Lojas Renner - LREN3 - Levante Investimentos

Lojas Renner sofre ataque cibernético

Nesta quinta-feira (19), a Lojas Renner informou que sofreu um ataque cibernético em seu sistema, que causou a indisponibilidade na operação do site e do aplicativo da rede, da Realize (instituição financeira da Renner) e de todas as marcas da companhia, incluindo Ashua e Camicado.

Os protocolos de controle e segurança da varejista foram prontamente acionados para bloquear o ataque e mitigar possíveis impactos.

Por volta das 18 horas, a empresa comunicou que grande parte de suas operações já haviam sido restabelecidas e que os principais bancos de dados permaneceram protegidos.

Às 20 horas de ontem, os sites da Renner ainda estavam em manutenção, e as páginas do site de relações com investidores também estavam fora do ar. Até às 8 horas da manhã desta sexta-feira (20), o site ainda se encontrava em manutenção.

A busca pela normalização da totalidade de suas atividades é essencial, visto que as sextas-feiras representam o segundo melhor dia de vendas da semana para a Renner, perdendo apenas para o sábado.

As lojas físicas não tiveram suas atividades interrompidas; porém, a rede constatou que o sistema de pagamentos parou de funcionar em algumas unidades em parte da tarde e na noite de ontem. 

E eu com isso?

A notícia é negativa para as ações da Lojas Renner (LREN3) no curto prazo, que haviam fechado em alta de 1,15% no pregão regular da Bolsa ontem e passaram a cair 0,85% no after market após a varejista comunicar o ataque hacker, visto que o braço digital da Lojas Renner representa 14% das vendas da companhia.

A mensagem que a varejista recebeu dos criminosos foi de que seus arquivos tinham sido criptografados e que estavam interessados em uma recompensa em dinheiro pelos dados.

Em seu comunicado ao mercado, a Renner não informou valores solicitados pelos hackers, apenas que informaria às autoridades competentes o ocorrido.

O que se veicula no mercado é que os servidores foram infectados por um ransomware que sequestra arquivos, cobrando um valor pelo resgate, normalmente usando bitcoins.

Os ataques cibernéticos aumentaram durante a pandemia, e algumas grandes empresas já sofreram com os ataques hackers, como a JBS, a Fleury e, agora, a Renner, apenas neste ano. 

De janeiro até junho de 2021, a Renner já investiu R$ 243 milhões em sistemas e equipamentos de tecnologia, bem mais do que os R$ 266 milhões investidos no ano passado.

A companhia ressaltou que faz uso de tecnologias e de padrões rígidos de segurança, e continuará aprimorando sua infraestrutura para incorporar cada vez mais protocolos de proteção de dados e de sistemas.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

e-eu-com-isso

Leia também: Resultados da Renner (LREN3) do 2T21.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - NFT
E eu com isso

Os NFTs são a arte do lucro

NFT parece ser a sigla de um título público. Algo como Notas Financeiras do Tesouro. Nada disso. NFT é a abreviatura de Non-Fungible Tokens, ou

Read More »
Levante Ideias - Dinheiro
E eu com isso

PEC dos precatórios

Nesta quinta-feira (16), a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados votou e aprovou, por 32 votos a 26, a PEC (Proposta

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.