma da previdência

Mudanças na economia

O fim de semana trouxe duas novidades envolvendo o ministério da Economia e derivados: a primeira diz respeito à baixa do diretor de programas da Secretaria Especial de Fazenda, Caio Megale. O economista comunicou neste fim de semana que deve deixar a posição até a próxima sexta-feira, por motivos pessoais. Segundo fontes, Megale já tinha o desejo de voltar ao setor privado e a distância em relação à família contribuiu para a decisão. Ainda não há substituto para o cargo. 

A segunda novidade é referente a Rubem Novaes, presidente-executivo do Banco do Brasil. Na última sexta-feira, Novaes entregou seu pedido de demissão ao presidente Jair Bolsonaro, após entender que o banco precisa “de renovação para enfrentar os momentos futuros de muitas inovações”. Interlocutores também citam motivos pessoais e o desejo de ficar mais com a família como motivos para a renúncia. O executivo chegou a defender a privatização do banco, juntamente com Guedes, mas disse entender que os trâmites políticos podem ser um empecilho na agenda. 

As baixas podem gerar alguma reação negativa na sessão de hoje, no entanto não as vemos como estruturalmente negativas, até porque dedicar-se ao setor público, e estar suscetível ao jogo politico, cansa e não é tarefa para qualquer um. A equipe econômica ainda trabalha em torno de um nome para substituir Caio Megale na Secretaria Especial de Fazenda, enquanto que o novo presidente do BB já foi indicado pelo ministro da Economia e só depende do aval de Bolsonaro. Fontes afirmam que a solução deve ser um nome interno e o nome mais cotado, atualmente, é o do vice-presidente de Gestão Financeira e Relação com Investidores, Carlos Hamilton Vasconcelos de Araújo. 

A demissão do executivo também traz novos questionamentos quanto à possibilidade de privatização do banco, pretendida por Paulo Guedes e o próprio Novaes. Frustrado com a baixa probabilidade de levar o projeto adiante, o presidente do Banco do Brasil pode também ter entregado seu cargo por não poder cumprir o grande objetivo da privatização. 

Em breve, a nomeação deve ser divulgada ao mercado e tranquilizar os investidores do banco. Para hoje, as ações do banco estatal devem operar de acordo com o humor do mercado, a indefinição podendo afetar de modo levemente negativo as ações.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

Números da Vivo

A Telefônica Brasil (VIVT3/VIVT4) apresentou nesta terça-feira (27), após o fechamento do mercado, o seu resultado do 3T20 e que, na nossa avaliação, foi regular

Read More »
Artigos

BTG compra corretora Necton

Na onda de consolidação do mercado em busca de capturar o número crescente de CPFs na bolsa, o BTG Pactual fechou a aquisição da Necton

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte II

Na primeira parte dessa dupla de textos, concentrei-me em elencar e dissertar acerca das principais regras fiscais em voga hoje no Brasil. Naquela ocasião, deixei

Read More »
Artigos

Política acima de tudo!

O mercado vive uma certa trégua em relação à volatilidade mais acentuada de algumas semanas atrás. Discussões importantes foram adiadas para depois das eleições. Quem

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel