Rede D'or Logo

IPO da Rede D’Or mostra a saúde do mercado

Há 43 anos, o cardiologista carioca Jorge Moll Filho fundou uma clínica na Zona Sul do Rio de Janeiro. Atualmente, a empresa de saúde independe Rede D’Or é uma potência. Possui uma rede de laboratórios, 52 hospitais e outros 32 em desenvolvimento. Na terça-feira (8), suas ações foram precificadas em 57,92 reais na abertura de capital (Initial Public Offering, ou IPO), que deverá ocorrer na quinta-feira (10). O preço de venda ficou pouco mais de 2 por cento acima da mediana da faixa de preços, que estava em 56,63 reais. Com isso, a companhia vai levantar 11,5 bilhões de reais, dos quais 8,4 bilhões vão para o caixa. A empresa, que continuará sendo controlada pela família Moll, estreia na B3 sendo avaliada em 115 bilhões de reais, na décima posição em valor de mercado. Para comparar, é uma capitalização superior à do Banco do Brasil.

Em termos nominais, o IPO da Rede D’Or é o segundo maior da história do mercado, só perdendo para os 13,2 bilhões da abertura de capital do banco Santander, realizada em outubro de 2009. Em números atualizados pela inflação, é o sétimo maior IPO que fez soar a campainha do pregão da B3. Porém, a posição da Rede D’Or na lista das aberturas de capital não é o mais importante nessa história. O que interessa mesmo é que, apesar da crise financeira provocada pela pandemia e apesar da desaceleração econômica generalizada, histórias de sucesso no mercado como a da Rede D’Or sempre encontram investidores interessados.

Ao longo das últimas décadas foram buscadas explicações para o sucesso da economia americana. O interesse subjacente era tentar reproduzir esse sucesso. E uma das principais causas parece ser justamente a eficácia do mercado de capitais nos Estados Unidos. A face mais visível desse mercado é a balbúrdia no edifício situado no número 11 de Wall Street, onde fica o pregão da Bolsa de Nova York, que ainda emprega operadores de viva voz. No entanto, essa é apenas uma das múltiplas facetas desse mercado. O pregão é apenas a parte visível (e audível) de uma estrutura complexa e bem-azeitada, que permite a investidores com recursos e apetite por risco encontrarem-se com empreendedores criativos, dedicados e dispostos a fazer suas empresas acontecerem.

A economia brasileira ainda está muito distante da americana em termos de tamanho, diversidade e sofisticação. No entanto, ao compararmos as principais empresas listadas na B3 hoje com a mesma lista duas décadas atrás, veremos o quanto o País avançou nesse sentido. Antes da virada do milênio, a maior parte das empresas listadas na bolsa era estatal. Havia mineradoras e bancos em profusão, muitos papéis industriais e uns poucos do agronegócio. Setores como o desenvolvimento imobiliário, saúde e tecnologia simplesmente não eram representados. Atualmente, apesar de os bancos continuarem fortes, as estatais praticamente desapareceram, com exceção de Petrobras, Banco do Brasil e Eletrobras – esta, não por muito tempo. E brilha o setor de saúde, do qual a Rede D’Or é o exemplo mais brilhante. Outros virão, mostrando que o próprio mercado de capitais brasileiro tem saúde para dar e vender, como mostram as aquisições da NotreDame Intermédica e da Qualicorp (LEIA MAIS ABAIXO).

Indicadores

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) variou 1,28 por cento no primeiro decêndio de dezembro, abaixo dos 2,67 por cento do primeiro decêndio de novembro. A taxa em 12 meses passou de 23,79 por cento para 23,52 por cento, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). A queda foi provocada pela desaceleração do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que variou 1,39 por cento no primeiro decêndio de dezembro ante 3,48 por cento no mesmo período de novembro.

COPOM

No fim da tarde desta quarta-feira o Banco Central (BC) vai divulgar a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do ano. Não se esperam surpresas em relação à taxa de juros referencial Selic, que deverá permanecer em 2 por cento ao ano. No entanto, os prognósticos expressos no boletim Focus são de que os juros subam até 3 por cento ao ano em dezembro de 2021, e o comunicado desta reunião poderá fornecer indícios da trajetória dessa alta, se concentrada no primeiro ou no segundo semestre, ou ainda se distribuída ao longo do ano.

E Eu Com Isso?

A quarta-feira começa com um movimento positivo nos mercados devido ao início da vacinação contra o coronavírus no Reino Unido. Apesar de as primeiras etapas da vacinação protegerem apenas uma fração da população britânica, a expectativa é que esse movimento seja um divisor de águas no combate à pandemia.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia também: Contra fluxo não há argumentos.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Paulo Guedes
E eu com isso

No limite

Vamos nos aproximando do fim de ano e, novamente, os escritórios da Faria Lima recebem rumores de que o ministro da Economia, Paulo Guedes, estaria

Read More »
Levante Ideias - Economia China
E eu com isso

O fim do “crescimento chinês”?

A expressão “crescimento chinês” tornou-se um lugar comum nos últimos tempos. Quando um país ou uma empresa apresenta uma expansão significativa e contínua em seus

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.