Plataforma de petróleo da Petrobras

Evite o risco Petrobras

Momentos de turbulência como o atual se caracterizam por uma quantidade de informações acima do normal. O problema é que essas informações são desestruturadas e até contraditórias. Assim, decidir durante a crise é várias ordens de grandeza mais difícil do que tomar decisões em tempos normais – um processo que já não é fácil.

Dito isso, vamos à pergunta da grande maioria dos investidores. Vale a pena comprar ações da Petrobras? Após caírem 26,7 por cento em dois dias e retrocederem à faixa dos 21 reais, cotação em que estavam no fim de outubro passado, as preferenciais da estatal (PETR4) de fato parecem estar baratas. Compensa correr o risco?

Diferentemente de análises que começam com um “veja bem”, nós da Levante Ideias de Investimentos temos por princípio seguir nossos princípios (com perdão do trocadilho). Por isso, nossa avaliação é direta. Sim, Petrobras parece estar barata e, sim, pode proporcionar um lucro no curto prazo. Reconhecemos isso. No entanto, nossa avaliação é que a indefinição ainda é muito grande não só em relação à estatal, como também em relação às políticas de preço do setor, o que eleva bastante o risco de se investir nas ações da companhia. Dessa forma, nossa recomendação é clara: no momento, evite correr o risco de Petrobras.

Há algumas razões muito fortes para isso. Ainda há muita indefinição sobre como vai ficar o Conselho de Administração da empresa. Durante o fim de semana, após a divulgação da notícia de que Roberto Castello Branco seria substituído, circularam rumores de que o Conselho poderia não referendar a escolha de Joaquim Silva e Luna para o comando da estatal. Teoricamente, as novas regras de governança para a Petrobras estabelecidas durante o governo de Michel Temer definem que o presidente da petroleira tem de ter aprovação do Conselho. Porém, no Brasil em que – nas inesquecíveis palavras do ex-ministro Pedro Malan – até o passado é incerto, a teoria da governança corporativa pode ser atropelada pela prática do governo.

Na segunda-feira (22), o presidente Jair Bolsonaro publicou um decreto obrigando os postos de gasolina a alterar a maneira de divulgar os preços dos combustíveis, após ter chamado de “caixa preta” a formação de preços no setor. Essas atitudes e declarações indicam uma preferência pela mão pesada do Estado em lugar da mão invisível do mercado. E esse foi, continua sendo e sempre será o principal risco das empresas estatais no Brasil.

E Eu Com Isso?

Após a forte queda da segunda-feira (22), os contratos futuros de Ibovespa estão iniciando a manhã com uma alta de cerca de 1,5 por cento, em parte para recuperar as perdas da véspera. No entanto, o dia promete ser marcado por volatilidade devido à expectativa com a reunião do Conselho de Administração da Petrobras.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia mais sobre a empresa: Petrobras (PETR3, PETR4) em queda

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Telecomunicação
E eu com isso

Onda de M&A na telecom

Um estudo publicado pela consultoria RGS Partners mostra que o Brasil movimentou mais US$ 92 bilhões em fusões e aquisições em 95 transações entre 2010

Read More »
Levante Ideias - Banco Central
E eu com isso

Semana decisiva para os juros

A próxima semana será decisiva para a trajetória dos juros brasileiros de agora em diante. Em circunstâncias normais, o prognóstico seria de alta das expectativas

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel