Divulgação Eurospot

Aéreas (GOLL4/AZUL3): Rebaixamento de rating pela S&P e aporte do BNDES

Aéreas (GOLL4/AZUL3): Rebaixamento de rating pela S&P e aporte do BNDES

O BNDES vai apoiar as empresas aéreas em dificuldades por causa da crise gerada pela pandemia de coronavírus por meio de um sistema que envolve debêntures conversíveis. Dessa forma, as companhias aéreas Gol e Azul podem receber um aporte de capital através de compra de participações usando modelo que está sendo preparado para o setor.

As informações foram confirmadas pelo presidente do banco, Gustavo Montezano, em entrevista coletiva por videoconferência no último domingo (29). Segundo ele, o modelo deve ficar pronto em abril.

Montezano acrescentou que a BNDES Participações (BNDESPar) vai atuar de forma contracíclica e vai “estar aportando capital em empresas de setores específicos” que estão sendo alinhados com ministérios do governo federal. Montezano também confirmou a possibilidade de o modelo utilizado para as companhias aéreas ser replicado para o apoio a outros setores da economia afetados pela pandemia

Na última sexta (27), a agência de classificação de risco S&P Global havia rebaixado os ratings atribuídos à Latam Airlines, à Azul e à Gol e os manteve em observação negativa.

O rating de emissor de crédito na escala global da Gol foi reduzido de “B” para “B-”, enquanto a nota em escala nacional foi de “brA” para “BBB-”. Já a Azul teve sua nota de emissor de crédito rebaixada na escala global de “B+” para “B”. A nota em escala nacional passou de “brAA” para “brA-”

O setor aéreo atravessa um momento preocupante já que a rápida propagação do novo coronavírus (Covid-19) reduziu significativamente a demanda por viagens aéreas por um período imprevisível. Por isso, o rebaixamento dos ratings era questão de tempo. Entretanto, o apoio do BNDES via debêntures conversíveis não era esperado e, por isso, esperamos impacto positivo no curto prazo para as ações da Gol (GOLL4) e Azul (AZUL4).

Montezano disse que as conversas com as empresas do setor aéreo têm sido intensas e aceleradas. Entre as premissas já definidas para as empresas aéreas estão, por exemplo, a liberação de recursos para operações exclusivamente nacionais das companhias e os recursos não poderão ser usados para pagamento de dívidas e credores financeiros.

Na semana passada, por conta dos efeitos da pandemia sobre a economia e o deslocamento de pessoas, as companhias aéreas brasileiras anunciaram um profundo enxugamento de rotas enquanto a retomada da demanda deve ocorrer apenas ao final do segundo trimestre de 2020 e de forma gradativa.

Um fator de alívio para as empresas aéreas seriam os preços do combustível muito mais baixos devido à queda do preço do petróleo, mas a maior parte das necessidades de combustível para 2020 já estava protegida por hedge, de forma que esse alívio é limitado para o ano.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Azul adquire empresa aérea regional por 123 milhões (AZUL3)

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte I

No Comentário de nº 9 da Instituição Fiscal Independente, “Considerações sobre o teto de gastos da União”, Felipe Salto, Daniel Couri e Josué Pellegrini recortam

Read More »
E eu com isso

Redução de jornada até dezembro

O presidente Jair Bolsonaro assinou, ontem (13) a prorrogação da redução proporcional de jornada e salários e suspensão temporária do contrato de trabalho, medidas previstas

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel