oqueefundomultimercado

ADP assusta mas não compromete

A agência de classificação de risco Fitch reafirmou na terça-feira (5) o rating do Brasil em BB-, mas rebaixou a perspectiva da nota de estável para negativa. O País continua sendo considerado um devedor de grau especulativo.

Segundo a Fitch, o rebaixamento da perspectiva – que indica a direção mais provável de mudança futura do rating – reflete a deterioração fiscal e econômica devido à pandemia do coronavírus e a incerteza política, que inclui as tensões entre o Executivo e o Congresso. Segundo a agência, esses fatores podem prejudicar as reformas e a capacidade do governo manter seus gastos sob controle. 

Apesar da queda da perspectiva, o rating permaneceu inalterado. Segundo a Fitch, isso decorre das reservas internacionais robustas e da capacidade de resistir aos choques externos devido ao câmbio flutuante. 

A agência informou que espera uma retração de 4 por cento no Produto Interno Bruto (PIB) neste ano. “As perspectivas econômicas deterioraram-se acentuadamente devido aos crescentes desafios externos, incluindo a desaceleração significativa da China (um parceiro comercial importante)”, informou a Fitch.

A Fitch contou o que todo mundo já sabia já faz algum tempo. É importante notar que não é algo no Brasil, mas sim mundial.

Logo antes da abertura do mercado por aqui, a Automated Data Systems (ADP) divulgou 20,236 milhões de demissões nos Estados Unidos em abril, referindo-se aos trabalhadores do setor privado e das atividades não agrícolas. Uma das maiores processadoras de folhas de pagamento americanas, a ADP criou um indicador de emprego bastante consultado. A queda em abril foi muito superior às 27 mil demissões de março e, segundo a ADP, “ainda não reflete totalmente as medidas para conter a epidemia do coronavírus, pelo fato de a coleta ter se encerrado no dia 12 de abril.”

Apesar do número de ADP não vir tão diferente do que era esperado, a grandeza do número acaba assustando todo mundo.

As cotações do petróleo que voltavam a subir pela manha, com petróleo americano do tipo WTI aproximando-se dos 25 dólares por barril e o preço do Brent, que serve de referência para Petrobras, superaram a 30 dólares por barril, inverteram a tendência após a divulgação do ADP e estão em queda.

Nos EUA, os futuros de índices de ações sobem na manhã desta quarta-feira depois que o presidente Donald Trump pressionou novamente para reabrir a economia. Trump disse na terça-feira que os americanos devem retornar à vida cotidiana, mesmo que isso leve a mais mortes. 

Na Alemanha, a teleconferência entre os governadores alemães e a primeira-ministra Angela Merkel marcada para hoje deverá confirmar a autorização para os governos regionais decidirem o ritmo de reabertura da economia, incluindo universidades, restaurantes, bares, hotéis, feiras e salões de beleza. E no Reino Unido, a volta às atividades se dará em três etapas. A primeira é a reabertura de pequenas lojas e locais de trabalho ao ar livre, a segunda é a reabertura de lojas maiores e shopping centers, e, finalmente, vão voltar às atividades bares, hotéis, restaurantes, bares e instalações de lazer.

Isso animou os mercados. Na volta de cinco dias de paralisação, as ações subiram 0,7 por cento em Xangai e 1,7 por cento em Seul. Na Europa, o movimento das ações é levemente positivo.

No fim da tarde de ontem, foi divulgado o depoimento do ex-ministro Sérgio Moro que não trouxe nenhuma novidade, o que foi dito é mais do mesmo. 

Com o arrefecimento da tensão política, os investidores deverão ficar atentos ao movimento do mercado internacional. Espera-se um dia com uma certa volatilidade, em que o mercado futuro do índice S&P 500 está abrindo em leve alta e os contratos futuros do Ibovespa também.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: PIB dos EUA, Balanços sólidos, reabertura dos negócios e alta do petróleo estimulam mercado

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Votação em Senado
E eu com isso

Votação da Lei de Falências

A nova Lei de Recuperação Judicial e Falência, apelidada de Lei de Falências no Congresso, será pautada nesta quarta (25) em plenário no Senado Federal.

Read More »
Bull Market EECI
E eu com isso

Ninguém segura o touro

Os números mostram que o Ibovespa retomou seu fôlego em novembro. No mês, até a terça-feira (24), a alta acumulada é de 16,9 por cento.

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel