Jair Bolsonaro

Avaliação de governo

Foi divulgada, nesta segunda-feira (5), a mais nova rodada da pesquisa de avaliação de governo, elaborada pela XP em parceria com o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe).

Alguns números têm especial relevância e outros são secundários, dada a atual conjuntura política do País. A avaliação negativa (Ruim/Péssimo) do governo Bolsonaro chegou a 48 por cento, enquanto aqueles que avaliam o governo como regular ficaram em 24 por cento e as avaliações positivas (Ótimo/Bom) ficaram na casa dos 27 por cento. O restante (1 por cento) não soube ou não quis responder a pergunta.

Ainda que os números mais recentes tenham oscilado dentro da margem de erro quando comparados à pesquisa anterior, realizada nos dias 9, 10 e 11 de março, um movimento de alta na avaliação negativa do governo tem se confirmado desde o início do ano. Na última pesquisa de 2020, Bolsonaro tinha 25 por cento de avaliação regular (estável), mas apenas 35 por cento de avaliação ruim e péssima e 38 por cento de avaliação ótima e boa. A título de comparação, o pior momento do mandato, em termos de avaliação de governo, foi justamente meados de abril e maio de 2020, quando a curva de casos e óbitos no Brasil acelerou – e a avaliação negativa chegou a 50 por cento, com apenas 25 por cento de avaliação positiva.

A tendência também se confirma quando se observam outras tendências, como a expectativa para o restante do mandato ou até mesmo o percentual de desaprovação da maneira de Bolsonaro administrar o País. 60 por cento dos entrevistados não aprovam a maneira como o presidente vem governando, enquanto 33 por cento concordam com a gestão do presidente e 7 por cento não quiseram ou não souberam responder. Na pesquisa de janeiro de 2021, estes percentuais eram, respectivamente, de 50 por cento, 42 por cento e 8 por cento.

É possível justificar a piora nos indicadores que mensuram a popularidade do governo principalmente pelo recrudescimento da pandemia de Covid-19 no Brasil, mas também pelo fim do auxílio emergencial na virada do ano. Conforme a própria pesquisa mostra, a população brasileira voltou a temer o coronavírus (55 por cento está com muito medo, 28 por cento está com um pouco de medo e 17 por cento não está com medo – em outubro de 2020, quando a média de óbitos e casos baixou significativamente, esses percentuais foram de, respectivamente, 28 por cento, 37 por cento e 34 por cento).

Por fim, vale mencionar o empate técnico decorrente das pesquisas eleitorais de intenção espontânea e estimuladas. No primeiro caso, Jair Bolsonaro tem 24 por cento das intenções de voto e Lula aparece em segundo lugar, com 21 por cento das intenções. Na pesquisa estimulada (com nomes pré-definidos), Lula tem 29 por cento das intenções de voto e Bolsonaro tem 28 por cento.

A nova rodada abordou mil entrevistados por meio de ligações telefônicas, com cobertura nacional e distribuição proporcional segundo gênero, região, ocupação, nível educacional, renda, porte do município, idade, religião e ocupação. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais e o período de coleta foi entre os dias 29 e 31 de março de 2021.

E Eu Com Isso?

Algumas considerações sobre a mais nova rodada da XP/Ipespe: em primeiro lugar, a deterioração da popularidade de Bolsonaro é um dos motivos pelos quais o presidente mudou de postura no combate à pandemia, entendendo que quanto mais presente estiver a Covid-19 na vida dos brasileiros em 2022, menores são suas chances de reeleição.

Ainda assim, mesmo com recordes de casos e óbitos no Brasil – em um contexto em que o mundo vai diminuindo suas curvas –, a resiliência da base eleitoral bolsonarista confere ao presidente um “piso” de avaliação positiva na casa dos 25 por cento. Nas próximas pesquisas, haja vista que o mês de abril ainda será duro no que diz respeito à Covid-19, esse piso deve passar por um teste de fogo.

Com relação às simulações eleitorais, elas ainda têm pouca relevância, com cerca de um ano e seis meses para o próximo pleito. Corridas eleitorais são filmes e pesquisas são apenas retratos retirados dessa longa narrativa. No entanto, neste momento e servindo-me de uma metáfora, é como se concluíssemos que o filme é sobre leões só porque a foto da retirada (a pesquisa, no caso) mostra o logo do MGM Studios.

De qualquer forma, com Lula na disputa, o cenário de volatilidade esperado para 2022 fica ainda mais intenso, uma vez que crescem as incertezas quanto ao desfecho das eleições. A reeleição de Bolsonaro, contudo, segue mais dependendo dele e do resto de seu mandato do que de qualquer adversário político. Agora com o ex-presidente de volta nas pesquisas, investidores podem operar com mais cautela no pregão de hoje.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia também: A armadilha da popularidade.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Juros
E eu com isso

A nova narrativa dos juros

A divulgação da edição mais recente do Relatório Focus nesta segunda-feira (26) mostra uma mudança nas expectativas. Não foi um movimento de ruptura. Ao contrário,

Read More »
Levante Ideias - Congresso Nacional
E eu com isso

Bola da vez

Com a reunião entre Bolsonaro e Ciro Nogueira (PI), o Partido Progressistas é a bola da vez em Brasília. O presidente da sigla deve mesmo

Read More »
Levante Ideias - Economia China
E eu com isso

Sell-off prossegue na China

Na madrugada desta segunda-feira (26), o sell-off (movimento forte e generalizado de venda dos ativos) das ações chinesas do setor de educação privada e tecnologia

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel